Toffoli e Aras sabiam que a B-58 ia explodir. Então Bolsonaro se escondeu na Arábia

31/10/2019 0 Por Redação Urbs Magna

Por vinte dias, todos guardaram o segredo do porteiro. Dias Toffoli seguia sua rotina de manter Lula preso. Aras, ninguém nem achava que ele já estivesse em atividades na P-GR


De nove a vinte e nove de outubro, todos já sabiam, com exclusividade, que o porteiro do condomínio tinha afirmado que, no dia do crime, um dos assassinos entrou no condomínio do então deputado federal, se passando por visita de Bolsonaro.

Esta imagem possuí um atributo alt vazio; O nome do arquivo é ET-URBS-MAGNA-LARANJA-um2-1024x1024.png
TELEGRAM:
Acesse e siga NOSSO CANAL
Receba nossas Newslleters gratuitamente
Não tem o aplicativo? ACESSE AQUI e Saiba por que o TELEGRAM é 10 vezes melhor que o WHATSAPP

Quando a polícia civil pegou o depoimento do porteiro pela segunda vez, o MP-RJ fez duas ações importantes: contou pra Witzel o que estava acontecendo e mandou parar as investigações, alegando foro federal.

Foram à Brasília. Sentaram com Aras e Toffoli. Os policiais pediram permissão para manterem as investigações no Rio e, o não pronunciamento de Toffoli, por 20 dias, foi o suficiente para acionar Bolsonaro, o síndico do condomínio, dar aos suspeitos, os registros de áudio, vídeo e livros de visitas da portaria… Por 20 dias, todos os envolvidos e interessados na morte de Marielle, tiveram tempo suficiente para elaborarem grande plano de fuga pela tangente.

Bolsonaro deixou o óleo derramando no nordeste e pegou sua comitiva dos mais encrencados com a justiça, entre eles seu fiel escudeiro fraudador do INSS, Helio Negão e partiu dar volta na Ásia e Oriente, sem agenda oficial.
Enquanto passeava pela Muralha da China, Aras e Toffoli, MP-RJ e governador do Rio, davam “um jeito” de manterem tudo em sigilo.




A Globo vaza o depoimento do porteiro. Sem nenhum compromisso social com nada, coloca um cidadão comum, sozinho, de frente com a mais organizada quadrilha, agora, internacional.

Bolsonaro se desespera (porque quem não deve, não teme) e acaba se enrolando numa live pra lá de suspeita. Aciona Moro, Aras, Witzel, MP-RJ… Todos correm atrás do vazamento, antes que vire desastre ambiental.
Bolsonaro, ainda enrolado, acaba confessando que Witzel lhe passou o andamento do processo em segredo de justiça, no dia que o porteiro confirmou o depoimento pra polícia civil (9 out).

Carlos também se desespera e tenta provar que nem estava em casa, no dia do crime. Se enrola também, com documentos e aquivos em segredo de justiça, que já estavam em suas mãos, antes que estes chegassem à polícia e ao MP-RJ. Witzel se desespera e desmente Bolsonaro. Diz que não passou nada sobre o caso Marielle pra Jair.
Moro se antecipa e, no início da manhã já dizia o que seria estampado nos jornais: “o porteiro mentiu e pronto”.

Deputados e senadores se reúnem e, numa coletiva pra imprensa, defendem que o processo não corra no Supremo. Há indícios mais que claros de corrupção de Moro, Aras e PF.
Mas o processo está nas mãos do Witzel/Bolsonaro/Carlos, no Rio.

A polícia civil não consegue avançar com tamanha máquina criminosa e parcial, contra ela. A testemunha que ligaria os assassinos aos mandantes, encontrada e ouvida só há 20 dias, foi revelada pela Globo de noite e desmentida pelos suspeitos de dia.

