O que a OMS decidiu sobre OMICRON – nova variante, após reunião de emergência a portas fechadas

27/11/2021 0 Por Redação Urbs Magna
O que a OMS decidiu sobre OMICRON – nova variante, após reunião de emergência a portas fechadas

O diretor-geral da OMS, Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus. O cientista diz, na página da Organização Mundial da Saúde: “Eu imagino um mundo no qual todos possam viver vidas saudáveis ​​e produtivas, independentemente de quem sejam ou de onde vivam. Acredito que o compromisso global com o desenvolvimento sustentável – consagrado nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável – oferece uma oportunidade única para abordar os determinantes sociais, econômicos e políticos da saúde e melhorar a saúde e o bem-estar das pessoas em todos os lugares. Alcançar essa visão exigirá uma OMS forte e eficaz, capaz de enfrentar os desafios emergentes e alcançar os objetivos de saúde dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Precisamos de uma OMS – adequada para o século 21 – que pertença a todos, igualmente. Precisamos de uma OMS gerida de forma eficiente, com recursos adequados e orientada para os resultados, com um forte enfoque na transparência, responsabilidade e valor para o dinheiro” | WHO – World Health Organization


PROGRESSISTAS POR UM BRASIL SOBERANO

São consideradas ‘variantes de preocupação‘ as que se associam ao aumento da transmissibilidade ou da virulência ou mudança na apresentação clínica da doença ou diminuição da eficácia das medidas sociais e de saúde pública ou diagnósticos, vacinas e terapias disponíveis

A OMS (Organização Mundial da Saúde) esteve reunida, nesta sexta-feira (26/11) em sua sede em Genebra, onde, à portas fechadas, seus principais membros entraram em discussão para tomar medidas e/ou decisões que pudessem esclarecer ao mundo o que é a nova variante africana B.1.1.529 e, a partir do encontro, passou a chamá-la de “Omicron” e a classificou como “de preocupação“.

A OMS classifica as variantes do novo coronavírus em 3 categorias: VOC (variante de preocupação), VOI (variante de interesse) e VUM (variante sob monitoramento). São elas:

  • VOC (variantes de preocupação): alfa (detectada pela primeira vez no Reino Unido), beta (detectada na África do Sul), gama (no Brasil, também conhecida como P.1), delta (na Índia) e ômicron (também detectada na África do Sul);

São consideradas VOC as que demonstram estar associadas a uma ou mais das seguintes alterações em um grau de significância para a saúde pública global:

  1. Aumento da transmissibilidade ou alteração prejudicial na epidemiologia da COVID-19; ou
  2. Aumento da virulência ou mudança na apresentação clínica da doença; ou
  3. Diminuição da eficácia das medidas sociais e de saúde pública ou diagnósticos, vacinas e terapias disponíveis.
  • VOI (variantes de interesse): lambda (detectada pela primeira vez no Peru) e mu (na Colômbia);

É considerada VOI aquela variante que foi identificada como causadora de transmissão comunitária, de múltiplos casos ou de clusters (agrupamentos de casos) de COVID-19 ou foi detectada em vários países.

  • VUM (variantes sob monitoramento): 7 cepas que não recebem nome de letras do alfabeto grego

Omicron é a 15ª letra do alfabeto grego, depois de Alfa, Beta, Gama, Delta, Epsilon, Zeta, Eta, Teta, Iota, Capa, Lambda, Mi, Ni e Csi.

Leia, a seguir, a tradução do manifesto da OMS sobre o assunto, após o encontro de emergência:

Classificação de Omicron (B.1.1.529): Variante de preocupação SARS-CoV-2

26 de novembro de 2021 | Demonstração | Tempo de leitura: 2 min | 616 palavras

O Grupo de Aconselhamento Técnico sobre a evolução do vírus SARS-CoV-2 (TAG-VE) é um grupo independente de especialistas que monitora e avalia periodicamente a evolução do SARS-CoV-2 e avalia se mutações específicas e combinações de mutações alteram o comportamento do vírus. O TAG-VE foi convocado em 26 de novembro de 2021 para avaliar a variante SARS-CoV-2: B.1.1.529.

