Nobel da Paz sai para Campanha contra armas nucleares

Entidade com sede na Suíça, a ICAN é uma coalizão de 300 ONGs que trabalha para construir um tratado mundial de proibição do arsenal atômico

A coalizão de organizações Campanha Internacional para Abolir as Armas Nucleares (ICAN) venceu o Prêmio Nobel da Paz 2017. O anúncio foi feito na manhã desta sexta-feira (6) em Oslo.

A organização recebe o prêmio por seu trabalho para chamar a atenção sobre as consequências humanitárias catastróficas do uso de armas nucleares e por seus esforços pioneiros para obter um tratado de proibição destas armas, afirmou a presidente do Comitê Norueguês do Nobel, Berit Reiss-Andersen.

O Comitê destacou que as potências nucleares devem iniciar “negociações sérias” de desarmamento.

O Prêmio da Paz deste ano é também um apelo para que estes Estados iniciem negociações sérias destinadas à eliminação gradual, equilibrada e cuidadosamente supervisionada das quase 15 mil armas nucleares que existem no mundo, disse Berit Reiss-Andersen.

Mais de 70 anos depois das bombas atômicas norte-americanas lançadas sobre as cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki, e em um momento de grande tensão a respeito da crise norte-coreana, o Comitê do Nobel deseja ressaltar os esforços da ICAN para livrar o mundo das armas nucleares.

Fundada em 2007 em Viena, durante uma conferência internacional sobre o tratado de não proliferação nuclear, a ICAN tem sede em Genebra, nos prédios do Conselho Ecumênico das Igrejas, outra organização internacional.

Esta coalizão de mais de 300 ONGs conseguiu mobilizar desde então ativistas e personalidades para defender sua causa. A ICAN estimulou um tratado histórico de proibição das armas nucleares que foi adotado por 122 países em julho, mas o seu alcance é sobretudo simbólico, pela ausência das nove potências nucleares entre os signatários.

A organização, que tem um orçamento anual de US$ 1,2 milhão, funciona graças à ajuda financeira de vários governos, como Noruega, Suíça, Holanda, Alemanha ou a Santa Sé, assim como de doadores privados, da União Europeia e várias fundações.

A entidade Receberá o prêmio, que consiste em uma medalha de ouro, um diploma e um cheque de nove milhões de coroas suecas (US$ 1,1 milhão) durante uma cerimônia em Oslo no dia 10 de dezembro, a data do aniversário da morte em 1896 do criador do prêmio, o filantropo sueco e inventor da dinamite, Alfred Nobel.

fonte:gauchach

Anúncios

Globo usa Rocinha para manipular opinião política

Uma Guerra Civil tem o perfil rivalístico da organização de dois ou mais grupos dentro de um mesmo estado-nação sendo ao menos um deles caracterizado pela recusa da aceitação dos ideais do governo vigente.

A implicação é a força armada na tentativa de fazer notar-se as linhas visionárias intelectocomportamentais de uma parcela representativa de cidadãos que têm em comum o estado geográfico limítrofe, mas com alta discordância de seus elementos de fundamentação.

NÃO É O CASO do que acontece na Rocinha, quando um grupo de bandidos com problemas sociais (gerados pela negligência do próprio Brasil e sua crise inacreditavelmente e tão somente política) tenta impor sua sobrevivência às custas daqueles que crêem que não têm pecados capitais por serem bem sucedidos nas escalas da ascensão social inseridas no pensamento comum.

Mesmo porque aquela favela tem sua limitação peculiar e dependente de uma condição urbanística localizada – não expansiva – e jamais poderia entrar num contexto de maior relevância a ponto de garantir atenção e configurar uma calamidade nacional que não seja apenas a violência.

A Rocinha é quase um bairro. Apenas isso. E o interressante é que a manipulação do pensamento da sociedade brasileira, neste momento de incerteza política, dá claras evidências de que há um plano sendo desencadeado pelo plano original, desta vez com o exército.

