Colunista do Estadão prevê volta do Impeachment de Bolsonaro à pauta em 2020

01/01/2020 2 Por Redação Urbs Magna
Colunista do Estadão prevê volta do Impeachment de Bolsonaro à pauta em 2020

Segundo J.R.Guzzo, em sua coluna, após todas as crises de 2019 que se desgastaram porque não deram em nada, como por exemplo, a quase certa queda de Moro por conta da Vaza Jato, dentre tantas outras, o fim do Governo Bolsonaro virá com força total como opção de tema que as próprias mídias alavancarão


O colunista J.R.Guzo, do Estadão, diz que “em 2018 houve mais ou menos umas 25 crises diferentes, todas “importantes”, e no fim das contas tudo acabou em três vezes zero.”

Esta imagem possuí um atributo alt vazio; O nome do arquivo é ET-URBS-MAGNA-LARANJA-um2-1024x1024.png
Telegram
Receba nossas Newslleters
gratuitamente. Acesse e siga
NOSSO CANAL
Não tem o aplicativo? ACESSE AQUI e
Saiba por que o TELEGRAM é 10 vezes
melhor que o WHATSAPP
Acompanhe as publicações do
ET URBS MAGNA no FACEBOOK
(CURTA AQUI)
Utilize o espaço abaixo que reservamos
para você fazer comentários. Role a página
e comente sobre este assunto.
Os comentários não representam a opinião
do ET URBS MAGNA. A responsabilidade
é do autor da mensagem.




Guzo diz que “tivemos a fatal demissão do ministro Zé, ou do ministro Mané”, bem como “os acessos de nervos do presidente da Câmara e a intervenção internacional na Amazônia “em chamas”. Houve o STF. Houve os Filhos do Presidente. Houve as gravações que iriam exterminar o ministro Moro. No fim, continua todo mundo vivo“.

A democracia no Brasil, aparentemente, tem essa particularidade: todo mundo se diz disposto a dar a própria vida pelas eleições diretas, mas assim que sai o resultado das urnas a turma que perdeu começa a procurar um jeito de derrubar o candidato que ganhou – e como não é mais possível fazer isso com golpe militar, a grande solução é o impeachment. Está na Constituição. Faz parte das “instituições”. Virou vício.”, disse Guzzo 

No caso de Bolsonaro, já estava se falando em impeachment logo que ele começou a governar – mas houve tanta crise nesse seu primeiro ano de governo, como dito acima, que parece não ter sobrado tempo para depor o homem.”

Anúncios