BOULOS JÁ GANHOU, seja qual for o resultado em São Paulo

28/11/2020 0 Por Redação Urbs Magna

O candidato à Prefeitura conquistou as redes sociais de todo o Brasil se tornando grande referência política no cenário nacional – parcialidade da grande mídia só ajuda

Nas redes sociais, Guilherme Boulos (PSOL) leva a melhor sobre Bruno Covas (PSDB). O pessolista já ganhou esta eleição, seja qual for o resultado em São Paulo.

O candidato progressista à Prefeitura conquistou as redes sociais de todo o Brasil se tornando grande referência política no cenário nacional apesar da parcialidade da grande mídia, vista por exemplo no programa Roda Vida, da TV Cultura, sob o comando da direitista declarada Vera Magalhães, bem como em recente entrevista promovida pela Folha de São Paulo e UOL, quando a repórter deu menos de 10 segundos para resposta de Boulos. E isso só o ajudou.

Do Blog da Cidadania – O segundo turno neste domingo, 29, será particularmente eletrizante em São Paulo e no Recife, embora em grau de importância quanto ao resultado se inclua também o Rio de Janeiro.

Nas três capitais, o que as urnas falarem provocará efeitos colaterais sobre os oponentes e respectivos partidos com alguma repercussão sobre os preparativos para 2022.

Com chance de virar o desfecho apontado pelas pesquisas e vencer o prefeito Bruno Covas, Guilherme Boulos talvez não faça um mau negócio se perder essa eleição.

Boulos não precisará encarar o desafio amazônico de administrar uma cidade complexa como São Paulo, arriscando-se a perder o prestígio recentemente conquistado e poderá se beneficiar desse mesmo prestígio como ativo para se posicionar nas articulações do campo da esquerda para o embate de daqui a dois anos.

No Recife, a briga entre PT e PSB liderada pelos primeiros Marília Arraes e João Campos, seja qual for o resultado vai dificultar (e muito) o entendimento desses dois partidos e favorecer um cenário de vetos recíprocos no posicionamento para esquerda na definição de candidatura (estaduais e nacional) para 22.

No Rio, a enorme vantagem de Eduardo Paes leva as expectativas a se concentrarem sobre o tamanho da surra que levará o prefeito Marcelo Crivella. Isso, no entanto, não deixa o mais que provável vencedor numa situação confortável.

A partir de 1º de janeiro vai se deparar com uma cidade em estado pré-falimentar, situação muito diferente daquela em que foi prefeito por oito anos. Saiu bem avaliado e de 2021 em diante esse patrimônio estará em teste.

Boulos e Manuela tendem a fazer mais votos do que indicam as pesquisas, diz analista

Guilherme Boulos obteve 20,24% dos votos no 1º turno das eleições, em 15 de novembro. Mesmo considerando a margem de erro, nenhuma pesquisa de intenção de voto realizada pelos principais institutos havia previsto essa pontuação. Às vésperas do pleito, Boulos tinha 16%, segundo o Ibope, e 17%, no levantamento do Datafolha, com margem de erro de dois pontos percentuais.

Para vencer Bruno Covas (PSDB) no 2º turno, o líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) precisaria repetir a façanha e superar novamente as previsões, que apontavam uma distância de aproximadamente dez pontos entre os candidatos, segundo o Datafolha divulgado na terça-feira (24), e de sete pontos, conforme levantamento da XP/Ipespe publicado na quinta (26). Para Marcos Coimbra, sociólogo e presidente do instituto Vox Populi, que realiza pesquisas de opinião há 36 anos, a missão não é impossível.

“Quem vai votar no Bruno Covas já tem a escolha definida. É um voto ‘fácil’, por ser um sujeito conhecido, neto do Mário Covas [ex-governador paulista, falecido em 2001]. É um voto encaixado dentro do que o velho senso comum recomendaria”, argumenta o especialista. “A questão é que estamos vivendo outro mundo, e as pessoas sentem que as coisas precisam mudar. Quem diz que está em dúvida é quem está querendo votar no Boulos, mas não admite isso para si mesmo ainda”, diz Coimbra.

Somando os brancos e nulos e os 5% que não souberam ou não opinaram na última pesquisa do Ibope, são cerca de 17 pontos percentuais “em disputa”. Para se ter uma ideia, a diferença entre Covas e Boulos caiu seis pontos em menos de uma semana, segundo pesquisa Datafolha da última terça (24).

No último levantamento do Ibope, o ritmo de crescimento da candidatura do PSOL diminuiu – o que não significa que o eleitor já tenha definido seu voto.

 “Será que eu vou ter coragem de votar no Boulos? É disso que estamos falando”, completa Coimbra. “Considerando a tradição política da cidade, é uma ousadia votar em um candidato com uma biografia de esquerda, que tem um partido de esquerda muito definido. É uma ruptura que o eleitor assimila aos poucos, e as pesquisas talvez não reflitam isso de maneira correta, apesar de estarmos às vésperas das eleições”.

A mesma análise se aplicaria a outra candidata de esquerda, Manuela D’Ávila (PCdoB), que disputa o 2º turno em Porto Alegre (RS).

“O eleitor não quer votar ‘pra trás’, não quer votar por medo. Quer votar para frente, sem amarras”, analisa o presidente do Vox Populi. “É por isso que a candidatura da Manuela também continua com chances de vitória. Muitos votam com convicção, mas há uma parcela do eleitorado que quer experimentar algo diferente, e são esses que levam mais tempo para decidir o voto”.

A candidata do PCdoB na capital gaúcha teria 46% dos votos válidos, segundo o Ibope, contra 54% de Sebastião Melo (MDB). Brancos e nulos somam 5%, enquanto 4% dos entrevistados não responderam ou disseram que não sabem em quem votarão.

Telegram: Acesse e SIGA NOSSO CANAL

Comente com o Face ou utilize a outra seção abaixo. Os comentários são de responsabilidade do autor e não têm vínculo com a publicação. Mantenha um bom nível de discussão, do contrário reservamo-nos o direito de banir seus perfis.