Augusto Nunes da VEJA, desqualificado, segue tentando ‘…acabar com o PT’ e Lula

Esse cara aí embaixo na foto, o Augusto Nunes da revistinha Veja, deve estar fazendo igual aos delatores da Lava Jato quando são orientados para falar do LULA (senão não tem delação). Sabemos no que se tornou essa tal delação premiada. 

Olha o nível do que o ‘CALUNISTA’ da Veja escreveu hoje:

“Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido e lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido: Lula é a reencarnação de um Tiradentes de botequim.
O devoto Wadih Damous trucida a memória do herói da Inconfidência ao compará-lo ao comandante do assalto aos cofres públicos.”

Anúncios

‘Moro enlouqueceu’, dizem petistas

Lula apresentou a Sérgio Moro os recibos originais de aluguéis do apartamento no ABC que foram legitimados por perícia, mas o Juiz não os aceitou … dizendo que são falsos ? É isso mesmo, produção?

Os senadores petistas Lindbergh Farias (PT-RJ) e Gleisi Hoffmann (PT-PR) acreditam que o juiz Sérgio Moro entrou em parafuso por causa dos recibos originais apresentados pelo ex-presidente Lula.

Gleisi e Lindbergh afirmaram que a perícia identificou que as assinaturas sofreram variações ao longo do tempo na emissão de recibos de aluguéis do apartamento do ex-presidente no ABC, o que quer dizer que não foram produzidos em um mesmo momento.

“Foram cinco máquinas, diferentes cartuchos. Moro segue com seu ultimato para receber os ‘originais’, insistindo que todos foram assinados no mesmo dia. (mesmo tendo sido periciados e legitimados) Irredutível, e se diz imparcial”, disse a presidenta do PT.

“Moro é um juiz FORA DA LEI.” disse Lindbergh. “Foram 5 máquinas, diferentes cartuchos. É o que diz a perícia. mas Moro dá ultimato para receber os originais, insiste que todos foram assinados no mesmo dia e ainda se diz imparcial.

A bancada do PT no Congresso Nacional estuda pedir perícia de sanidade mental do juiz Moro. A conferir.

Jurista argentino classifica condenação de Moro a Lula como “ilegítima”

A própria sentença proferida pelo juiz Sergio Moro reconhece que o bem não está inscrito no nome de LULA. 

A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva juntou em seu recurso contra a condenação no caso do triplex no Guarujá (SP), um parecer do jurista argentino Júlio Meier. De acordo com o documento, não é possível imputar a Lula a propriedade do imóvel pois a própria sentença proferida pelo juiz Sergio Moro reconhece que o bem não está inscrito no nome do político.

Moro condenou Lula por corrupção passiva e ativa e por lavagem de dinheiro. No parecer enviado ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região, que analisará o recurso, Meier afirma que a condenação recorreu a conjecturas e excluiu o Direito Civil brasileiro para resolver o caso de maneira ilegítimae com grave erro em relação ao direito material.

Além das críticas específicas sobre a sentença, ele também faz considerações sobre o sistema judicial do Brasil. Eventuais perseguições, como a defesa de Lula alega acontecer com Moro, seriam evitadas se o país seguisse exemplos de outras nações: para o jurista, é “inconcebível” que o juiz da instrução, que presidiu o procedimento de investigação, seja o mesmo que julga o mérito da ação penal.

Meier, que foi ministro e presidente do Tribunal Superior de Justiça da de Buenos Aires, acredita que dificilmente um tribunal de Direito internacional reconheceria a condenação contra Lula como legítima. Para ele, não há como concluir que a propriedade de um imóvel foi transferida de uma pessoa para outra apenas com base em relatos de testemunhas, ainda mais se forem considerados depoimentos de outros acusados.

“O domínio do imóvel do caso pertence a uma sociedade (pessoa jurídica) e a sentença tampouco parte de afirmar que o ex-presidente seja um dos sócios ou acionistas dessa sociedade, hipóteses na qual poder-se-ia discutir que o “presente” foi recebido indiretamente. A hipótese, portanto, é também descartável”, afirma Meier.

No parecer solicitado por Cristiano Zanin Martins, advogado de Lula, Meier ressalta que nada cobrou pelo documento. O jurista evitou avaliar provas, mas afirmou ser “assombroso” o fato de imputar o domínio do imóvel a Lula a atitudes da esposa, Marisa Letícia, morta em fevereiro deste ano, como se ambos “fossem um único corpo e alma”.

O jurista classificou de “absurda” a atribuição a Lula do crime de lavagem de dinheiro. Ele classifica a condenação como “incompreensível” e adverte que não houve dinheiro algum envolvido, pois os maiores valores apontados sequer teriam vindo do patrimônio do ex-presidente Lula, mas suportados por quem se reputa ter oferecido a suposta vantagem.

