Sob Nova Direção: Lula é procurado por governadores, até os bolsonaristas, para alinhamento em 2023

Ibaneis Rocha, do DF, convocou reunião de seus colegas eleitos, que deve ocorrer ainda antes da posse

Governadores, mesmo os bolsonaristas, buscam fortalecer relações com Lula, que assumirá o Executivo a partir de 1 de janeiro de 2023. Por ora, sob o argumento de um alinhamento com o Palácio do Planalto, os gestores “não escondem a preocupação com a redução do ICMS sobre os combustíveis, iniciativa que foi tomada por Bolsonaro durante o período eleitoral e atingiu o caixa dos Estados. Agora, eles vão pedir ajuda a Lula. O assunto é tratado como prioritário e emergencial“, informa o jornal O Estado de S. Paulo.

O texto cita um dos mais influentes apoiadores de Bolsonaro na campanha, o governador reeleito de Minas GeraisRomeu Zema (Novo), que admitiu interesse em se reunir com Lula para levar a ele demandas. Outro foi o governador reeleito do AmazonasWilson Lima (União Brasil), que quer “diálogo com o governo federal”. Ele afirma que, agora, “Bolsonaro passa da situação para a oposição e isso é normal no processo democrático”.

No Acre, o bolsonarista Gladson Cameli (PP) também decidiu estabelecer contato com Lula e já se encontrou com o presidente eleito na COP-27, no Egito, onde pediu dinheiro e falou das BRs. Cameli diz que o presidente eleito “pediu a farinha de Cruzeiro do Sul [conhecida como a melhor farinha de mandioca do mundo, com Selo de Indicação Geográfica concedido pelo INPI (Instituto Nacional de Propriedade Industrial)]”.

O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), convocou reunião de seus colegas eleitos com o Presidente eleito Lula, no dia 7 de dezembro, mas o encontro foi adiado e uma nova data deve ser marcada antes da posse, em 1 de janeiro.

No Rio, outro bolsonarista, Cláudio Castro (PL), já conversou com Lula e o cumprimentou após o resultado da eleição. Em São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), ex-ministro da Infraestrutura do governo Bolsonaro, disse que o resultado das urnas foi “soberano”, além de ver como “fundamental o alinhamento com o governo federal.”

Ronaldo Caiado (União Brasil), conhecido bolsonarista, governador de Goiás, disse estar “preparado” para Lula. No Sul, Ratinho Júnior (PSD-PR) e Jorginho Mello (PL-SC) também já manifestaram disposição para o diálogo com Lula. Apesar da situação do catarinense ser delicada em razão da maioria apoiar os atos de Bolsonaro, ele sinalizou que pretende participar da reunião, sem demonstrar adesão nem amizade, mas ouvindo e evitando destruir pontes.

A matéria identificou que os governadores devem pedir ao futuro presidente que se comprometa com um novo pacto federativo. A reforma tributária é prioridade para os Estados. Também compõem a lista de pedidos a ser encaminhada por apoiadores de Bolsonaro a Lula recursos para abastecer os Estados com vacinas e medicamentos contra a covid-19, além de uma compensação financeira por perdas com a redução de impostos sobre a gasolina e o diesel.

Comente

Comente

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.