Ilusões populares e a loucura das massas

28/06/2013 0 Por Redação Urbs Magna

Et Urbs MagnaIlusões Populares e a Loucura das Massas” é o título de um livro escrito pelo jornalista escocês Charles Mackay no ano de 1841 e é considerado um clássico do estudo psicológico dos mercados e do comportamento irracional das pessoas com o famoso comportamente de “manada”.

Publicado originalmente na Gazeta do Povo por José Pio Martins, economista e reitor da Universidade Positivo localizada em Curitiba, PR.

Já pensou na possibilidade de “eles” estarem decidindo sua vida de uma forma ou atitude que não é a sua e você apenas está seguindo essa opinião simplesmente pelo fato de ser a “tendência” atual ou a “última moda” no Brasil?

Obviamente estamos fartos de toda esta corrupção que parece envolver a todos os políticos da nação, lógico! Mas de que adiantará o impeachment de Dilma Rousseff? Já parou para pensar que isso pode ser a maior loucura que a política nacional poderá cometer?

Que tipo de soluções poderão trazer para nossa economia o vice Michel Temer e o presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha, ambos na condição de Presidente da República e seu Vice, uma vez que ambos são acusados de envolvimento em escândalos financeiros?

Assim, viver uma situação tão semelhante ao tema daquele livro escrito ainda no século XIX com menções subjetivamente pareadas às nossas dores políticas presentes,  nos faz retroceder no tempo. Aliás,  este retrocesso é um assunto polêmico pois há quem afirme que a democracia estará ameaçada por um golpe de estado sem precedentes e após o impeachment o cinismo imperará no Congresso Nacional por mais alguns anos.

Na época em que a obra foi publicada no ano de 1841 o mundo conheceu algumas loucuras coletivas no terreno das bolhas financeiras. Segundo o autor do livro, ao agir de forma totalmente irracional numa espécie de delírio econômico coletivo as multidões podem jogar os preços de determinados produtos nas alturas e cujo episódio final é uma queda profunda.

Nesse tipo de situação, os preços atingem um nível exagerado, muito acima dos custos de produção, invariavelmente resultante de especulação que faz a demanda subir demais, até que um dia, assim como uma bolha, tudo se esfarela e os preços despencam. Ato seguinte, a multidão vê seu dinheiro evaporar.

O primeiro exemplo notório de bolha, conforme conta o livro, foi a mania da tulipa holandesa, ocorrida em 1630. As tulipas de Constantinopla haviam ficado muito populares entre os ricos da Holanda e da Alemanha, e passaram a ser objeto de desejo em toda a Europa. Como até mesmo a classe média holandesa ficara obcecada pelas tulipas, estas passaram a ser negociadas na Bolsa de Amsterdã. A procura foi às alturas, os preços dispararam, uma legião de pessoas investiu em tulipas, até que a paixão passou, a bolha estourou e milhares de investidores perderam seu dinheiro.

O livro de Mackay relata algumas bolhas de sua época e se dedica a explicar o comportamento irracional das massas. Mas podemos trazer o exemplo para mais perto de nós. Em março de 2000, tivemos o estouro da bolha da internet. O mundo se encantara exageradamente com as empresas da internet, levando as multidões a comprar freneticamente suas ações. As cotações na bolsa dispararam e, quando estavam muito acima do valor das empresas, a bolha estourou, o valor das ações despencou e milhões perderam suas poupanças.

Muito se falou, pouco tempo atrás, que o Brasil poderia estar vivendo uma bolha imobiliária, a exemplo do que aconteceu nos Estados Unidos em 2007/2008. O mercado brasileiro teve alguns ingredientes de bolha: a demanda por imóveis subiu muito, os financiamentos ficaram fáceis, os preços cresceram bem mais que a inflação e muitos imóveis atingiram preços irreais. De repente, a demanda começou a cair, as vendas se retraíram; muitos acreditaram que uma bolha explodiria.

Mas apesar de o mercado brasileiro ter problemas, não é parecido com os Estados Unidos. O governo norte-americano incentivou os bancos a emprestar dinheiro para quem quisesse comprar imóveis – mesmo a pessoas desempregadas e sem renda – e os bancos só entraram na onda porque o governo oferecia aval por meio de duas agências estatais. A bolha foi inflada pelo governo dos EUA, com suas intervenções malfeitas.

De qualquer forma, quando a multidão começa a querer demais uma coisa e os preços sobem ano a ano acima da inflação, em geral a coisa não termina bem e muitos perdem dinheiro. Em Ilusões Populares e a Loucura das Massas, Charles Mackay alertava que o instinto de rebanho conduz milhões a tomar decisões sem reflexão, apenas copiando o que os outros estão fazendo.

Aí é onde o perigo começa, especialmente também quando a mídia apóia uma idéia plantada com o fim de colher frutos podres, como o que está ocorrendo com a política brasileira atualmente. 

ão em 15 de abril de 20

𝘊𝘰𝘮𝘦𝘯𝘵𝘦 𝘤𝘰𝘮 𝘴𝘦𝘶 𝘍𝘢𝘤𝘦𝘣𝘰𝘰𝘬 𝘰𝘶 𝘶𝘵𝘪𝘭𝘪𝘻𝘦 𝘢 𝘰𝘶𝘵𝘳𝘢 𝘴𝘦çã𝘰 𝘮𝘢𝘯𝘵𝘪𝘥𝘢 𝘢𝘣𝘢𝘪𝘹𝘰. 𝘖𝘴 𝘤𝘰𝘮𝘦𝘯𝘵á𝘳𝘪𝘰𝘴 𝘴ã𝘰 𝘥𝘦 𝘳𝘦𝘴𝘱𝘰𝘯𝘴𝘢𝘣𝘪𝘭𝘪𝘥𝘢𝘥𝘦 𝘥𝘦 𝘲𝘶𝘦𝘮 𝘰𝘴 𝘱𝘶𝘣𝘭𝘪𝘤𝘢 𝘦 𝘱𝘰𝘥𝘦𝘮 𝘯ã𝘰 𝘳𝘦𝘧𝘭𝘦𝘵𝘪𝘳 𝘢 𝘰𝘱𝘪𝘯𝘪ã𝘰 𝘥𝘰 𝘴𝘪𝘵𝘦. 𝘛𝘦𝘹𝘵𝘰𝘴 𝘷𝘶𝘭𝘨𝘢𝘳𝘦𝘴 𝘦 𝘥𝘪𝘴𝘤𝘶𝘳𝘴𝘰𝘴 𝘥𝘦 ó𝘥𝘪𝘰 𝘴ã𝘰 𝘥𝘦𝘴𝘯𝘦𝘤𝘦𝘴𝘴á𝘳𝘪𝘰𝘴 𝘱𝘢𝘳𝘢 𝘢 𝘤𝘰𝘯𝘴𝘵𝘳𝘶çã𝘰 𝘥𝘦 𝘶𝘮𝘢 𝘴𝘰𝘤𝘪𝘦𝘥𝘢𝘥𝘦 𝘤𝘪𝘷𝘪𝘭𝘪𝘻𝘢𝘥𝘢. 𝘕𝘦𝘴𝘵𝘦𝘴 𝘤𝘢𝘴𝘰𝘴, 𝘳𝘦𝘴𝘦𝘳𝘷𝘢𝘮𝘰-𝘯𝘰𝘴 𝘰 𝘥𝘪𝘳𝘦𝘪𝘵𝘰 𝘥𝘦 𝘣𝘢𝘯𝘪𝘳 𝘴𝘦𝘶𝘴 𝘱𝘦𝘳𝘧𝘪𝘴.
Anúncios