Estão tentando converter o que é apenas um problema de segurança pública em algo absurdamente sem sentido, pois que é mais certo que já vivemos essa guerra civil de Norte a Sul do Brasil e as armas utilizadas são as mentiras midiáticas contadas por nossa elite e os três poderes temperadas com muito ódio, o que não tem nada de imparcial.

É o que eu queria compartilhar mas, infelizmente não podemos disseminar também a capacidade de cognição.

Temer mentiu na ONU

Quem acha que o presidente Michel Temer faltou com a verdade na ONU apenas quando disse que o desmatamento da Amazônia teria diminuído 20% está muito enganado. O discurso do presidente golpista foi uma sucessão de mentiras do início ao fim. Como presidente da Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, vou me ater apenas às falácias de Temer na área ambiental.

Desde o início de seu mandato ilegítimo, Temer vem atacando sistematicamente a área ambiental, onde estamos vivendo o período de maior retrocesso desde a redemocratização. Essa é a realidade.

Vamos então dissecar as mentiras do presidente ilegítimo. Temer afirmou: “O desmatamento é questão que nos preocupa, especialmente na Amazônia. Nessa questão temos concentrado atenção e recursos. Pois trago a boa notícia de que os primeiros dados disponíveis para o último ano já indicam diminuição de mais de 20% do desmatamento naquela região.”

Em nota oficial, Temer disse que utilizou dados do Imazon para tentar vender a queda no desmatamento e foi prontamente desmentido por técnicos do próprio Imazon! Misturou dados de 2016 e 2017 que foram obtidos com metodologias completamente diferentes. Os dados oficiais do INPE mostram exatamente o contrário. O próprio ministério do Meio Ambiente divulgou sem alarde no dia 29 de agosto deste ano os dados oficiais. Entre agosto de 2015 a julho de 2016 o desmatamento AUMENTOU em 27%, chegando a 7.989 km² no período. O INPE utiliza uma rigorosa metodologia monitorando o desmatamento na Amazônia Legal em uma série histórica que vem desde 1988. Os dados para 2017 ainda não foram divulgados pelo instituto.

Ele também disse, sem um mínimo de vergonha, que: “O compromisso do Brasil com o desenvolvimento sustentável é de primeira hora. (…) Em todas as frentes, o Brasil procura dar sua contribuição para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.”

O mundo fantasioso de Temer é completamente descolado da realidade. Da LOA (Lei Orçamentaria Anual) de 2017 para a PLOA (Projeto de Lei Orçamentária Anual) de 2018 o orçamento do Ministério do Meio Ambiente caiu quase 17%. Mostrando que a área ambiental e o desenvolvimento sustentável estão longe de ser uma prioridade de seu governo. Os programas que ajudam a conter o desmatamento foram os mais afetados, vejamos:

Ampliação e Consolidação do Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza: corte de 74,6%

Apoio à Conservação Ambiental e à Erradicação da Extrema Pobreza – BOLSA VERDE: programa excluído.

Apoio à Implementação de Instrumentos Estruturantes da Politica Nacional de Resíduos Sólidos: corte de 97,4%

Apoio a Projetos de Desenvolvimento Sustentável Voltados à Qualidade Ambiental Urbana: corte de 97,1%

Recuperação e Preservação de Bacias Hidrográficas: corte de 95,7%

Só aqui são mais de R$ 85 Milhões de cortes no orçamento que afetarão diretamente a capacidade do Brasil de cumprir com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, que Temer fez tanta questão de propagandear para os líderes mundiais. Porém está claro que o presidente não engana ninguém. O alarde em defesa da Amazônia por seu decreto de extinção da RENCA (Reserva Nacional de Cobre e Associados) em agosto deste ano chamou a atenção do mundo para a maneira irresponsável com que trata o patrimônio natural brasileiro. Com uma desaprovação beirando os 90%, Temer fez um discurso mentiroso na tentativa de abrandar a visão extremamente negativa que o mundo tem de seu governo e de suas políticas ambientais.

