Lulista, presidente eleito da Argentina aumenta salários e aposentadorias para retomar crescimento que o neoliberalismo roubou. Só a esquerda faz isso pelo povo

15/12/2019 0 Por Redação Urbs Magna

Enquanto isso, no Brasil, o presidente Jair Bolsonaro e Paulo Guedes seguem arrochando salários, aumentando o desemprego e privilegiando os subempregos, precarizando e uberizando a força de trabalho cujos efeitos nefastos já atingem metade da população economicamente ativa


O presidente da Argentina, Alberto Fernández, encaminhará esta semana para o Congresso Nacional projeto de lei da Solidariedade Social e da Reativação Produtiva.

Esta imagem possuí um atributo alt vazio; O nome do arquivo é ET-URBS-MAGNA-LARANJA-um2-1024x1024.png
TELEGRAM:
Acesse e siga NOSSO CANAL
Receba nossas Newslleters gratuitamente
Não tem o aplicativo? ACESSE AQUI e Saiba por que o TELEGRAM é 10 vezes melhor que o WHATSAPP

Do Blog do Esmael – Dentre as propostas do peronista estão o aumento no valor das aposentadorias, pensões e salários e programas sociais.

Segundo Fernández, no âmbito da Emergência Econômica (“Lei da Solidariedade”), o projeto visa privilegiar os que estão abaixo da linha de pobreza e promover uma contribuição solidária daqueles que têm mais recursos.




Em apertada síntese, os congressistas argentinos irão autorizar o governo de Alberto e Cristina Kirchner a colocar dinheiro equitativamente e privilegiar aqueles com menos renda.

Resultado de imagem para kirchner e alberto
Alberto Fernández e Cristina Kirchner, presidente e vice, respectivamente, da Argentina

A “magia” da Argentina para retomar o crescimento econômico e gerar mais empregos consistem em aumentar valores fixos para aposentadoria, Auxílio Universal à Criança, salários do funcionalismo público e dos setores privados.

𝘊𝘰𝘮𝘦𝘯𝘵𝘦 𝘤𝘰𝘮 𝘴𝘦𝘶 𝘍𝘢𝘤𝘦𝘣𝘰𝘰𝘬 𝘰𝘶 𝘶𝘵𝘪𝘭𝘪𝘻𝘦 𝘢 𝘰𝘶𝘵𝘳𝘢 𝘴𝘦çã𝘰 𝘮𝘢𝘯𝘵𝘪𝘥𝘢 𝘢𝘣𝘢𝘪𝘹𝘰. 𝘖𝘴 𝘤𝘰𝘮𝘦𝘯𝘵á𝘳𝘪𝘰𝘴 𝘴ã𝘰 𝘥𝘦 𝘳𝘦𝘴𝘱𝘰𝘯𝘴𝘢𝘣𝘪𝘭𝘪𝘥𝘢𝘥𝘦 𝘥𝘦 𝘲𝘶𝘦𝘮 𝘰𝘴 𝘱𝘶𝘣𝘭𝘪𝘤𝘢 𝘦 𝘱𝘰𝘥𝘦𝘮 𝘯ã𝘰 𝘳𝘦𝘧𝘭𝘦𝘵𝘪𝘳 𝘢 𝘰𝘱𝘪𝘯𝘪ã𝘰 𝘥𝘰 𝘴𝘪𝘵𝘦. 𝘛𝘦𝘹𝘵𝘰𝘴 𝘷𝘶𝘭𝘨𝘢𝘳𝘦𝘴 𝘦 𝘥𝘪𝘴𝘤𝘶𝘳𝘴𝘰𝘴 𝘥𝘦 ó𝘥𝘪𝘰 𝘴ã𝘰 𝘥𝘦𝘴𝘯𝘦𝘤𝘦𝘴𝘴á𝘳𝘪𝘰𝘴 𝘱𝘢𝘳𝘢 𝘢 𝘤𝘰𝘯𝘴𝘵𝘳𝘶çã𝘰 𝘥𝘦 𝘶𝘮𝘢 𝘴𝘰𝘤𝘪𝘦𝘥𝘢𝘥𝘦 𝘤𝘪𝘷𝘪𝘭𝘪𝘻𝘢𝘥𝘢. 𝘕𝘦𝘴𝘵𝘦𝘴 𝘤𝘢𝘴𝘰𝘴, 𝘳𝘦𝘴𝘦𝘳𝘷𝘢𝘮𝘰-𝘯𝘰𝘴 𝘰 𝘥𝘪𝘳𝘦𝘪𝘵𝘰 𝘥𝘦 𝘣𝘢𝘯𝘪𝘳 𝘴𝘦𝘶𝘴 𝘱𝘦𝘳𝘧𝘪𝘴.