Heleno orientava ataques ao STF e Bolsonaro tinha influência direta, acusa a ‘arrependida’ Sara Winter

O general Augusto Heleno ao lado de Jair Bolsonaro, em foto de Sérgio Lima para o Poder360. Ao fundo, Sara Giromini – ex-ativista pró-Bolsonaro em atividade durante tentativa de invasão do Congresso Nacional junto com um grupo que liderou | Sobreposição de imagens


PROGRESSISTAS POR UM BRASIL SOBERANO

Sob o título “Um Arquivo Vivo”, entrevista de Sara Giromini à ISTOÉ revela sua relação com o governo Bolsonaro e detalhes das articulações do “Acampamento dos 300”, instalado em maio de 2020, em Brasília

O general Augusto Heleno, ministro-chefe do GSI (Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República), que assessora o Presidente da República, pessoal e militarmente, foi acusado pela ex-bolsonarista e ativista Sara Gimomini, que atuava com o codinome Winter, de ter orientado ataques ao STF (Supremo Tribunal Federal). Sob o título “Um Arquivo Vivo”, a revista ISTOÉ publicou uma entrevista da ‘arrependida’, que hoje teme por sua vida, revelando sua relação com o governo Bolsonaro e detalhes das articulações do “Acampamento dos 300”, instalado em maio de 2020, em Brasília.

Parlamentares, ministros e do presidente Bolsonaro orientaram ataques à imprensa e ao Supremo. Até mesmo o então presidente da Câmara Rodrigo Maia estava envolvido. Nomes de Daniel Silveira (PTB-RJ), Carla Zambelli (PSL-SP), Sargento Fahur (PSL-PR) e Bia Kicis (PSL-DF) foram muito presentes na organização, além do ministro-chefe do Gabinete de Segurança, general Augusto Heleno, disse Sara à mídia.

No ano passado, notícias sobre as movimentações da ex-ativista bombavam nas mídias, como a de que o Ministério Público pediu revista e apreensão de armas do grupo ‘Os 300 do Brasil’, liderado por Sara Winter e apoiado por Bia Kicis (PSL-DF) e Caroline de Toni (PSL-SC).

Zambelli participava com maior frequência e passava mais informações sobre a repercussão do acampamento. Bia Kicis tinha o papel de ajudar na organização. O Planalto intervinha. O ministro general Heleno chamou Sara até o Palácio para dar orientações:

Ele pediu para deixar de bater na imprensa e no Maia e redirecionar todos os esforços contra o STF”, disse Sara, acrescentando que o presidente Bolsonaro tinha influência direta sobre o “grupo dos 300”.

Bolsonaro dizia quem o blogueiro Oswaldo Eustáquio devia investigar e subir o tom, diz Sara à revista, mas preferindo não contar os alvos do capitão.

Sobre o possível envolvimento do presidente e seus filhos com milícias, Sara disse que, se há alguma coisa para ser descoberta, o fio da meada está na Assembleia do Rio de Janeiro.

Sobre como é dirigida a milícia digital, Sara conta que o boato mais comum é que deputados utilizam emendas em esquemas para criar perfis falsos, especialmente nesse momento. “Ainda tem gente ganhando muito dinheiro com isso”, admite.

“Tenho medo”

“Não tem mais como defender Bolsonaro. Mas se ele pedir para os bolsonaristas comerem merda, as pessoas vão comer”, diz Sara indignada com a censura dentro do bolsonarismo. “Rachadinhas e milícias são tipos de assuntos proibidos”. Carlos e Eduardo são acusados por Sara como os cães de guarda de Bolsonaro. “Quem tem destaque na direita, eles cooptam ou destroem”, diz.

“Tenho medo da esquerda, medo de um fanático e medo do governo. Em janeiro eu anunciei que eu ia contar tudo que eu sabia sobre o bolsonarismo. O Planalto surtou e fez uma reunião ministerial. A Damares foi chamada. Eu não sabia o que eles tinham tanto medo do que eu possa tornar público”, pontua na revista.

Comente

Comente

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.