No discurso da ONU, portanto, como representante de todo o povo brasileiro, nosso presidente passou vergonha e mentiu para o mundo. Não podemos nos calar diante disso. Como brasileiros temos a obrigação de denunciar as falácias do presidente ilegítimo Michel Temer, para que suas mentiras não sejam também as mentiras de todos nós.

*Artigo publicado anteriormente no PT na Câmara

Nilto Tatto é deputado federal pelo PT-SP e presidente da Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara

E agora, o tipo vende a floresta amazônica. Não é fácil a vida no meu querido país…

Todas as comunidades ambientalistas internacionais estão indignadas com o que está acontecendo no Brasil. O mundo inteiro expressa sua perplexidade

Nesta matéria, publicamos a tradução do Jornal francês Le Monde desta semana sobre a decisão do Presidente do Brasil Michel Temer de acabar com parte da reserva amazônica

Milhões de hectares de floresta amazônica são abertos à mineração. O presidente brasileiro decidiu revogar o status de reserva natural na área do Pará e Amapá no Norte do Brasil. Agora, quatro milhões de hectares de floresta amazônica poderão ser explorados por empresas de mineração.

O presidente brasileiro, Michel Temer, decidiu revogar o status de uma reserva natural, concedida a essas terras em 1984 sob a ditadura militar. Um decreto para este efeito foi publicado na quarta-feira, 23 de agosto, no Diário Oficial. No entanto, o texto estipula que “não questiona a aplicação da lei relativa à proteção da flora e dos territórios indígenas”.

Em Abril, um documento oficial do Ministério de Minas e Energia argumentou que a dissolução da reserva “seria explorar o potencial mineral da região”, abrindo-o como privado – anteriormente apenas as empresas públicas foram autorizadas a operar lá.

Acelerando o desmatamento – Várias organizações não-governamentais, como o Fundo Mundial para a Natureza (WWF), expressaram preocupação sobre esta área localizada nos estados do Pará e Amapá no Norte do Brasil, onde habitam muitas tribos. As autoridades locais garantem que essa mudança de status tenha sido colocada sob o controle de órgãos de proteção ambiental.  Mas o governo Temer tem sido regularmente acusado por ONGs de vender a floresta amazônica sob pressão do poderoso lobby e interesses das empresas de mineração agronegócio. Em junho, durante uma visita do presidente em Oslo, Noruega, principal doador para a proteção da floresta amazônica, advertiu que os seus pagamentos para o Brasil seria reduzido pela metade em 2017 devido à aceleração do desmatamento .

Uma criança discursa repreendendo corruptos


Vídeo    –    Jacinto Angel Tun Noh acusou deputados do México

Um menino de 10 anos denuncia corrupção de políticos mexicanos  

O vídeo de uma criança repreendendo deputados do sudeste de um Estado do México e acusando-os diretamente de corruptos viralizou nas redes sociais daquele país, onde seus usuários aplaudiram a coragem de Jacinto Angel Tun Noh em denunciar um dos grandes males da atualidade.
Aconteceu no sétimo encontro do evento denominado “Parlamento Infantil de Quintana Roo“, no qual as crianças assumem o papel de deputados por um dia, ocasião em que o estudante de apenas 10 anos de idade fez um discurso convincente de cinco minutos expressando seu desejo de viver em uma nação em que seu povo tenha orgulho de dizer “Eu sou mexicano“. “Estamos chocados com a corrupção“, disse Angel Jacinto censurando os governantes pela “manutenção de privilégios políticos em um momento de miséria de grande parte da população.”

O menino foi enfático ao acrescentar que crimes parlamentares ocorridos em seu estado, conhecido por ser destino turístico internacional como Cancun e Riviera Maya, tornaram-se “insultos para aqueles que amam esta terra“. Angel arrancou aplausos do público presente quando mencionou o “roubo descarado e sem punição” do ex-governador Roberto Borge (2011-2016), que foi denunciado pelo governo do estado atual pela suposta venda irregular de terras do Estado para seus próprios parentes e colaboradores. “O que está sendo feito e por que as autoridades não o colocam atrás das grades? Têm medo ou têm propina? Qualquer outro cidadão que roubasse uma galinha para manter sua família seria condenado a dez anos de prisão“, disse o pequeno parlamentar.

