Juán Guaidó é expulso de restaurante na Venezuela e tem camisa retalhada por populares (vídeo)

Em janeiro de 2019 ele se autoproclamou presidente e iniciou nova crise com interferência internacional no país liderado por Nicolás Maduro

O deputado venezuelano Juan Guaidó, que se autoproclamou presidente da Venezuela em 2019 e deu início a uma crise internacional com efeitos até os dias atuais, foi expulso de um restaurante na cidade de San Carlos, capital de Cojedes, sob insultos, empurrões e arremessos de várias cadeiras. Após sofrer com agressões físicas leves, ele teve a camisa retalhada por populares. 

Um vídeo que circula nas redes sociais mostra um grupo de militantes, defensores do presidente estabelecido pela lei da Venezuela, Nicolás Maduro, colocando o político para correr do estabelecimento, após ele ter comandado, neste sábado (11/6), uma grande mobilização da oposição na cidade, que fica a 260 quilômetros a sudoeste de Caracas, a capital do país.

Guaidó e partidários foram almoçar no restaurante Café Moringa, mas sofreu ataques que foram iniciados com insultos e culminou com sua retirada à força do interior da loja.

Nas imagens abaixo, é possível ver o político sendo empurrado para fora, aos gritos de populares, “saia, saia”, que também arremessavam objetos sobre ele. 

Veja abaixo e leia mais a seguir:

Juan Guaidó é deputado nacional pelo estado de Vargas e foi presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, enquanto o presidente do país, Nicolás Maduro, foi reeleito, em maio de 2018, para mais 6 anos de mandato, em um pleito que foi marcado por denúncias de fraude, tentativa de boicote da oposição, abstenção de 54% e falta de reconhecimento por grande parte da comunidade internacional.

Segundo o Conselho Nacional Eleitoral, Nicolás Maduro venceu com 67,7% dos votos válidos, aos 92,6% das urnas apuradas. O chavista obteve 5.823.728 votos. A presidente do Conselho Nacional Eleitoral, Tibisay Lucena, anunciou que a votação teve a participação de 46% do eleitorado e um total de 8,6 milhões de votos.

Assim, iniciou-se uma nova crise política no país, com repercussão e interferência internacional, especialmente após 23 de janeiro de 2019, quando Juán Guaidó se autoproclamou o novo presidente da Venezuela. No mesmo momento, ele foi reconhecido como “presidente interino” por países como os Estados Unidos, sob Donald Trump, e o Brasil de Bolsonaro, além de outros, do chamado “Grupo de Lima” e União Europeia.

Contudo, o Supremo Tribunal de Justiça da Venezuela havia invalidado a junta parlamentar da Assembleia Nacional, presidida por Guaidó, dois dias antes, quando considerou nulos todos os atos aprovados pela Casa desde 5 de janeiro.

Mesmo após a repercussão no mundo, o presidente Nicolás Maduro prosseguiu como o presidente, o que levou o país a romper definitivamente suas relações com os Estados Unidos.

Juan Guaidó se encontrou com Biden

Na última quarta-feira (8/6), o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, se reuniu com Juan Guaidó no encontro do âmbito da Cúpula das Américas, em Los Angeles.

O democrata americano conversou com o deputado por telefone, abordando questões como o restabelecimento da relação bilateral entre os países do evento, bem como sobre o futuro da Venezuela.

Durante a conversa, o presidente norte-americano reafirmou que reconhece Guaidó como presidente interino do país sul-americano.

Um comunicado da Casa Branca detalhou que “o presidente Biden expressou seu apoio às negociações lideradas pela Venezuela como o melhor caminho para a restauração pacífica das instituições democráticas, eleições livres e justas e respeito aos direitos humanos e liberdades fundamentais de todos os venezuelanos“.

Em interferência explícita do governo americano, a Assembleia Nacional da Venezuela, eleita em 2015 e presidida, na ocasião, por Juán Guaidó, permanece sendo reconhecida por Joe Biden.

Os EUA excluíram a Venezuela, Cuba e Nicarágua da Cúpula das Américas por serem países governados, conforme alegações do governo americano, por partidos de esquerda e, assim, não constituem “espaços democráticos”. Feito isso, o presidente reconhecido pelas leis venezuelanas, Nicolás Maduro, viajou para a Turquia.

Antes da viagem, Maduro propôs que o presidente da Argentina, Alberto Fernández, que também esteve em L.A., convocasse uma reunião entre os países pertencentes à CELAC (Comunidade de Estados Latino-americanos e Caribenhos), da qual o argentino é presidente, e convidasse Joe Biden para participar.

Será uma forma de iniciar um caminho novo. Um novo organismo onde participem todos os países de nossa América“, afirmou Maduro.

Siga Urbs Magna no Google Notícias
Comente

Comente

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.