Comprovante de aluguel
Em petição, a defesa de Lula também negou ter entregue cópias falsas de comprovantes de pagamento do aluguel do apartamento ao lado do que o ex-presidente mora. A discussão se dá em outro processo, também sob responsabilidade de Moro. A defesa requer que a entrega dos documentos originais, que já foram incluídos no andamento eletrônico do processo, sejam entregues em audiência formal e com a presença de um perito.

[VÍDEO] Lula mostra os presentes que recebeu no Nordeste

Filho de Lula teve sua casa revirada pela Polícia Tucana

O filho adotivo do ex-presidente Lula, Marcos Claudio Lula da Silva, foi alvo de uma operação da Polícia Tucana Civil de São Paulo, nesta terça-feira (10).

A presidenta nacional do PT, Gleisi Hoffmann, classificou a operação uma “violência” e uma “perseguição sem fim” à família Lula.

PERSEGUIÇÃO SEM FIM!
A operação policial na casa de Marcos Cláudio Lula da Silva, filho do ex-presidente Lula, a partir de uma suposta e falsa denúncia anônima, foi uma violência que tem de ser explicada por todas as autoridades envolvidas.

O simples fato de nada de ilícito ter sido encontrado na residência mostra que a medida foi abusiva e sem qualquer fundamento real. A perseguição a Lula e sua família não tem limites.

O PT esta solidário com Lula, com seu filho, nora e netos. O Brasil precisa enfrentar seriamente os repetidos abusos de autoridade.

GLEISI HOFFMANN
Presidenta nacional do PT

Semana ‘Che Guevara’ triangula o revolucionário ao Papa e ao PT

Mas o que FRANCISCO e o PARTIDO DOS TRABALHADORES têm a ver com isso?

Isolando-se o líder de guerrilha, temos um que é religioso. Mas e o outro – o que é o PT? O Brasil mesclará essa resposta que jamais será dada em uníssono porque o Brasil está dividido.

Quando mencionamos Che Guevara, imediatamente surge um escandaloso de plantão nos comentários gritando que o guerrilheiro foi um assassino sanguinário. Entretanto, queremos lembrar que à imagem de Guevara associa-se toda uma ideologia libertária que busca romper os laços entre opressores e oprimidos. Se Che Guevara estivesse no Brasil de hoje, e se fosse de sua vontade incorruptível, certamente já teria reunido uma grande quantidade de homens para invadir Brasília e expulsar de vez aqueles que nos oprimem com cortes de direitos que o povo conquistou com muita luta, mas que vão a público, na cara dura, pra dizer que são medidas para nosso crescimento econômico.

É bem fácil relacionar os ícones da imagem postada sem prejuízo à proposta isolada idealizada por cada um. Mas não há como conceber tal ideia com todo o ódio implantado no coração, abstraído daqueles discursos neoliberais que encheu a avenida Paulista de tolos fantasiados de desportistas ultranacionalistas em um passado recente que ainda faz parte dessa mesma temática.

Obviamente, não compactuamos da ideia de violência de Che. Mas seus valorosos princípios tratavam de tomar aquela brutalidade necessária e desassociá-la de seu idealismo político que somente teria chance de vencer daquela forma. Mesmo porque a própria violência pré-existia em Cuba, de prontidão, antes da chegada dos revolucionários. Fulgêncio Batista, o ditador, não entregaria a ilha a qualquer pessoa que proclamasse sua insatisfação com o regime. Desse modo, os métodos utilizados para a conquista da liberdade do povo cubano jamais poderiam ser pacíficos.

A vitória foi consumada e Cuba desenvolveu setores internos anos-luz à frente de outras potências do mundo, como a medicina e a educação. Entretanto, um embargo econômico imposto pelos EUA limitou bastante o crescimento em outros patamares. Mas o básico estava garantido para a população. O tempo passou, Guevara foi morto em combate na América do Sul e transformou-se no maior ícone da representatividade das lutas sociais por direitos do povo.

Enquanto isso, no Brasil, a ditadura matava estudantes, artistas e subjugava trabalhadores. Lulasurgiu no cenário defendendo sua classe específica. Che Guevara decolou como símbolo de luta. Muitos Papas católicos passaram pelo Vaticano. Luiz Inácio cresceu e entrou para a política, porque tinha o dom, ajudando fundar o Partido dos Trabalhadores. No mundo, escândalos diversos na Igreja Católica assombravam as pessoas. Lula conscientizou as pessoas e virou presidente garantindo a maioria dos avanços sociais idealizados pelo PT.

