Davos Comédia: Moro, ex-herói do povo, estará ao lado do ex-preso da Lava-Jato, o banqueiro André Esteves

17/01/2019 1 Por Redação Urbs Magna

Fundador e maior sócio individual do banco de investimento, André Esteves foi afastado do bloco de controle e da presidência da instituição no fim de 2015, após ser preso sob suspeita de tentar comprar o silêncio do ex-diretor da Petrobrás, Nestor Cerveró. O Ministério Público Federal, no entanto, entendeu que não há provas para incriminá-lo e ele foi solto. Agora, o mesmo viajará para Davos (Suíça) ao lato do Sr. Moral, Sergio Moro.

A comitiva cômica

Além de Bolsonaro, a comitiva vai contar com os ministro Paulo Guedes, Sergio Moro e o chanceler Ernesto Araujo. O filho do presidente, Eduardo Bolsonaro, também estará presente. A lista ainda inclui o governador de São Paulo, João Doria, e Luciano Huck, apresentador de TV. O setor privado estará representado pela Apex-Brasil e executivos do Bradesco, do Banco BTG Pactual – que terá a presença do banqueiro André Esteves -, Eletrobras, Embraer, Itaú Unibanco, Petrobras e Vale. Abertura do mercado brasileiro e combate à corrupção são temas aguardados pelos organizadores do evento que acontece a partir do dia 22 na Suíça.

O presidente Jair Bolsonaro fará sua estreia internacional no Fórum Econômico de Davos, que começará na semana que vem, e deverá assumir o protagonismo do evento, que não contará com as participações dos presidentes dos Estados Unidos, Donald Trump, e da França, Emmanuel Mácron. As promessas de abertura do mercado brasileiro, o combate à corrupção e o discurso liberal da equipe econômica atraem as atenções de empresários e do governo da Suíça. O presidente brasileiro deverá se posicionar sobre temas importantes, como a floresta, imigrantes, igualdade de gênero e direitos humanos. O evento acontece entre os dias 22 e 24 de janeiro.

Autoridades europeias acreditam que está na hora de “fazer negócios” com o Brasil. O presidente da Suíça, Ueli Maurer, e também membro da direita conservadora, tenta um encontro com o presidente Jair Bolsonaro. Na pauta está a aceleração do processo para tentar fechar um acordo entre o Mercosul e o bloco composto pela Suíça e Noruega.

Nem todos na Suíça, porém, aceitam um diálogo apenas sobre economia com Bolsonaro. Para a imprensa suíça, o deputado Carlo Sommaruga chamou o presidente brasileiro de “figura terrível” e exigiu que o governo, ao negociar com o Brasil um acordo de livre comércio, fale em assuntos como democracia, direitos humanos e minorias. Elisabeth Schneider-Schneiter, outra deputada suíça, também quer que seu governo insista em tratar com Bolsonaro sobre “os valores suíços da democracia, dos direitos humanos e do Estado de direito”.


Et Urbs Magna via Veja/A Postagem

Receba nossas atualizações direto no seu WhatsApp – Salve nosso número em sua agenda e envie-nos uma mensagem – É GRÁTIS – ACESSE AQUI

Doe ao Et Urbs Magna

𝙲𝙾𝙽𝚃𝚁𝙸𝙱𝚄𝙰 𝚌𝚘𝚖 𝚘 𝚅𝙰𝙻𝙾𝚁 𝚀𝚄𝙴 𝙳𝙴𝚂𝙴𝙹𝙰𝚁 (O valor está expresso em Dólar americano) Para alterar o valor a contribuir, basta alterar o MULTIPLICADOR na caixa correspondente 𝐀 𝐩𝐚𝐫𝐭𝐢𝐫 𝐝𝐞 𝐔𝐒𝐃 $ 5 até o limite que desejar

$5.00

Comente com o Face ou utilize a outra seção abaixo. Os comentários são de responsabilidade do autor e não têm vínculo com a publicação. Mantenha um bom nível de discussão, do contrário reservamo-nos o direito de banir seus perfis.