A variante B.1.1.529 foi relatada pela primeira vez à OMS da África do Sul em 24 de novembro de 2021. A situação epidemiológica na África do Sul foi caracterizada por três picos distintos nos casos relatados, o último dos quais foi predominantemente a variante Delta. Nas últimas semanas, as infecções aumentaram abruptamente, coincidindo com a detecção da variante B.1.1.529. A primeira infecção B.1.1.529 confirmada conhecida foi de uma amostra coletada em 9 de novembro de 2021.

Esta variante apresenta um grande número de mutações, algumas das quais preocupantes. A evidência preliminar sugere um risco aumentado de reinfecção com esta variante, em comparação com outros VOCs. O número de casos desta variante parece estar aumentando em quase todas as províncias da África do Sul. 

Os diagnósticos de PCR atuais do SARS-CoV-2 continuam a detectar essa variante. Vários laboratórios indicaram que para um teste de PCR amplamente usado, um dos três genes-alvo não é detectado (chamado de perda do gene S ou falha do gene S) e este teste pode, portanto, ser usado como marcador para esta variante, enquanto a confirmação do sequenciamento é pendente. Usando essa abordagem, essa variante foi detectada em taxas mais rápidas do que surtos anteriores de infecção, sugerindo que essa variante pode ter uma vantagem de crescimento.

Há uma série de estudos em andamento e o TAG-VE continuará avaliando essa variante. A OMS comunicará as novas descobertas aos Estados Membros e ao público, conforme necessário.

Com base nas evidências apresentadas indicativas de uma alteração prejudicial na epidemiologia do COVID-19, o TAG-VE aconselhou a OMS que esta variante deveria ser designada como VOC, e a OMS designou B.1.1.529 como VOC, denominado Omicron.

Como tal, os países são solicitados a fazer o seguinte:

  1. melhorar a vigilância e os esforços de sequenciamento para compreender melhor as variantes circulantes do SARS-CoV-2.
  2. enviar sequências completas do genoma e metadados associados a um banco de dados disponível publicamente, como o GISAID.
  3. relatar casos / grupos iniciais associados à infecção por VOC à OMS por meio do mecanismo de RSI.
  4. onde houver capacidade e em coordenação com a comunidade internacional, realizar investigações de campo e avaliações laboratoriais para melhorar a compreensão dos impactos potenciais do COV na epidemiologia, gravidade, eficácia da saúde pública e medidas sociais, métodos de diagnóstico, respostas imunológicas, anticorpos neutralização ou outras características relevantes.

Os indivíduos são lembrados de tomar medidas para reduzir o risco de COVID-19, incluindo saúde pública comprovada e medidas sociais, como uso de máscaras bem ajustadas, higiene das mãos, distanciamento físico, melhoria da ventilação de espaços internos, evitando espaços lotados e sendo vacinados.

Para referência, a OMS tem definições de trabalho para SARS-CoV-2 Variante de Interesse (VOI) e Variante de Preocupação (VOC).

Um SARS-CoV-2 VOI é uma variante SARS-CoV-2:

  1. com alterações genéticas que são previstas ou conhecidas por afetar as características do vírus, como transmissibilidade, gravidade da doença, escape imunológico, escape diagnóstico ou terapêutico; E
  2. que foi identificada como causadora de transmissão significativa na comunidade ou múltiplos clusters COVID-19, em vários países com prevalência relativa crescente juntamente com o aumento do número de casos ao longo do tempo, ou outros impactos epidemiológicos aparentes para sugerir um risco emergente para a saúde pública global. 

Um SARS-CoV-2 VOC é uma variante SARS-CoV-2 que atende à definição de um VOI (ver acima) e, por meio de uma avaliação comparativa, demonstrou estar associado a uma ou mais das seguintes alterações em um determinado grau de importância para a saúde pública global:

  1. aumento da transmissibilidade ou alteração prejudicial na epidemiologia da COVID-19; OU
  2. aumento da virulência ou mudança na apresentação clínica da doença; OU
  3. diminuição da eficácia da saúde pública e medidas sociais ou diagnósticos, vacinas, terapêuticas disponíveis
Comente