TEMER e o Quadrilhão do PMDB voltam à tona através de Edson Fachin

14/12/2017 0 Por Redação Urbs Magna

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF) votou nesta quinta-feira (14) a favor de manter na primeira instância da Justiça as acusações contra políticos do PMDB denunciados junto com o presidente Michel Temer por organização criminosa.

A decisão depende da maioria dos votos no plenário da Corte. A sessão desta quinta foi encerrada antes dos votos dos demais ministros. O julgamento será retomado na sessão da próxima terça (19), a última do ano.

O STF analisa recursos contra decisão de novembro do próprio Edson Fachin que fatiou a denúncia e enviou para o juiz Sérgio Moro, relator da Operação Lava Jato em Curitiba, parte do processo relativa ao ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ); aos ex-ministros Geddel Vieira Lima e Henrique Eduardo Alves; e ao ex-assessor de Temer Rodrigo Rocha Loures.

Nos recursos, as defesas de Geddel e Cunha, por exemplo, pediam que o processo fosse reunificado no STF, já que o crime de organização criminosa pressupõe uma unidade do crime entre várias pessoas.

Na prática, o atendimento do pedido deixaria o caso parado, já que o processo ao qual respondem Temer e os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral) foi suspenso pela Câmara dos Deputados.

A defesa de Temer chegou a fazer pedido semelhante, para paralisar o processo que envolve os políticos do PMDB, sob o argumento de que a produção de novas provas contra eles poderia implicar o presidente sem que ele pudesse se defender e questioná-las, já que a denúncia contra ele só volta a tramitar em 2019, após o fim do mandato.

No voto, Fachin considerou que não haverá prejuízo para as defesas das partes, já que durante o curso do processo o Ministério Público ainda terá de provar a culpa de cada um.

“No que tange à acusação, caberá sem dúvida alguma ao Ministério Público Federal produzir elementos de prova capazes de demonstrar em relação a cada um dos acusados a perfeita subsunção das condutas que lhe são atribuídas ao tipo penal, que tutelam bem jurídico supostamente violado, em especial o seu elemento subjetivo, composto pelo dolo de promover, constituir, financiar, integrar organização criminosa”, afirmou no voto.

O ministro também considerou que é possível separar o processo relativo a organização criminosa porque a conduta de cada um dos supostos integrantes é analisada de forma individualizada.

Ele também considerou que o caso deve ficar com Moro, na primeira instância, devido à conexão com a Operação Lava Jato e porque os políticos já não mais possuem o foro privilegiado.

Fonte: O Globo

𝘊𝘰𝘮𝘦𝘯𝘵𝘦 𝘤𝘰𝘮 𝘴𝘦𝘶 𝘍𝘢𝘤𝘦𝘣𝘰𝘰𝘬 𝘰𝘶 𝘶𝘵𝘪𝘭𝘪𝘻𝘦 𝘢 𝘰𝘶𝘵𝘳𝘢 𝘴𝘦çã𝘰 𝘮𝘢𝘯𝘵𝘪𝘥𝘢 𝘢𝘣𝘢𝘪𝘹𝘰. 𝘖𝘴 𝘤𝘰𝘮𝘦𝘯𝘵á𝘳𝘪𝘰𝘴 𝘴ã𝘰 𝘥𝘦 𝘳𝘦𝘴𝘱𝘰𝘯𝘴𝘢𝘣𝘪𝘭𝘪𝘥𝘢𝘥𝘦 𝘥𝘦 𝘲𝘶𝘦𝘮 𝘰𝘴 𝘱𝘶𝘣𝘭𝘪𝘤𝘢 𝘦 𝘱𝘰𝘥𝘦𝘮 𝘯ã𝘰 𝘳𝘦𝘧𝘭𝘦𝘵𝘪𝘳 𝘢 𝘰𝘱𝘪𝘯𝘪ã𝘰 𝘥𝘰 𝘴𝘪𝘵𝘦. 𝘛𝘦𝘹𝘵𝘰𝘴 𝘷𝘶𝘭𝘨𝘢𝘳𝘦𝘴 𝘦 𝘥𝘪𝘴𝘤𝘶𝘳𝘴𝘰𝘴 𝘥𝘦 ó𝘥𝘪𝘰 𝘴ã𝘰 𝘥𝘦𝘴𝘯𝘦𝘤𝘦𝘴𝘴á𝘳𝘪𝘰𝘴 𝘱𝘢𝘳𝘢 𝘢 𝘤𝘰𝘯𝘴𝘵𝘳𝘶çã𝘰 𝘥𝘦 𝘶𝘮𝘢 𝘴𝘰𝘤𝘪𝘦𝘥𝘢𝘥𝘦 𝘤𝘪𝘷𝘪𝘭𝘪𝘻𝘢𝘥𝘢. 𝘕𝘦𝘴𝘵𝘦𝘴 𝘤𝘢𝘴𝘰𝘴, 𝘳𝘦𝘴𝘦𝘳𝘷𝘢𝘮𝘰-𝘯𝘰𝘴 𝘰 𝘥𝘪𝘳𝘦𝘪𝘵𝘰 𝘥𝘦 𝘣𝘢𝘯𝘪𝘳 𝘴𝘦𝘶𝘴 𝘱𝘦𝘳𝘧𝘪𝘴.
Anúncios