Jornal da Itália chama Bolsonaro de ‘fascista’ ao anunciar sua ida a Roma para a cúpula do G20′

23/10/2021 0 Por Redação Urbs Magna
Jornal da Itália chama Bolsonaro de ‘fascista’ ao anunciar sua ida a Roma para a cúpula do G20′

Publicação da mídia italiana Globalist é um exemplo da forte rejeição europeia ao presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, que é chamado de ‘fascista’ em título cujo texto menciona os crimes imputados a ele no relatório final da CPI | Imagem reprodução


PROGRESSISTAS POR UM BRASIL SOBERANO

O texto mostra que, para a mídia, é difícil acreditar que “o presidente brasileiro, que não está vacinado contra a Covid e deve ser acusado de crimes contra a humanidade por ter lidado com a pandemia, vai defender a postura de seu governo durante a pandemia”

O jornal italiano Globalist anuncia a participação de “Bolsonaro, o fascista” na cúpula do G20, que será realizada em Roma nos dias 30 e 31 de outubro. A publicação diz que “a primeira viagem à Europa desde o início da pandemia do fascista Bolsonaro terá Roma como parada“. A mídia observa que ele o presidente “não está vacinado contra a Covid e deve ser acusado de crimes contra a humanidade por ter lidado com a pandemia” acrescentando que mesmo assim ele vai “defender a postura de seu governo na pandemia com o vírus no topo“.

O texto, que aponta a matéria de Jamil Chade, do UOL, como referência para a informação, também afirma que “no Brasil, são 605 mil mortes devido à Covid” e que “é preciso dizer também que eclodiu um surto de cobiça na equipe brasileira que foi aos Estados Unidos [na Assembleia Geral da ONU, em Nova Iorque] na esteira do Bolsonaro“.

Segundo Chade, os temas da cúpula do G20 são complicados para Bolsonaro. Um é a resposta à pandemia e o outro é a situação climática. O jornalista diz que o governo quer promover, por exemplo, o aumento de produção e transferência de tecnologia de vacinas, a reforma dos mercados agrícolas, a reforma da OMC (Organização Mundial do Comércio) e a promoção do biocombustível.

O governo, porém, vai dizer em Roma que o Brasil agiu de forma “decisiva” contra a pandemia, negando as conclusões da CPI da Covid que recomendou o indiciamento do presidente e de outras 70 pessoas e empresas“, escreve Chade no UOL. Para isso será apontado que “a taxa de vacinação é de mais de 60% da população“, o que já garantiria, segundo os governistas, “um sinal positivo para a recuperação da economia.

Bolsonaro terá que apresentar teste PCR para fazer parte da cúpula e, a exemplo da publicação do Globalist, que demonstra alto grau de rejeição ao chefe do Executivo brasileiro, sua participação no encontro não será facilitada. Isso porque, segundo Jamil Chade, a Itália adotou regras rígidas sobre a vacinação, incluindo a exigência do passaporte sanitário para entrar em restaurantes, bares e outros estabelecimentos.

Comente