Publicação viral nas redes sociais insinua que o Brasil sempre cooperou com o tráfico de nossas riquezas

23/08/2019 1 Por Redação Urbs Magna
Compartilhe

Com o título “Bolsonaro tá de olho”, uma mensagem veiculada nas redes sociais, especialmente no WhatsApp, insinua que nossas riquezas sempre foram contrabandeadas com o aval de nossos representantes políticos

De autor desconhecido, o texto exalta a diversidade mineral do subsolo brasileiro e tenta culpabilizar a esquerda pela atuação de agentes que sempre intermediaram o comércio internacional clandestino. Leia a seguir:

Você certamente sabe que a maior reserva de petróleo do mundo é da Venezuela, certo? Porém, você sabia que o maior poço de petróleo da Venezuela, o Santa Elena, fica na fronteira com o Brasil, no Estado de Roraima? Mas, provavelmente, você não sabia que a parte da Venezuela representa apenas 30% dessa bacia de petróleo e os outros 70% está onde? No Brasil! Entende agora o porquê de Bolsonaro dizer que Roraima deveria ser o estado mais rico do Brasil?

Outra curiosidade é que a maior bacia de gás do mundo está em Moçambique, com 80 TF, e a segunda maior do mundo está no Brasil, precisamente no estado do Paraná, fronteira com o Paraguai, com 70 TF. Essa bacia representa o fornecimento de gás para todos os países da Europa por 100 anos! Mas, estranhamente, em 2012, Dilma decretou área de proteção ambiental toda a área do Paraná. Caiu a ficha agora?

Entenda, também, o porquê do BNDES ter financiado a construção do Porto de Mariel em Cuba: o nióbio é transportado ilegalmente para a Venezuela, depois, via Cuba, chega à China e Rússia. Simples assim. Agora dá para compreender o porquê de o PT ter transformado o local em uma reserva indígena?

Complementando, vamos refletir: por que não há tantas ONGs estrangeiras no nordeste seco como a na Amazônia? Você consegue entender isso? Vítimas da seca!
Quantos? 10 milhões. Sujeitos à fome? Sim. Passam sede? Sim. Subnutrição? Sim.bONGs estrangeiras ajudando: NENHUMA. Índios da Amazônia. Quantos? 230 mil. Sujeitos à fome? Não. Passam sede? Não. Subnutrição? Não. ONGs estrangeiras ajudando: 350.

E a provável explicação é: a Amazônia tem ouro, nióbio, petróleo, as maiores jazidas de manganês e ferro do mundo, diamante, esmeraldas, rubis, cobre, zinco, prata, a maior biodiversidade do planeta (o que pode gerar grandes lucros aos laboratórios estrangeiros), madeira nobre e outras inúmeras riquezas que somam 14 trilhões de dólares. O nordeste não tem tanta riqueza mineral, por isso lá não há ONGs estrangeiras ajudando os necessitados e famintos.

Agora, vamos tentar entender: há mais ONGs estrangeiras, indigenistas e ambientalistas na Amazônia brasileira do que em todo o continente africano, que sofre com a fome, a sede, as guerras civis, as epidemias de Aids e Ebola, os massacres e as minas terrestres. Então fica a pergunta: você não acha isso, no mínimo, muito suspeito? É uma reflexão interessante ou não é?

postado nas redes sociais

Comente com o Face ou utilize a outra seção abaixo. Os comentários são de responsabilidade do autor e não têm vínculo com a publicação. Mantenha um bom nível de discussão, do contrário reservamo-nos o direito de banir seus perfis.
Compartilhe