O Brasil de Lula, da inclusão social, foi sequestrado pelo Brasil de Bolsonaro, do autoritarismo

05/01/2019 0 Por Redação Urbs Magna

A nova identidade visual do governo federal, da qual faz parte uma ilustração estilizada da bandeira e a frase “Pátria Amada, Brasil”, que integra o último verso do hino nacional, divulgada esta semana por Jair Bolsonaro nas redes sociais, simboliza um retorno ao autoritarismo que caracterizou a ditadura militar no país. Na época, o governo militar fez uso do slogan “Brasil, ame-o ou deixe-o”. O retrocesso é ainda maior quando em comparação com as marcas dos governos dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, que valorizaram a inclusão social no lugar do ufanismo nacionalista que tem caracterizado o início da nova gestão. 

No período da gestão de Lula, o slogan “Brasil, um país de todos” simbolizava a diversidade e a inclusão da população sob um governo que realizava sua gestão sem distinções entre as diversas regiões e seus habitantes, sem levar em conta, ainda, o antagonismo político. No primeiro governo da presidente deposta Dilma Rousseff (2011-2014), a marca “País rico é país sem pobreza”, destacava o combate às desigualdades sociais e econômicas existentes no Brasil.

Após sua reeleição e até sua deposição pelo golpe parlamentar de 2016, o governo Dilma passou a utilizar o slogan “Pátria Educadora”, sinalizando que o uso dos recursos do pré-sal seria empregado para promover uma revolução no sistema educacional brasileiro. Empossado como presidente, Michel Temer optou como marca uma volta ao positivismo da bandeira nacional, ao utilizar a frase “Ordem e Progresso”. 

Agora, a marca do governo Bolsonaro tenta emplacar o discurso ufanista e nacionalista que caracterizou a campanha eleitoral, marcada por temas como uma suposta “ameaça vermelha” e pela necessidade de imposição do autoritarismo como forma de demonstrar autoridade. O retrocesso. No vídeo em que divulgou a marca de sua gestão, nesta sexta-feira (4), Bolsonaro ressaltou que foi eleito para “resgatar o Brasil”.

“Em 2018, não fomos às urnas apenas para escolher um novo presidente. Fomos às urnas para escolher um novo Brasil, sem corrupção, sem impunidade, sem doutrinação nas escolas e sem a erotização de nossas crianças. Fomos às urnas para resgatar o Brasil”, afirmou. O retrocesso das prioridades evidenciado pela marca, contudo, não deixa duvidas sobre as questões sociais serem deixadas de lado ao longo da gestão do ex-capitão do Exército.

Et Urbs Magna via Brasil 247

Receba nossas atualizações direto no seu WhatsApp – Salve nosso número em sua agenda e envie-nos uma mensagem – É GRÁTIS – ACESSE AQUI

Doe ao Et Urbs Magna

𝙲𝙾𝙽𝚃𝚁𝙸𝙱𝚄𝙰 𝚌𝚘𝚖 𝚘 𝚅𝙰𝙻𝙾𝚁 𝚀𝚄𝙴 𝙳𝙴𝚂𝙴𝙹𝙰𝚁 (O valor está expresso em Dólar americano) Para alterar o valor a contribuir, basta alterar o MULTIPLICADOR na caixa correspondente 𝐀 𝐩𝐚𝐫𝐭𝐢𝐫 𝐝𝐞 𝐔𝐒𝐃 $ 5 até o limite que desejar

$5.00

Comente com o Face ou utilize a outra seção abaixo. Os comentários são de responsabilidade do autor e não têm vínculo com a publicação. Mantenha um bom nível de discussão, do contrário reservamo-nos o direito de banir seus perfis.