Publicar não é crime: ‘Que Assange seja solto de sua injusta prisão’, diz Lula após encontro com editores do WikiLeaks

Julian Assange, 51 anos, está detido em uma prisão britânica desde 2019, sob a ameaça constante de extradição para os EUA. Antes, ele viveu por sete anos refugiado na embaixada do Equador em Londres

O Presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva, esteve reunido com os editores do WikiLeaks, o chefe Kristinn Hrafnssone, e Joseph Farrell, na segunda-feira (28/11). Eles informaram a Lula, conforme postagem em seu perfil no Twitter, “a situação de saúde e da luta por liberdade de Julian Assange [fundador do site].

Lula disse que pediu “para que enviassem minha solidariedade” ao jornalista e desejou que “Assange seja solto de sua injusta prisão“.

Veja abaixo e saiba mais a seguir:

Alguns dos principais veículos de imprensa do mundo publicaram, também nesta segunda-feira (28/11) uma carta pedindo que o governo dos Estados Unidos derrube as acusações contra Assange. O texto afirma que o processo movido pelos país contra o ativista prejudica a liberdade de imprensa.

O documento foi publicado pelos seguintes veículos: o jornal britânico The Guardian, o estadunidense The New York Times, o espanhol El País, o francês Le Monde e a revista e portal da Alemanha Der Spiegel.

Os cinco veículos foram escolhidos para publicar o material – mais de 250 mil documentos – fornecido pela Wikileaks entre 2010 e 2011 sobre abusos de militares dos EUA no Iraque. Como reprimenda, o governo dos EUA decidiu processar Assange, em uma ação que pode levá-lo à pena de morte, diz a matéria do portal Brasil de Fato.

Kristinn Hrafnsson também confersou com Marina Silva (Rede), que pediu liberdade imediata para Assange: “A única forma de sairmos dessa crise climática é com transparência“, disse a ex-ministra.

Julian Assange, 51 anos, está detido em uma prisão britânica desde 2019, sob a ameaça constante de extradição para os EUA. Antes, ele viveu por sete anos refugiado na embaixada do Equador em Londres.

Leia a carta na íntegra:

Publicar não é crime: o governo dos Estados Unidos deveria encerrar o processo contra Julian Assange por publicar segredos.

Doze anos atrás, em 28 de novembro de 2010, nossos cinco meios de comunicação internacionais – New York Times, Guardian, Le Monde, El País e Der Spiegel – publicaram uma série de revelações em cooperação com o WikiLeaks que chegaram às manchetes em todo o mundo.

“Cablegate”, um conjunto de 251.000 telegramas confidenciais do departamento de estado dos EUA, revelou corrupção, escândalos diplomáticos e assuntos de espionagem em escala internacional.

Nas palavras do New York Times, os documentos contavam “a história nua e crua de como o governo toma suas maiores decisões, as decisões que mais custam ao país em vidas e dinheiro”. Mesmo agora em 2022, jornalistas e historiadores continuam a publicar novas revelações, usando o tesouro único de documentos.

Para Julian Assange, editor do WikLeaks, a publicação de “Cablegate” e vários outros vazamentos relacionados tiveram as consequências mais graves. Em 12 de abril de 2019, Assange foi preso em Londres com um mandado de prisão dos EUA e agora está detido há três anos e meio em uma prisão britânica de alta segurança geralmente usada para terroristas e membros de grupos do crime organizado. Ele enfrenta extradição para os EUA e uma sentença de até 175 anos em uma prisão americana de segurança máxima.

Este grupo de editores e publicadores, todos os quais trabalharam com Assange, sentiram a necessidade de criticar publicamente sua conduta em 2011, quando cópias não editadas dos telegramas foram divulgadas, e alguns de nós estão preocupados com as alegações na acusação de que ele tentou ajuda na invasão de computador de um banco de dados classificado. Mas nos reunimos agora para expressar nossas sérias preocupações sobre o processo contínuo de Julian Assange por obter e publicar materiais classificados.

A administração Obama-Biden, no cargo durante a publicação do WikiLeaks em 2010, absteve-se de indiciar Assange, explicando que teria de indiciar também jornalistas de grandes veículos de notícias. A posição deles valorizava a liberdade de imprensa, apesar de suas consequências desconfortáveis. Sob Donald Trump, no entanto, a posição mudou. O DoJ baseou-se em uma lei antiga, a Lei de Espionagem de 1917 (projetada para processar espiões em potencial durante a Primeira Guerra Mundial), que nunca foi usada para processar uma editora ou emissora.

Esta acusação estabelece um precedente perigoso e ameaça minar a primeira emenda dos Estados Unidos e a liberdade de imprensa.

Obter e divulgar informações sigilosas quando necessário para o interesse público é parte essencial do trabalho diário dos jornalistas. Se esse trabalho for criminalizado, nosso discurso público e nossas democracias ficarão significativamente mais fracos.

Doze anos após a publicação de “Cablegate”, é hora de o governo dos EUA encerrar o processo contra Julian Assange por publicar segredos.

Publicar não é crime”.

Comente

Comente

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.