A criança termina seu discurso pedindo um basta com a corrupção de políticos e envia uma mensagem a todos os cidadãos para que sejam mais “ativos para as mudanças reais que dependem de nossa iniciativa.” O vídeo recebeu dezenas de comentários sobre a coragem do menino e, em tom de brincadeira, proporam que ele fosse o próximo líder nacional: O que acontece com este país onde uma criança  expressa melhor os sentimentos do povo do que o próprio presidente!“, disse um usuário.

 

Fossa Biodigestora: solução no trato das fezes humanas

A tecnologia dificulta a corrupção e o superfaturamento, pois é de domínio público e interesse social.

conheça 6 iniciativas de saneamento-fossa de bananeira

O médico-veterinário e gênio brasileiro Antonio Pereira de Novaes que morreu em 2011 inventou a Fossa Biodigestora e o Clorador Embrapa, ganhando o prêmio Banco do Brasil de Tecnologia Social em 2003.

A Fossa Séptica Biodigestora foi inspirada em biodigestores de países asiáticos: baixo custo de instalação e fácil manutenção produzindo um ótimo adubo líquido. No Município de Jaboticabal (SP) há uma fazenda onde o adubo orgânico gerado é utilizado para irrigar 6.500 pés de noz macadâmia, cujo pomar produz anualmente de 70t. de macadâmia em casca.

Já foram implantadas mais de 11 mil unidades da Fossa Séptica Biodigestora por aí.  Ela foi adotada em mais de 250 municípios brasileiros, de Norte a Sul do Brasil, gerando benefícios para 57 mil pessoas principalmente na área rural. Mas o saneamento básico apresenta impactos também nas cidades.

A Fossa Séptica Biodigestora substitui melhor as fossas negras protegendo a saúde dos moradores do campo e elimina a construção de redes de esgoto – que têm um custo astronômico – além de promover a proteção ambiental ao evitar que dejetos contaminem solo e corpos d’água. Se implantado nas cidades, os benefícios poderiam ser multiplicados em até cem vezes.

A construção desse sistema de saneamento básico poderia reduzir, anualmente, cerca de 250 mortes e 5,5 milhões de infecções causadas por doenças diarreicas. Além disso, cada R$1,00 investido na adoção dessa tecnologia poderia retornar para a economia R$4,69. E o mais incrível é que essa tecnologia criada com sustentabilidade, baixo custo, fácil aplicação e replicabilidade, possui um enorme potencial para adoção em todo o País.

Apenas 4,45% dos Municípios brasileiros adotaram tecnologias sociais. O baixo acesso aos serviços de saneamento básico na área rural é um dos principais fatores que amplificam a crise sanitária que afeta a qualidade de vida e a saúde. Tudo poderia ser resolvido muito bem com essa tecnologia de eficiência comprovada na biodigestão dos excrementos e na eliminação de agentes patogênicos.

A Embrapa orienta a instalação e disponibiliza informações de montagem em sua página na internet. A montagem de um conjunto básico da tecnologia, projetado para uma residência com cinco moradores, é feita com três caixas d´água de 1.000 litros (fibrocimento, fibra de vidro, alvenaria, ou outro material que não deforme), tubos, conexões, válvulas e registros. A tubulação do vaso sanitário é desviada para a Fossa Séptica Biodigestora. As caixas devem ficar semienterradas no solo e a quantidade de caixas deve aumentar proporcionalmente ao número de pessoas na família.

O gênio brasileiro Antonio Pereira de Novaes trabalhou durante 30 anos na Embrapa. Além de médico veterinário e pesquisador, foi também violonista, mestre de banda, compositor de dobrados, entre outras atividades sociais. Ele poderia ter recebido em vida as honras de suas invenções, mas morreu em 2011 e quem sabe se faça ainda jus à herança que deixou aos brasileiros.

