Educado, Zanin não mandou Moro calar a boca, mas disse: “Juiz parcial não tem lugar de fala”

O advogado de defesa do ex-presidente Luiz Inácio LULA da Silva, Cristiano Zanin Martins, e Sergio Moro, ex-juiz federal que admitiu em entrevista, apesar de ter voltado atrás em seguida, que perseguiu o Partido dos Trabalhadores. O pré-candidato à Presidência pelo Podemos tem sido aconselhado a desistir da disputa e a concorrer a um cargo mais fácil | Sobreposição de imagens


PROGRESSISTAS POR UM BRASIL SOBERANO

O STF já encerrou esse debate“, afirmou sobre o ex-juiz declarado “suspeito“, que acredita “até hoje que travou um embate com a defesa” de LULA, disse o advogado em rede social

Nesta sexta-feira (14/1), Cristiano Zanin Martins “enquadrou“, conforme expressou o portal progressista de notícias Brasil 247, “o ex-juiz parcial Sérgio Moro, que patina nas pesquisas em sua campanha a presidente e tenta polarizar” com o cliente do advogado, LULA, detentor de até 48% das intenções de voto.

Para Zanin, a ilegalidade da atuação de Moro nos processos contra Lula já está pacificada pela mais alta corte de Justiça do País, o Supremo Tribunal Federal“.

O fato de Sérgio Moro acreditar, até hoje, que travou um embate com a defesa do Presidente LULA já denota que ele estava errado o tempo todo: em postura, em alçada e em noção de Direito. O STF já encerrou esse debate: juiz parcial não tem lugar de fala“, tuitou o incansável advogado do ex-presidente Luiz Inácio LULA da Silva.

Veja abaixo:

Sergio Moro fugiu de mais um debate. Desafiado pelo Grupo Prerrogativas, que reúne juristas de diversas áreas do campo do Direito, para um debate público, o suspeito disse que “não quer participar” do “clube”. No Twitter, o ex-juiz afirmou que está com covid e que teria que cancelar compromissos, o que mais uma vez foi motivo para que ele fosse escrachado por usuários da plataforma onde aproximadamente 80% das respostas ao desqualificado pré-candidato são contra ele.

O Prerrgativas questionou veementemente a atuação do ex-juiz à frente da Lava Jato, pela qual ele foi declarado parcial e suspeito nos processos contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), e se posiciona de forma contrária à sua candidatura presidencial.

O ex-juiz suspeito tentou ainda polarizar com Lula, líder isolado nas pesquisas de opinião. Moro não mobiliza sequer dois dígitos. “Vejo que o clube dos advogados pela impunidade quer debater. Desculpem, mas este é um clube do qual não quero participar. Mas debato com o chefe de vocês, o Lula, a qualquer hora, sobre o mensalão e o petrolão“, escreveu no Twitter.

Moro também fugiu de debates com o presidenciável do PDT, Ciro Gomes. À época, internautas o chamaram de “patético” e “arregão“.

Comente

Comente

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.