No Chile, greve geral, protestos em massa e forte queda do peso – manifestantes voltam às ruas para cobrar o aprofundamento de reformas prometidas pelo presidente Piñera

13/11/2019 0 Por Redação Urbs Magna

Barricadas, manifestações gigantescas, incêndios, saques e violentos confrontos em Santiago e em várias cidades marcaram a greve geral realizada nesta terça-feira (12) no Chile, que contou com a participação de uma centena de organizações sociais para pressionar o governo de Sebastián Piñera a aprofundar as prometidas reformas sociais


No fim do dia, o peso despencou 3,1% e alcançou seu mínimo histórico, de 783,82 um dólar, enquanto a Bolsa de Santiago caiu 1,57% em meio a temores sobre os efeitos na economia da extensão da crise social.

Enquanto em vários pontos do Chile prosseguiam os protestos e os saques, Piñera anunciou no Palácio Presidencial que permitirá a reintegração de policiais na reserva, para apoiar as operações de manutenção da ordem pública.

Mas Piñera evitou reeditar o estado de emergência, para recolocar os militares nas ruas, e reafirmou sua proposta para uma nova Constituição, mas sem a convocação de uma Assembleia Constituinte, como exige a oposição e organizações sociais.

“A grave situação que vive nosso país há quatro semanas exige, e com urgência, se deixar de lado todas as pequenices, e agir com a grandeza e o patriotismo que as circunstâncias nos exigem”, declarou o presidente.

Na primeira hora, barricadas incendiárias impediam a passagem de veículos em alguns acessos a Santiago e uma grande marcha atraiu 80 mil pessoas – segundo cálculos oficiais – para a Avenida Alameda (centro).

Durante a tarde, novos confrontos começaram nos arredores da Praça Itália, epicentro dos protestos que mantêm o país em vigília há mais de três semanas, e no centro de Santiago.

Comente com o Face ou utilize a outra seção abaixo. Os comentários são de responsabilidade do autor e não têm vínculo com a publicação. Mantenha um bom nível de discussão, do contrário reservamo-nos o direito de banir seus perfis.