Quando a Terra tinha mais de 2 pólos

Há 650 milhões de anos, o campo magnético da Terra sofreu grandes anomalias.evolução polos terrestres

Um grupo de pesquisadores da Carnegie Institution for Science, dirigido por Peter Driscoll, acabou de descobrir algo verdadeiramente surpreendente: há centenas de milhões de anos, o campo magnético da Terra era completamente diferente. Nosso planeta teve mais de dois pólos magnéticos. Isso causou surpresa entre os cientistas. A descoberta foi recentemente publicada na revista Geophysical Research Letters.

Sabemos que a Terra gera um forte campo magnético que se estende a partir do seu núcleo interno em direção ao espaço, e protege o nosso mundo e nossa atmosfera como um escudo capaz de desviar as partículas energéticas que continuamente nos bombardeiam vindas do sol e do espaço . Sem essa proteção, o nosso planeta não poderia defender o incessante “ataque” de radiação cósmica e, certamente, a vida não existiria.

A teoria do dínamo descreve o processo pelo qual um fluido condutor em rotação e convecção mantém um campo magnético. Esta teoria é usada para explicar a presença de campos magnéticos com uma duração anômala em corpos astrofísicos. O fluido condutor no geodínamo é o ferro líquido no núcleo exterior, e no dínamo solar é o gás ionizado na tacoclina. A teoria do dínamo para corpos astrofísicos utiliza equações de magnetoidrodinâmica para investigar como o fluido pode regenerar continuamente o campo magnético.

O núcleo interno é a parte mais interna da Terra, se estende por 3.500 quilômetros, do centro do planeta para o exterior. Os cientistas, geofísicos acreditam que ele é metálico, formado principalmente por ferro, com um pouco de níquel e outros materiais misturados. A temperatura do núcleo da terra é muito alta, cerca de 6 mil graus Celsius. Na parte mais externa, o material que forma o núcleo interno é sólido enquanto o material do núcleo externo se encontra na forma líquida, segundo evidências geofísicas, de geomagnetismo e sismologia.

No entanto, o núcleo interno da Terra nem sempre foi sólido como é hoje. Os cientistas puderam avaliar toda a formação magnética da Terra através da análise de rochas antigas que têm uma “assinatura” indicativa da polaridade da época em que essas rochas se formaram. Assim, perceberam que nosso modelo de registro geológico não oferece muitas evidências de grandes mudanças na intensidade do campo magnético ao longo dos últimos 4.000 milhões de anos.

Por esta carência de aspectos, Driscoll desenvolveu um novo modelo com a história térmica de nosso planeta ao longo dos últimos 4.500 milhões de anos. E esse modelo indica que o núcleo interno teria começado a solidificar, precisamente, cerca de 650 milhões de anos atrás. “os modelos antigos apresentavam uma surpreendente quantidade de incerteza” explica Driscoll. “Os novos modelos não suportam a ideia de um campo de dois pólos estável o tempo todo, muito ao contrário do que pensávamos até agora. “

Vários pólos magnéticos

Os resultados de Driscoll mostram claramente que há cerca de um bilhão de anos, a Terra pode ter passado por uma transição de uma forte semelhança com o campo magnético atual (dois opostos no Norte e Sul) para um campo magnético instável variando em intensidade e direcção e que não foi originado por dois, mas por vários pólos magnéticos diferentes . Em seguida, e logo depois da solidificação do núcleo interior (650 milhões de anos), as simulações mostraram que o campo magnético mudou outra vez, de fraca a forte, novamente para dois pólos.

Driscoll afirma que estes experimentos podem oferecer uma explicação para as estranhas flutuações na direcção do campo magnético observado nos registos geológicos entre 600 e 700 milhões de anos e tais mudanças abruptas no campo de magnetismo do planeta também tem grandes implicações para a história térmica da Terra, especialmente ao se reconstruir os movimentos de climas continentais do passado. Ou seja, se o cientista estiver correto, certamente seremos forçados a reescrever muito do que sabíamos sobre o passado geológico do nosso mundo.

Modelos e simulações de Driscoll deverão ser comparados com outros dados captados de rochas magnéticas para, só então, testar a viabilidade da nova hipótese.