Extrema-direita húngara compra clínicas de fertilização para combater queda da natalidade e diz “não a imigrantes”

12/02/2020 0 Por Redação Urbs Magna


Publicado por ET URBS MAGNA


Quem desembarca em Budapeste logo se depara no aeroporto com enormes cartazes em diversas línguas: “Hungria, amiga da família”. Neles, um pai, uma mãe e três crianças.


por Jamil Chade (UOL)


Mais que uma promoção de turismo ou um convite às férias com crianças, a publicidade é uma declaração política da extrema-direita que colocou, como objetivo, evitar a queda de natalidade do país.

O mantra é direto: a nação precisa de “procriação, não imigração”.

Para isso, o Estado húngaro pôs em andamento um plano: comprou as maiores clínicas de fertilização do país, e pretende assim facilitar o tratamento aos casais.

Na prática, é como uma estatização da fertilização in vitro.

Hoje, a taxa de natalidade é ainda de 1,48 criança por cada mulher húngara, metade do que era em 1950.

Sem mudança, a atual população de 9,8 milhões de pessoas cairá para 8,3 milhões em 2050.

Enfrentando essa perspectiva, o governo ultranacionalista europeu deixou claro que não aceitará que essa falta de mão de obra seja preenchida por imigrantes.

Enquanto erguia muros, atacava refugiados sírios e denunciava uma suposta operação do Islã para “invadir” a Europa, o governo de Viktor Orban decidiu proliferar medidas de incentivos para que as famílias húngaras tivessem pelo menos três filhos.

Subsídios foram criados, assim como redução de impostos para a compra de carros e de casa.

Programas especiais foram estabelecidos para famílias que optem por ter mais de três filhos, e a mulher com mais de quatro filhos está isenta de todos os impostos para o resto de sua vida.

A resposta de Budapeste para a questão demográfica ecoa uma das teorias da extrema-direita europeia.

Nela, o argumento é de que existe um risco real de que a população branca e cristã da Europa seja, nas próximas décadas, substituída por pessoas não-europeias, não-brancas e não-cristãs.

Telegram: Acesse e SIGA NOSSO CANAL

Comente com o Face ou utilize a outra seção abaixo. Os comentários são de responsabilidade do autor e não têm vínculo com a publicação. Mantenha um bom nível de discussão, do contrário reservamo-nos o direito de banir seus perfis.