Categoria: AMBIENTALISMO

Ministro do Meio Ambiente exonera 21 superintendentes do Ibama de uma só vez, após alertarem sobre riscos em barragens

Por Redação Urbs Magna

Pouco depois da maior catástrofe ambiental da história do Brasil, alertada pelo Ibama, o ministro Ricardo Salles desmonta a estrutura de fiscalização e demite 21 superintendentes regionais do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais (Ibama); as demissões foram publicadas no Diário Oficial da União; o motivo ainda não foi divulgado por Salles nem pelo Ministério do Meio Ambiente

Anúncios

Engenheiro aposentado descobre ‘erro técnico’ em barragens de rejeitos, como a de Brumadinho, e apresenta a solução, mas a justiça prefere prender falsos culpados – outras tragédias são inevitáveis

Por Dino Barsa

Um engenheiro civil aposentado de 72 anos, com quase 50 de experiência em obras de barragens para hidrelétricas, alerta que um ‘erro técnico coletivo’ (que consegue ‘driblar’ a normatização da ABNT) pode estar sendo utilizado indevidamente nas barragens de rejeitos de mineradoras, como as de Brumadinho e Mariana, que tiveram rompimentos desastrosos recentemente. A partir deste conhecimento ineficiente empregado por empresas de mineração, deduz-se que todas as barragens de rejeitos também sofrerão rompimento em algum momento.

Lama da tragédia-crime de Brumadinho atingirá o Rio São Francisco em 15 dias

Por Redação Urbs Magna

A lama de rejeitos de minério de ferro da Vale que rompeu a barragem em Brumadinho deverá atingir o rio São Francisco a partir do dia 15 de fevereiro; previsão consta no primeiro boletim de monitoramento especial do Rio Paraopeba produzido pelo Serviço Geológico do Brasil (CPRM) e da Agência Nacional de Águas (ANA); cálculos feitos pelos técnicos do governo apontam que a lama chegará à usina de Três Marias, a primeira instalada ao longo do São Francisco, entre os dias 15 e 20 do próximo mês; três anos depois da lama da Samarco, controlada pela Vale, praticamente matar o Rio Doce, será a vez do Velho Chico?

Bolsonaro mentiu sobre meio ambiente no discurso em Davos

Por Redação Urbs Magna

Além de breve, o discurso de Jair Bolsonaro (PSL) no Fórum Econômico Mundial de Davos, nesta terça-feira (22), foi baseado em informações incorretas. “Somos o país que mais preserva o meio ambiente. Nenhum outro país do mundo tem tantas florestas como nós”, disse o presidente. No entanto, dados do Índice de Desempenho Ambiental (Environmental Performance Index – EPI), ranking bienal feito pelas Universidades de Columbia e Yale, que conta com apoio do próprio Fórum Econômico Mundial, mostrou que, entre 180 países, o Brasil ocupa a 69ª posição.