Queiroga não tem foro privilegiado e deveria ser processado por ‘apagão de dados’, diz vice-PGR

Humberto Jacques de Medeiros pediu informações à PF sobre ação do PT no STF contra o ministro da Saúde e informou à Corte sobre a já existência de uma investigação da procuradoria

O vice-procurador-geral da República, Humberto Jacques de Medeiros, endossou documento solicitando à  Polícia Federal  mais informações pedido de investigação, apresentado no dia 12 de janeiro por deputados do PT ao STF (Supremo Tribunal Federal), contra o ministro da Saúde,  Marcelo Queiroga.

O documento dos parlamentares citou supostos crimes de prevaricação e infração de medida sanitária no episódio do “apagão de dados” provocado por um ataque hacker, em 10 de dezembro de 2021, no  Ministério da Saúde.  

A falta de informações sobre a pandemia após a ação prejudicou o sistema de dados da pasta e o acompanhamento do cenário epidemiológico, quando as notificações sobre mortes e casos de Covid-19 no país, além de informações sobre a campanha de vacinação e outras doenças, ficaram fora do ar por 11 dias.

Medeiros diz que um outro inquérito sobre o mesmo tema já está em curso na PGR, logo a petição não estaria sob administração do STF, mas da procuradoria e, por isso, solicitou arquivamento na Corte ante a existência dessa investigação preliminar.

O vice-PGR também afirmou, segundo o portal de notícias Metrópoles, que Queiroga não possui foro privilegiado e deveria ser processado no primeiro grau do Judiciário.

Comente

Comente

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.