“É um escândalo” frase de Bolsonaro sobre prova do Enem estar ficando com “a cara do governo”

O presidente Jair Bolsonaro e o colunista Leonardo Sakamoto durante entrevista ao Jornal da Cultura: “Quando a cúpula do poder dá o mau exemplo, o resto do governo fica contaminado“, afirmou | Sobreposição de imagens


PROGRESSISTAS POR UM BRASIL SOBERANO

“É a cara do absurdo, é a cara da pouca vergonha“, disse Leonardo Sakamoto sobre a “cara do governo”. Ao mudar o tema ‘golpe de 64’ para ‘revolução’, “daqui a pouco o presidente também vai trocar ‘pandemia’ ‘por gripezinha’, ‘fome por dieta’, ‘inflação alta para ‘aumentinho’ de preços’

O colunista do UOL, Leonardo Sakamoto, disse, nesta sexta-feira (19/11), que a frase de Bolsonaro sobre prova do Enem estar ficando com “a cara do governo” é “um escândalo” e acrescentou que ao mudar um dos temas da prova de ‘golpe de 64‘ para ‘revolução‘, é possível que “daqui a pouco o presidente também queira trocar ‘pandemia‘ ‘por ‘gripezinha‘, ‘fome‘ por ‘dieta‘, ‘inflação alta’ por ‘aumentinho de preços‘, e daí por diante.

A argumentação de Sakamoto se deu ao citar a investigação do TCU (Tribunal de Contas da União) para apurar denúncias de servidores do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) sobre interferências na elaboração da prova.

Temos hoje milhões de pessoas que estão indo fazer um exame com a percepção de que o governo do país está mexendo na prova para deixá-la mais de acordo com o que eles acreditam“, disse Sakamoto.

Isso tem que ser investigado, não apenas pelo TCU, como também pela Justiça“, disse.

Em qualquer outro país do mundo, isso seria um escândalo sem precedentes, porque uma prova como essa é utilizada para a seleção desses estudantes pro ensino superior. Isso é sério“, completou.

É um escândalo essa frase. É ele reconhecendo publicamente que está ‘ficando com a cara porque está botando a mão dele no meio“, destacou.

Instrumento ideológico

Na segunda-feira (15), sobre o tema da polêmica do Inep em que Bolsonaro teria afirmado que o Enem está ficando com a nossa cara, a apresentadora do Jornal da Cultura perguntou a Sakamoto: “Que cara é essa?”

Sakamoto respondeu que “é a cara do absurdo, é a cara da pouca vergonha“.

Porque uma prova do Enem não pode ter a cara do governo. Ele tem que ter a cara do Estado. O Enem é uma política de Estado“, afirmou.

O colunista disse ainda que o Enem “é uma política pra avaliar o ensino médio e pra instrumentalizar a entrada dos jovens estudantes ao ensino superior”.

Não é pra que ele possa usar como instrumento ideológico“, avaliou.

Assista a seguir:

Comente

Comente

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.