A direita não gostou, mas Lula venceu de novo. E depois disso, veio Dilma também do PT. A direita detestou. A Igreja estava sem moral com escândalos de pedofilia e outros. Francisco, da Argentina foi para o Vaticano como um Papa. E até então tem revelado sua alma bondosa agindo nos assuntos do povo. Mas não pode fazer muito, apenas pregar sua fé em Deus e pedir para que governantes tenha cuidado nas questões sociais.

O resto da história, todos já conhecem. E você, ao olhar novamente para a imagem desta postagem tenho certeza que o fará não mais com a mesma estranheza, porque depois de ler este texto não há mais aquele que não a compreenda.

Não conseguiram condenar Lula, agora mudam as leis para impedir sua eleição

De que forma a absurda decisão do STF pode afetar a candidatura de Lula

Na seção do Supremo Tribunal Federal desta quarta-feira (04/10) foi decidido, por 6 votos a 5, que a Lei da Ficha Limpa (oito anos de inelegibilidade) deve valer para candidatos condenados antes que a lei passasse a vigorar. O ministro Alexandre de Moraes, contrário a esta decisão afirmou: “Essa retroatividade afeta a segurança jurídica, é um desrespeito à coisa julgada”

O debate no STF se centrou na questão: uma lei posterior pode atingir casos anteriores à sua publicação, restringindo direitos dos candidatos? A favor votaram Luiz Fux, Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Dias Toffoli e Cármen Lúcia. Contra: Gilmar Mendes, Alexandre de Moraes, Marco Aurélio, Celso de Mello e Ricardo Lewandowski.

Retroatividade

Ricardo Lewandowski esclareceu que “… se um governo autocrático assumisse o poder… e para atingir seus desafetos políticos faça editar uma lei tornando inelegível por 20 anos aqueles que já tinham condição de elegibilidade, já tinham se candidatado e ganho uma determinada eleição. Isso, do ponto de vista do ideal mesmo de democracia, é algo impensável.” A Lei da Ficha Limpa reuniu cerca de 1,6 milhão de assinaturas, foi votada e aprovada em 2010 no Congresso Nacional e sancionada pelo presidente Lula no mesmo ano. A lei impede a candidatura de condenados quando tomada por decisão colegiada (por mais de um juiz ou mais de uma instância julgadora).

Ser condenado em primeira instância, como o ex-presidente Lula, não o impede de se candidatar. E mesmo uma condenação em segunda instância não o impediria de concorrer, dependendo de quando essa decisão for tomada. Lula exerceu o mandato de presidente do Brasil de 2003 a 2011. As principais denúncias que pesam sobre ele, no Ministério Público do Paraná, são Triplex no Guarujá, Sítio de Atibaia, Terreno do Instituto Lula, Obstrução de Justiça pela indicação a ministro. Mesmo sem provas cabais de propriedade ou de que houve favorecimento ou pagamento de suborno em troca de favores no governo, o MP segue em busca de sua condenação. Esta decisão do STF fortalece este tipo de justiçamento e cria mais possibilidades de impedir a candidatura de Lula.

O ministro Sebastião Reis (Superior Tribunal de Justiça) criticou os vazamentos seletivos de processos: “MP e PF usam a imprensa com o intuito claro de criar pano de fundo favorável à acusação em processos e para defender projetos de lei absurdamente imorais, aproveitando-se da sanha acusatória que toma conta do País”.

Reis acrescentou que, “com isso, qualquer um que discorde dos órgãos de acusação é taxado como inimigo, cúmplice de bandido e favorável à corrupção.” E concluiu: “hoje em dia é preciso mais coragem para absolver um inocente do que para tirar a liberdade de alguém.”

Defender Lula é defender a classe trabalhadora

O momento é decisivo para todos os militantes de esquerda, do movimento operário, popular e estudantil, dos negros, das mulheres, dos sem terra e sem teto e de todas as minorias atacadas pelo regime burguês de fome e miséria que vem sendo implementado em nosso país como resultado do golpe de estado.

“ condenação de Lula em mais um processo farsa é um ataque inaceitável da direita a todos os que lutam contra o golpe de Estado e suas medidas contra o país e os trabalhadores.

Defender Lula é uma questão de sobrevivência. Se Lula for preso, o regime de exceção se fortalece e se a direita golpista vai buscar intensificar os ataques contra os trabalhadores e suas organizações de luta.

Por isso a luta contra o golpe passa, na etapa atual, pela defesa da liberdade de Lula e outros dirigentes petistas como José Dirceu, pelo fim da lava jato e de todo processo de ditadura e de perseguição do judiciário contra e ex-presidente, PT e toda a esquerda.

Fonte: diariodacausaoperaria