Queiroz que via com inveja, Adélio Bispo ser blindado, viu Adriano ser preso, Lessa ser preso, Élcio ser preso e viu sua família toda fora dos esquemas das rachadinhas. Mesmo tendo fugido pra São Paulo com despesas milionárias pagas, se sentiu esquecido e, com isso, ameaçado. Tudo aponta que os áudios dele, que foram parar nas mãos da imprensa, foi momento de desespero de Queiroz.

Nos áudios ele fala de uma “pica do tamanho de um cometa” que arrombaria o clã. O “segredo de justiça” que a Globo teve “com exclusividade”, Moro já tinha, Aras já tinha, Toffoli já tinha, Carlos Bolsonaro já tinha e até Queiroz.

Quem mandou matar Marielle, após 2018, tem o MP-RJ nas mãos, a GAECO-RJ nas mãos, a Globo nas mãos, a Record no bolso, a PGR, o presidente do STF, Moro, PF, o governador do Rio…

Mataram Marielle em março de 2018, depois a mataram de novo, com ataques fascistas nas eleições e com as fake news que ofendiam sua memória.

Hoje, os assassinos de Marielle a mataram pela 3ª vez. Na nossa cara.

por Malu Aires

SIGA Et Urbs Magna

FacebookTwitterInstagram
𝘊𝘰𝘮𝘦𝘯𝘵𝘦 𝘤𝘰𝘮 𝘴𝘦𝘶 𝘍𝘢𝘤𝘦𝘣𝘰𝘰𝘬 𝘰𝘶 𝘶𝘵𝘪𝘭𝘪𝘻𝘦 𝘢 𝘰𝘶𝘵𝘳𝘢 𝘴𝘦çã𝘰 𝘮𝘢𝘯𝘵𝘪𝘥𝘢 𝘢𝘣𝘢𝘪𝘹𝘰. 𝘖𝘴 𝘤𝘰𝘮𝘦𝘯𝘵á𝘳𝘪𝘰𝘴 𝘴ã𝘰 𝘥𝘦 𝘳𝘦𝘴𝘱𝘰𝘯𝘴𝘢𝘣𝘪𝘭𝘪𝘥𝘢𝘥𝘦 𝘥𝘦 𝘲𝘶𝘦𝘮 𝘰𝘴 𝘱𝘶𝘣𝘭𝘪𝘤𝘢 𝘦 𝘱𝘰𝘥𝘦𝘮 𝘯ã𝘰 𝘳𝘦𝘧𝘭𝘦𝘵𝘪𝘳 𝘢 𝘰𝘱𝘪𝘯𝘪ã𝘰 𝘥𝘰 𝘴𝘪𝘵𝘦. 𝘛𝘦𝘹𝘵𝘰𝘴 𝘷𝘶𝘭𝘨𝘢𝘳𝘦𝘴 𝘦 𝘥𝘪𝘴𝘤𝘶𝘳𝘴𝘰𝘴 𝘥𝘦 ó𝘥𝘪𝘰 𝘴ã𝘰 𝘥𝘦𝘴𝘯𝘦𝘤𝘦𝘴𝘴á𝘳𝘪𝘰𝘴 𝘱𝘢𝘳𝘢 𝘢 𝘤𝘰𝘯𝘴𝘵𝘳𝘶çã𝘰 𝘥𝘦 𝘶𝘮𝘢 𝘴𝘰𝘤𝘪𝘦𝘥𝘢𝘥𝘦 𝘤𝘪𝘷𝘪𝘭𝘪𝘻𝘢𝘥𝘢. 𝘕𝘦𝘴𝘵𝘦𝘴 𝘤𝘢𝘴𝘰𝘴, 𝘳𝘦𝘴𝘦𝘳𝘷𝘢𝘮𝘰-𝘯𝘰𝘴 𝘰 𝘥𝘪𝘳𝘦𝘪𝘵𝘰 𝘥𝘦 𝘣𝘢𝘯𝘪𝘳 𝘴𝘦𝘶𝘴 𝘱𝘦𝘳𝘧𝘪𝘴.