Flávio Dino: “É constrangedor ver um colega ex-juiz federal dedicar-se a assassinar o Direito em tweets”

Falar em “inocentar no mérito”? Que maluquice é essa? E agora dizer que existem “condenações em 3 instâncias” contra Lula? E a declaração de nulidade?

É constrangedor ver um colega ex-juiz federal dedicar-se a assassinar o Direito em tweets”, afirmou o ex-governador do Maranhão e pré-candidato ao senado pelo estado, Flávio Dino (PSB), que também é advogado, professor de direito constitucional da Universidade Federal do Maranhão e passou em primeiro lugar no mesmo concurso que o hoje declarado suspeito pelo STF e ONU, Sergio Moro.

“Falar em “inocentar no mérito”? Que maluquice é essa? E agora dizer que existem “condenações em 3 instâncias” contra LULA? E a declaração de nulidade?“, questionou indignado sobre as declarações do derrotado político que não se cansa de apanhar e passar vergonha com suas postagens insistentes contra o ex-presidente, feitas no microblog Twitter.

Momentos antes das declarações de Dino, o ex-juiz, que é investigado devido a suposta fraude eleitoral, por mudança de domicílio do Paraná para São Paulo, afirmou na plataforma que “é estranho esse questionamento enquanto a candidatura de um condenado em 3 instâncias seja tratada com naturalidade“.

Em seguida, Moro tomou uma invertida do ex-deputado federal Jean Wyllys, que afirmou que LULA foi “condenado em duas instâncias enquanto não se sabia da fraude e da corrupção perpetradas pela quadrilha disfarçada de força-tarefa que você [Sergio Moro] chefiava com a ajuda da imprensa”.

Há dois dias, o renomado advogado do Grupo Prerrogativas, Augusto de Arruda Botelho, quase chamou Moro de burro, mas pediu: “Volte pra faculdade, comece do zero”.

Volta pra faculdade, Sergio, leia mais, comece do zero e aí quem sabe você vai entender que não foram erros. Nulidades, aprenda essa palavra. Suas decisões foram anuladas em várias instâncias porque você era incompetente, parcial e suspeito“.

Comente

Comente

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.