Mais encrenca de Flávio: Mãe e esposa de suspeito em assassinato de Marielle trabalhavam para o filho de Jair Bolsonaro

22/01/2019 2 Por Redação Urbs Magna

A mãe e a esposa do ex-capitão do Batalhão de Operações Especiais (Bope) Adriano Magalhães da Nóbrega, chefe da milícia de Rio das Pedras, trabalharam até novembro do ano passado no gabinete do então deputado estadual Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), revelou nesta terça-feira (22) o jornal O Globo. Adriano é um dos suspeitos de envolvimento no assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes.

Adriano seria integrante do “Escritório do Crime”, braço armado da milícia que atua com grilagem de terras em Rio das Pedras, especializado em assassinatos por encomenda. Ainda segundo O Globo, ele é acusado há mais de uma década por envolvimento em homicídios. Ele teve o mandato de prisão expedido, mas ainda não foi localizado.

Segundo a apuração do veículo, a mãe de Adriano, Raimunda Veras Magalhães, e a esposa, Danielle Mendonça da Costa da Nóbrega trabalharam para Flávio recebendo R$ 6.490,35 mensais. Segundo o Diário Oficial do Estado, ambas foram exoneradas a pedido no dia 13 de novembro de 2018.

O jornal apurou, ainda, que Adriano é amigo de Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio investigado pelo Ministério Público sob suspeita de recolher parte dos salários dos funcionários do senador eleito. Segundo revelou a coluna de Lauro Jardim nesta segunda-feira (21), Queiroz teria passado alguns dias escondido na comunidade de Rio das Pedras, onde atua o Escritório do Crime.

Querioz seria o responsável pela indicação das familiares de Adriano à família Bolsonaro. Ainda, O Globoaponta que Raimunda é uma das funcionárias que repassou dinheiro para a conta de Queiroz, no valor de R$ 4,6 mil. Relatório da Coaf – Conselho de Controle de Atividades Financeiras, entidade que primeiro revelou as transações suspeitas de Queiroz, menciona também que a mãe de Adriano é sócia de um restaurante localizado em frente à agência do Banco Itaú na qual foi feita a maioria dos depósitos em dinheiro vivo na conta de Queiroz.

Em 2003, Adriano foi homenageado na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) pelo gabinete de Flávio e, no ano seguinte, Ronald Paulo Alves Pereira, preso nesta terça-feira por envolvimento com o assassinato de Marielle e apontado como chefe da milícia Muzema, recebeu a mesma comenda.

Et Urbs Magna via O GLobo/Sul21

Receba nossas atualizações direto no seu WhatsApp – Salve nosso número em sua agenda e envie-nos uma mensagem – É GRÁTIS – ACESSE AQUI

Doe ao Et Urbs Magna

𝙲𝙾𝙽𝚃𝚁𝙸𝙱𝚄𝙰 𝚌𝚘𝚖 𝚘 𝚅𝙰𝙻𝙾𝚁 𝚀𝚄𝙴 𝙳𝙴𝚂𝙴𝙹𝙰𝚁 (O valor está expresso em Dólar americano) Para alterar o valor a contribuir, basta alterar o MULTIPLICADOR na caixa correspondente 𝐀 𝐩𝐚𝐫𝐭𝐢𝐫 𝐝𝐞 𝐔𝐒𝐃 $ 5 até o limite que desejar

$5.00

Comente com o Face ou utilize a outra seção abaixo. Os comentários são de responsabilidade do autor e não têm vínculo com a publicação. Mantenha um bom nível de discussão, do contrário reservamo-nos o direito de banir seus perfis.