EUA dá aval a artigo em que seu ex-cônsul no Rio pede que Biden convença Bolsonaro a aceitar derrota

Texto de Scott Hamilton apoiado pelo departamento de Estado defende sanções diplomáticas e comerciais contra o Brasil no caso de golpe

O departamento de Estado americano deu aval a um artigo em que o ex-Cônsul Geral dos Estados Unidos da América no Rio de Janeiro, Scott Hamilton, faz alerta de que o presidente Jair Bolsonaro (PL) pode tentar uma ruptura institucional caso perca as eleições em outubro.

No texto publicano no Globo, em 29/4, Hamilton pede que o presidente Joe Biden alerte Bolsonaro de que a não aceitação de uma eventual derrota teria sanções diplomáticas e comerciais, conforme divulgou a Veja, nesta segunda-feira (9/5).

Na quinta-feira (5/5), a Reuters divulgou que em 2021 o diretor da CIA, Willian Burns, ressaltou aos ministros generais Augusto Heleno e Luiz Ramos que presidente Bolsonaro deveria encerrar as críticas ao sistema eleitoral brasileiro, mas Bolsonaro ignorou o recado.

Agora, cópias do artigo do ex-diplomata estão sendo distribuídas a executivos de multinacionais com negócios no Brasil. Um deles disse ao colunista Thomas Traumann que compreendeu o gesto como um apoio implícito aos alertas e que uma contestação de Bolsonaro nos moldes do que Donald Trump tentou em 2020 poderia tornar o Brasil “numa nova Rússia, com os investidores fugindo às pressas para evitar sofrerem sanções”, se referindo às sanções impostas desde a invasão da Ucrânia.

Em entrevista à National Public Radio, Scott Hamilton disse que por duas vezes alertou o então embaixador americano em Brasília, Todd Chapman, sobre a necessidade de uma atitude americana sobre Bolsonaro e foi ignorado.

Em julho do ano passado, quando deixou o posto, Hamilton distribuiu um documento para várias autoridades. Como Chapman já não era mais embaixador, a resposta foi mais atenta.

Comente

Comente

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.