Professores eméritos da UFRJ repudiam cassação de homenagem a cientistas por Bolsonaro

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, durante participação no programa ‘Alerta Nacional’, comandado pelo apresentador Sikêra Jr, conversa com um homem fantasiado de burro. Ao fundo, uma placa na entrada da UFRJ (Universidade Federa do Rio de Janeiro) e, ao lado, o logo da instituição de ensino | Sobreposição de imagens


PROGRESSISTAS POR UM BRASIL SOBERANO

“Não se troca “honradez” por “honrarias”, afirmaram 38 ilustres educadores em carta aberta expressando repudio à perseguição política do presidente

Em Carta Aberta, ilustres profissionais de ensino reprovaram a “perseguição política” a dois professores que se manifestaram contra drogas do “tratamento precoce” e prestaram apoio a 21 cientistas que recusaram títulos de grão-Cruz ofertados pelo governo, afirmando que “não se troca “honradez” por “honrarias”“.

Ao todo, 38 professores eméritos da URFJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) repudiaram a exclusão de Adele Schwartz Benzaken e Marcus Vinicius Guimarães de Lacerda da lista de agraciados com a Ordem Nacional do Mérito Científico, informou o jornalista Ancelmo Gois, do Globo.

Os professores lembraram, no documento (vide abaixo) que os nomes foram indicados por uma comissão paritária de membros do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações, Academia Brasileira de Ciências e a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, “o que garante que sua escolha se dê em virtude de seu mérito científico, fora de toda e qualquer injunção política“.

Leia a íntegra:

Crédito da imagem: O Globo
Comente

Comente

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.