Saques em série de ex-assessor de Flavio Bolsonaro contraria versão mentirosa do ‘empréstimo’

12/12/2018 0 Por Redação Urbs Magna

Detalhamento das movimentações bancárias do ex-assessor do deputado estadual e senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL/RJ), o policial militar Fabrício José Carlos Queiroz, mostra que os maiores saques realizados por ele, em 2016, foram antecedidos de depósitos realizados anteriormente, “geralmente na véspera”, o que aponta que Queiroz não era o destinatário final do dinheiro movimentado.

“Essa movimentação é característica de uma conta de passagem, na qual o real destinatário do valor creditado não é o seu titular. O uso de dinheiro em espécie nas duas pontas da operação reforça esse indício”, aponta reportagem da Folha de S.Paulo nesta terça-feira (12), que utilizou informações que constam em relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).

Segundo o líder do PT na Câmara, deputado Paulo Pimenta (RS), a movimentação financeira sincronizada e os saques atípicos na conta de Queiroz colocam em suspeição a versão do presidente Jair Bolsonaro (PSL) e de seu filho. “Falta sintonia nas versões dos filhos de Jair Bolsonaro. Qual é a versão oficial?”, questiona o parlamentar.

Entre os dias 16 e 17 de fevereiro de 2016, por exemplo, Queiroz fez três saques de R$ 5.000 cada um, totalizando R$ 15 mil. Antes cinco depósitos em dinheiro vivo foram feitos em sua conta, entre os dias 15 e 17 de fevereiro, totalizando R$ 15,3 mil. Movimentação parecida volta a ocorrer nos dias 14 e 15 de junho daquele ano, com outros dois saques de de R$ 5.000 que antecederam um depósito de R$ 15,3 mil.

Segundo a reportagem, as movimentações bancárias indicam a hipótese de que Queiroz fosse responsável por recolher parcela dos salários de outros assessores do gabinete de Flávio Bolsonaro – sete, segundo o Coaf – que depois eram repassados à família. 

Bolsonaro e filho alegam que o dinheiro que Queiroz enviou à família, incluindo um depósito de R$ 24 mil reais em nome da futura primeira-dama, Michelle, se refere a pagamento de um empréstimo concedido ao ex-assessor, com quem manteriam laços de amizade. O empréstimo, no valor de R$ 40 mil, teria sido pago com dez cheques de R$ 4 mil cada. O Coaf não identificou essas movimentações. Em vez disso, apontou que o ex-assessor movimentou R$ 1,2 milhão, entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017.

“Se eu errei, arco com a minha responsabilidade com o Fisco sem problema nenhum”, disse Bolsonaro, no último sábado (8). Pela Lei nº 4.729/1965, é crime “prestar declaração falsa ou omitir, total ou parcialmente, informação que deva ser produzida a agentes das pessoas jurídicas de direito público interno, com a intenção de eximir-se, total ou parcialmente, do pagamento de tributos, taxas e quaisquer adicionais devidos por lei”.

Via Rede Brasil Atual

Receba nossas atualizações direto no seu WhatsApp – Salve nosso número em sua agenda e envie-nos uma mensagem – É GRÁTIS – ACESSE AQUI

Doe ao Et Urbs Magna

𝙲𝙾𝙽𝚃𝚁𝙸𝙱𝚄𝙰 𝚌𝚘𝚖 𝚘 𝚅𝙰𝙻𝙾𝚁 𝚀𝚄𝙴 𝙳𝙴𝚂𝙴𝙹𝙰𝚁 (O valor está expresso em Dólar americano) Para alterar o valor a contribuir, basta alterar o MULTIPLICADOR na caixa correspondente 𝐀 𝐩𝐚𝐫𝐭𝐢𝐫 𝐝𝐞 𝐔𝐒𝐃 $ 5 até o limite que desejar

$5.00

Comente com o Face ou utilize a outra seção abaixo. Os comentários são de responsabilidade do autor e não têm vínculo com a publicação. Mantenha um bom nível de discussão, do contrário reservamo-nos o direito de banir seus perfis.