“O Dr. é mestre na dissimulação”, diz jornalista sobre Moro ter marcado hora para revelar salário

Reinaldo Azevedo diz que “ainda que Moro se chamasse Raimundo, não haveria solução para o seu caso” em matéria que argumenta que o “medo do Coaf fez o ex-juiz ceder e pedir 2 dias para dizer quanto ganhou da Alvarez &Marsal

Para Reinaldo Azevedo, Sergio Moro “não se mostra especialmente culto, inteligente ou … bem-humorado. … é chato e sem imaginação. … Suas considerações sobre o direitoexpressam as ambições autoritárias de um tabaréu de província com vocação para o mando“, escreve o jornalista em sua coluna no UOL, onde o colunista intitulou matéria mostrando que o “medo do Coaf” fez o ex-juiz “ceder e pedir 2 dias para dizer quanto ganhou da Alvarez &Marsal“.

O colunista justifica mais uma publicação onde tem que “falar a respeito do cara, sim“, porque “com ele, vêm as circunstâncias: … vira ministro daquele cuja eleição viabilizou ao condenar, sem provas, seu adversário. Em seguida, essa figura salta do governo para o grupo empresarial que faz a recuperação judicial de empresas que ele próprio quebrou como juiz“.

Ainda que Moro se chamasse Raimundo, não haveria solução para o seu caso“, diz o jornalista prevendo que o ex-juiz declarado suspeito pelo STF irá se complicar com a história da Alvarez & Marsal.

A situação começou a ficar insustentável. O Ministério Público que atua junto ao TCU sugeriu que o tribunal apelasse ao Coaf e ao Banco Central para ter os dados que Moro e a A&M sonegavam. O candidato, então, preferiu falar…“, escreve Reinaldo. “… anunciou que conta tudo, mas só na sexta. E pede que procurem em suas redes o horário e tal.

Não me surpreende que, sem saída, veja-se obrigado a falar alguma coisa. Eu só não sabia que a verdade tem, vamos dizer, hora marcada. Pelo visto, sim! Longe de mim desconfiar de que precise de um tempo até encontrar uma versão conveniente“, sugere o jornalista.

O doutor é mestre na dissimulação“, conclui, “como já ficou evidente no caso da Vaza Jato“, lembra. “Ele não dizia que aqueles diálogos eram falsos. Apenas se negava a admitir que eram verdadeiros“, diz o jornalista explicando sua ‘tese’.

Reinaldo Azevedo avalia as atitudes do ex-juiz suspeito revelando que agora o acha ainda mais suspeito que antes: “Moro gravou um vídeo em que a anuncia a verdade com dia marcado. Defende-se de uma acusação que não foi feita“, diz antes de transcrever uma fala do ex-juiz, conforme a seguir: 

“Vou mostrar que não recebi nada de empresa investigada na Lava Jato; quem fala isso mente”. 

Sergio Moro

ACONTECE QUE NINGUÉM FALA ISSO!“, destaca o jornalista com indignação.

“Quem fez essa acusação?, questiona Reinaldo Azevedo tentando provar a manipulação da opinião por Moro.

O tal vídeo começa com uma fake news, que virou um instrumento para o pré-candidato atacar Lula, seu oponente“, acrescenta sobre trecho em que o ex-juiz afirma que “o PT e o Centrão queriam me investigar por uma CPI. Já desistiram porque sabem que não iam encontrar nada de errado e iam quebrar a cara”.

Veja abaixo e leia mais a seguir:

Essa primeira frase é de trincar as catedrais. Além de essencialmente mentirosa“, escreve Azevedo, mais uma vez transcrevendo o que Moro disse: “Queriam me investigar por uma CPI“.

Reinaldo Azevedo explica a astúcia do ex-juiz: “Que língua ele fala? Mas dá para entender o que quis dizer. Os “spin doctors” de Moro — gente especializada em torcer a verdade para tentar transformar em boa uma má notícia — conseguiram emplacar nas redes a mentira de que Lula ordenou que os petistas desistissem da CPI. E aí o ex-juiz escreveu que o petista “arregou”.

Isso é “papo furado” de Sergio Moro, diz Reinaldo explicando que “se PT e Centrão quisessem, haveria número para instalar não uma, mas duas CPIs“.

Leia mais no UOL.

Comente

Comente

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.