PSL entra com mandado de segurança no STF para impedir CPI sobre fake news nas eleições

04/07/2019 5 Por Redação Urbs Magna

Filipe Barros, vice-líder do PSL, partido de Jair Bolsonaro, na Câmara, argumenta que a CPMI que visa investigar a disseminação de fake news durante a campanha eleitoral do ano passado, tem como real objetivo “calar o povo brasileiro”


Internautas têm interpretado anúncio do deputado Filipe Barros, vice-líder do PSL na Câmara, como uma “confissão de culpa”. O parlamentar informou que protocolou no Supremo Tribunal Federal (STF) um mandado de segurança pedindo que a Corte suspenda a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMF), autorizada nesta quarta-feira (3) pelo presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), que visa investigar a disseminação de fake news durante a campanha eleitoral do ano passado.


O pedido para a criação da CPMI foi feito pelo deputado Alexandre Leite (DEM-SP) e contou com o apoio de líderes na Câmara. Para o vice-líder bolsonarista, no entanto, a investigação sobre fake news nas eleições é uma estratégia da esquerda para prejudicar o governo de Jair Bolsonaro.

“CPMI das Fake News é um apelido bonitinho para disfarçar a verdadeira intenção: criar Fake News contra o governo, censurar a população que está se manifestando na internet e, no final, propor a ‘regulamentação’ da mídia (leia-se censura a liberdade de imprensa)”, escreveu Barros em seu Twitter.

Acabo de protocolar no STF Mandado de Segurança com pedido de liminar para barrar a criação da CPMI das “Fake News”.

— Filipe Barros (@filipebarrost) 3 de julho de 2019

A comissão será composta por 15 senadores e 15 deputados e os partidos ainda precisam indicar os nomes dos integrantes.

Fake news 

O PT, partido do segundo colocado na eleição presidencial de 2018, vem desde o pleito denunciando que a campanha que elegeu Jair Bolsonaro foi baseada na disseminação de fake news e uso de perfis falsos para espalhar calúnias na internet e em aplicativos de mensagens.

Reportagem recente da Folha de S. Paulo revela que durante a campanha eleitoral de 2018, empresas brasileiras contrataram uma agência de marketing na Espanha para fazer, pelo WhatsApp, disparos em massa de mensagens políticas a favor do então candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Em entrevista ao jornal, o dono da agência confirmou que recebeu dinheiro para o disparo de fake news, mas não sabia que seu software estava sendo usado para campanhas políticas no Brasil e só tomou conhecimento quando o WhatsApp cortou, sob a alegação de mau uso, as linhas telefônicas de sua empresa.

via revista Fórum

𝘊𝘰𝘮𝘦𝘯𝘵𝘦 𝘤𝘰𝘮 𝘴𝘦𝘶 𝘍𝘢𝘤𝘦𝘣𝘰𝘰𝘬 𝘰𝘶 𝘶𝘵𝘪𝘭𝘪𝘻𝘦 𝘢 𝘰𝘶𝘵𝘳𝘢 𝘴𝘦çã𝘰 𝘮𝘢𝘯𝘵𝘪𝘥𝘢 𝘢𝘣𝘢𝘪𝘹𝘰. 𝘖𝘴 𝘤𝘰𝘮𝘦𝘯𝘵á𝘳𝘪𝘰𝘴 𝘴ã𝘰 𝘥𝘦 𝘳𝘦𝘴𝘱𝘰𝘯𝘴𝘢𝘣𝘪𝘭𝘪𝘥𝘢𝘥𝘦 𝘥𝘦 𝘲𝘶𝘦𝘮 𝘰𝘴 𝘱𝘶𝘣𝘭𝘪𝘤𝘢 𝘦 𝘱𝘰𝘥𝘦𝘮 𝘯ã𝘰 𝘳𝘦𝘧𝘭𝘦𝘵𝘪𝘳 𝘢 𝘰𝘱𝘪𝘯𝘪ã𝘰 𝘥𝘰 𝘴𝘪𝘵𝘦. 𝘛𝘦𝘹𝘵𝘰𝘴 𝘷𝘶𝘭𝘨𝘢𝘳𝘦𝘴 𝘦 𝘥𝘪𝘴𝘤𝘶𝘳𝘴𝘰𝘴 𝘥𝘦 ó𝘥𝘪𝘰 𝘴ã𝘰 𝘥𝘦𝘴𝘯𝘦𝘤𝘦𝘴𝘴á𝘳𝘪𝘰𝘴 𝘱𝘢𝘳𝘢 𝘢 𝘤𝘰𝘯𝘴𝘵𝘳𝘶çã𝘰 𝘥𝘦 𝘶𝘮𝘢 𝘴𝘰𝘤𝘪𝘦𝘥𝘢𝘥𝘦 𝘤𝘪𝘷𝘪𝘭𝘪𝘻𝘢𝘥𝘢. 𝘕𝘦𝘴𝘵𝘦𝘴 𝘤𝘢𝘴𝘰𝘴, 𝘳𝘦𝘴𝘦𝘳𝘷𝘢𝘮𝘰-𝘯𝘰𝘴 𝘰 𝘥𝘪𝘳𝘦𝘪𝘵𝘰 𝘥𝘦 𝘣𝘢𝘯𝘪𝘳 𝘴𝘦𝘶𝘴 𝘱𝘦𝘳𝘧𝘪𝘴.
Anúncios