‘Patriota’ libertada diz que quebra-quebra criminoso foi “propósito de Deus” e pode voltar para a Colméia (vídeo)

Mulher foi denunciada para Alexandre de Moraes via Twitter por afirmar que “nós estamos na luta ainda. Não parou. A nossa bandeira continua levantada“. Ministro condicionou libertação dos terroristas sob a proibição do uso das redes sociais para estimular o golpismo

O perfil no Twitter, Pensando Alto, divulgou um vídeo em que uma mulher que participou dos atos de vandalismo praticados pelos manifestantes bolsonaristas golpistas terroristas, no quebra-quebra contra as sedes dos Três Poderes, no Distrito Federal, aparece nas imagens dando declarações sobre o período que passou no sistema prisional feminino, conhecido como Colméia, mas não demonstrou nenhum arrependimento.

Na gravação, a autodeclarada ‘patriota’ se mostra o tempo todo sorridente e diz, feliz, que foi bem tratada junto a outras 104 detentas de “todo o Brasil, da Suíça e de Portugal“, que permaneceram na prisão em uma cela exclusiva para as criminosas que atentaram contra os bens do Estado, em Brasília. Nas imagens, a criminosa estava tão feliz que só reclamou a alimentação, “que era horrível“, e classificou o assunto relacionado ao ‘8 de Janeiro‘ como “propósito de Deus“.

Em resposta ao vídeo compartilhado, um usuário da plataforma disse que “está na hora de chamá-la de volta”, pois “parece que as orientações da Justiça não estão sendo cumpridas”, no “pós prisão“. Ele se referiu ao condicionamento da libertação dos terroristas sob a proibição do uso das redes sociais como forma de neutralizar o estímulo ao golpismo.

O perfil Ailton marcou a conta do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Alexandre de Moraes, além do ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino.

Assista

Comente

1 comentário em “‘Patriota’ libertada diz que quebra-quebra criminoso foi “propósito de Deus” e pode voltar para a Colméia (vídeo)”

  1. A expressão, o olhar, o sorriso, o gestual (e até a coleção de tecido adiposo!), pelo menos para mim., deixam claro que o tratamento não condisse com a gravidade do ato. Ou, então, ela é uma completa estúpida!
    Há, sim, a possibilidade de as duas coisas!…

Comente

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.