Fachin exclui da fiscalização das eleições militar que espalhou fake news e Nogueira indicará outro

O ministro da Defesa recebeu ofício do TSE e disse a jornal que é “melhor não comentar” a decisão

Após o coronel Ricardo Sant’Anna ser excluído do grupo de militares que participa da fiscalização das eleições pelo presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Edson Fachin, o ministro da Defesa, general Paulo Sérgio Nogueira, afirmou à Folha de S. Paulo que indicará outro nome para substituí-lo.

Após declarar que selecionará alguém do Exército, Nogueira disse que é “melhor não comentar” a decisão de Fachin, que enviou, nesta segunda-feira (8/7) ao militar um ofício informando que Sant’Anna divulgou nas redes sociais “informações falsas a fim de desacreditar o sistema eleitoral brasileiro“.

Conforme apuração da imprensa, mensagens compartilhadas pelo coronel foram rotuladas como falsas e se prestaram a fazer militância contra as mesmas urnas eletrônicas que, na qualidade de técnico, este solicitou credenciamento junto ao TSE para fiscalizar“, escreveu o presidente do tribunal.

O ofício também é assinado pelo ministro Alexandre de Moraes, que assume o comando do TSE no próximo dia 16.

As mensagens de Sant’Anna contra as urnas foram divulgadas pelo portal Metrópoles. Segundo a publicação, um vídeo divulgado pelo militar comparava o voto à compra de bilhete de loteria.

No documento, Fachin comunicou o ministro da Defesa sobre o descredenciamento do militar da equipe de fiscalização das eleições das Forças Armadas.

O presidente do tribunal também afirmou que outro nome “habilitado para as funções” poderia ser indicado para integrar o grupo de fiscalização.

Siga Urbs Magna no Google Notícias
Siga Urbs Magna no Google Notícias
Comente

Comente

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.