Maia: “Quem vai querer investir num país desse?” – Institucionalidade do Brasil chega ao fundo do poço e faz presidente da Câmara pressionar: ‘Precisamos descobrir, de fato, quem financia o ódio às instituições’, diz sobre CPMI das fake news

29/09/2019 1 Por Redação Urbs Magna


A reação das redes às declarações do ex-procurador Rodrigo Janot, que confessou ter ido armado ao STF para matar o ministro Gilmar Mendes, fez o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), pregar um freio de arrumação na CPMI que investiga a disseminação de fake news.


da Folha de São Paulo


Rodrigo Maia disse: “Quero conversar com o Davi [Alcolumbre, presidente do Senado] para pedir que a CPMI seja organizada, para que a gente consiga obter, de fato, informações sobre esse mundo que viraliza o ódio às instituições.

Maia diz que é preciso deixar claro que a investigação parlamentar não é “um instrumento da esquerda, não é para pegar Jair Bolsonaro, mas para entender quem é que financia essa porcaria, quem usa as redes para alimentar a raiva com informações falsas, colocando as pessoas contra as instituições”.

O grave relato, feito pelo próprio Janot à Folha e a outros veículos, e a consequente reação do Supremo disseminaram no Congresso e na PGR o sentimento de que a institucionalidade no Brasil chegou “no fundo do poço”.

Na noite de sexta (27), após a busca e apreensão nos endereços de Janot, a subprocuradora Luiza Fricheinsen fez um apelo aos colegas em grupos do Ministério Público Federal. “Precisamos encontrar um caminho de racionalidade na defesa da nossa instituição, do Estado democrático e de que o STF atue nos limites da Constituição.

Temos que fazer com que hoje tenha sido o ponto máximo do descontrole. Temos que fazer um pacto pela racionalidade”, concluiu Luiza.

Ainda que ordenada no controverso inquérito que apura fake news e ameaças contra ministros do STF, a busca e apreensão autorizada pelo ministro Alexandre de Moraes não surpreendeu procuradores que atuaram na Lava Jato com Janot. Um deles afirmou que “já esperava” a reação, dada a proporção do escândalo.

A ressonância do caso Janot x Supremo fez com que o presidente da corte, Dias Toffoli, dissesse a interlocutores que não sabe se de fato vai levar ao plenário na quarta (2) a proposta de modulação da decisão que impôs forte revés à Lava Jato.

Ele disse a colegas que, neste momento, sua prioridade é formar “uma unidade para a defesa do STF”.

Leia mais aqui

Comente