VÍDEO: The Economist diz que “Bolsonaro desmata a Amazônia a uma proporção de mais de duas Ilhas Manhattan por semana” – Jornal da Globo repercute – ASSISTA


The Economist, mais influente revista econômica do mundo, publicou editorial no qual defende boicote a produtos brasileiros por parte dos consumidores de todo o planeta e de parceiros comerciais


O texto Relógio da Morte para a Amazônia (Deathwatch for the Amazon, em inglês), publicado nesta 5ª feira (1º.ago.2019) defende que a abstenção deve ser feita caso o governo Bolsonaro insista em não preservar a Amazônia.


“O Brasil tem o poder de salvar a maior floresta do planeta –ou destruí-la”,  diz em um trecho do texto.

Segundo a publicação, a perda de cobertura florestal acelerou em 2/3 desde 2015 e o presidente do Brasil estaria apressando esse processo: “O colapso ecológico que suas políticas podem precipitar seria sentido de maneira mais aguda nas fronteiras de seu país, que circundam 80% da bacia –mas também ia muito além delas”. 

Capa da The Economist
Resultado de imagem para deathwatch for the amazon

A revista acrescentou que Bolsonaro rejeita as previsões científicas dos “pessimistas”, mas que elas podem acontecer em breve sob comando do atual presidente.

“Os pessimistas temem que o ciclo de degradação descontrolada possa acontecer quando outros 3-8% da floresta desaparecerem”, afirma.

A matéria também apresentou dados que mostram que, após Bolsonaro assumir o cargo de presidente, o desaparecimento das árvores atingiu uma taxa de “mais de duas Manhattans por semana”.

O discurso do presidente nesse sábado (27.jul.2019) em cerimônia de brevetação dos militares da área no Rio de Janeiro, também foi criticado. No evento, Bolsonaro lembrou dos objetivos que elencou para o 1º mandato como colocar o Brasil no “local de destaque que merece”, afirmando que deve lealdade absoluta ao povo.

O Brasil é nosso, a Amazônia é nossa, a Presidência é do povo brasileiro”, disse.

De acordo com a Economist, a afirmação do presidente foi errada, pois a morte da floresta afetaria diretamente os outros 7 países com os quais o Brasil compartilha a bacia do rio.

“Por todas estas razões, o mundo deveria deixar claro ao senhor Bolsonaro que não tolerará seu vandalismo”, diz a publicação, acrescentando que companhias de alimentos deveriam rejeitar soja e carne produzidas ilegalmente em terras amazônicas.

Jornal da Globo desta sexta-feira (02) enfatizou a reportagem de The Economist apresentando dados e a reação do Governo que negou tudo. Assista:

via Poder 360 / Jornal da Globo



Comente

Comente

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.