Caixa amplia ações para mulheres após Datafolha lacrar Bolsonaro como candidato que mais as ataca

Às vésperas das eleições, Instituição Financeira foca coincidentemente na parcela feminina do eleitorado que resiste em votar no presidente

A Caixa Econômica Federal anunciou nesta segunda-feira (12/9) a ampliação de medidas destinadas para mulheres. As ações incluem taxas de crédito mais baixas, pausa nos pagamentos de prestações em caso de maternidade ou adoção e isenção de parte das tarifas de produtos do banco público. A população feminina representa uma parcela do eleitorado na qual o presidente Jair Bolsonaro (PL) encontra resistência às vésperas das eleições de outubro, conforme publicado na Folha de S. Paulo.

Em desvantagem nas pesquisas, o presidente é visto como o candidato que mais ataca as mulheres e a democracia e o que mais mente na campanha, segundo o Datafolha. O instituto ouviu no levantamento 2.676 eleitores na quinta (8/9) e na sexta-feira (9/9). Quando os eleitores foram questionados sobre quem mais mente na eleição, 40% disseram Bolsonaro, ante ante 31% que responderam Lula. Citaram “todos” os candidatos 14%. A margem de erro máxima é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

Os últimos ataques de Bolsonaro a mulheres datam de menos de 30 dias e são três: contra Gabriela Prioli, Simone Tebet e Vera Magalhães. No início do mês, o presidente compartilhou imagem com um print da revista ‘Veja’, em que Prioli diz o motivo pelo qual não o quer em seu programa, e escreveu: “Tabajara Futebol Clube diz por que não quer Neymar em seu time“.

Antes, no primeiro debate presidencial na Band TV, Bolsonaro atacou a jornalista e a candidata do MDB. “Acho que você dorme pensando em mim”, disse à Magalhães. “Não pude esperar outra coisa de você. Você tem alguma paixão em mim. Não pode tomar partido num debate como esse. Fazer acusações mentirosas a meu respeito. Você é uma vergonha para o jornalismo brasileiro”, declarou, e não respondeu à uma pergunta da jornalista.

Feito o ataque, Simone Tebet saiu em defesa da jornalista e acusou o presidente de atacar mulheres. Bolsonaro, então, passou a mirar Tebet: “A senhora é uma vergonha para o Senado, não vem com essa historinha de que eu ataco mulheres, de se vitimizar“.

Em 2019, a Justiça determiniu que Bolsonaro publicasse um pedido desculpas para a deputada Maria do Rosário (PT-RS) por tê-la chamado de “vagabunda”, quando ele ainda era deputado. O então parlamentar acrescentou que ela nem merecia ser estuprada porque era “muito feia e não fazia “seu tipo. Bolsonaro, já presidente, foi obrigado a cumprir retratação pública e indenizar Rosário por danos morais.

As ações da Caixa

Um evento marcou o aniversário de um mês do programa Caixa Pra Elas, lançado em agosto com a promessa de ações de acolhimento, orientação financeira e atendimento exclusivo para o público feminino em agências e outros canais do banco. A instituição indicou que, na modalidade pessoa física, as clientes que contratarem o CDC (Crédito Direto Caixa) terão 5% de desconto na taxa de juros. No consórcio para veículos leves, o desconto é de 10% sobre a taxa de administração.

O banco ainda anunciou medidas como a isenção de três meses na cesta de serviços da conta corrente, LCI (Letra de Crédito Imobiliário) com rentabilidade de até 1 ponto percentual a mais do que o CDI (Certificado de Depósito Interbancário) e Seguro Vida Mulher com isenção de pagamento em caso de câncer e indenização em caso de câncer de mama, ovário e útero. O plano é torná-las permanentes, embora o banco tenha sinalizado que as ações serão reavaliadas de forma constante.

A Caixa diz que, até o final de setembro, o público feminino também contará com a possibilidade de pausa no pagamento por quatro meses na linha CDC, nos contratos de renegociação e no Crédito Pessoal Energia Renovável. A condição será válida, segundo a instituição, em casos de maternidade ou adoção. Em contratos de financiamento imobiliário, será disponibilizado o pagamento parcial da prestação durante a licença maternidade (75% da parcela por seis meses), com incorporação do saldo devedor, se o contrato estiver inadimplente. Essa ação também deve ser implementada até o final de setembro. A instituição afirma que gestantes poderão ser beneficiadas com carência de até seis meses para o início do pagamento das prestações na concessão de crédito habitacional SBPE (Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo).

Siga Urbs Magna no Google Notícias
Comente

Comente

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.