Bolsonaro “vai ficar inelegível [em 2026]”. Mas se “ficar só inelegível, ele terá de levantar as mãos para o céu”

Por baixo, cortes nos recursos do INSS e bolsas da CAPES podem resultar na rejeição das contas do atual governo federal pelo TCU e causar a inelegibilidade

Os dois comentários do título foram feitos em rede social nesta quarta-feira (7/12) e referem-se aos cortes do governo Bolsonaro nos recursos destinados ao INSS (Instituto Nacional do Seguro Nacional) e a bolsas da CAPES, o que, por baixo, pode causar a inelegibilidade do candidato derrotado para Lula na eleição presidencial, o ainda ocupante do Palácio do Planalto, presidente Jair Bolsonaro (PL).

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) afirmou ontem que “Jair vai ficar inelegível” e o cientista político e historiador Christian Lynch disse que “se Bolsonaro ficar só inelegível, ele terá de levantar as mãos para o céu“. O congressista argumenta que os bloqueios representam “crime” e que o futuro ex-presidente “deve ser responsabilizado“. Lynch demonstra acreditar que a situação vai além a inelegibilidade.

O pedido da rejeição das contas de Bolsonaro pelo bloqueio dos recursos foi protocolado no Tribunal pelo senador, para quem o retirante agiu para abrir espaço ao orçamento secreto.

Os bloqueios podem levar a suspensão de mais de 200 mil bolsas de mestrado e doutorado e comprometer o pagamento de auxílios previdenciários.

É imperativo que haja uma atuação institucional desse nobre Tribunal, na boa tutela de todos os direitos difusos e coletivos da nossa sociedade à moralidade pública e à tutela do patrimônio e do orçamento público”, destaca a ação.

Para Randolfe, “foi um calote estratégico para favorecer os cúmplices. O governo sabia que não havia espaço para o orçamento secreto, mas incluiu mesmo consciente de que isso afetaria o pagamento de despesas obrigatórias essenciais”, frisou.

A equipe de Transição Lula está incluindo despesas como recomposição para as universidades, merenda escolar, assistência estudantil, bolsas e residência no âmbito da PEC de Transição.

Comente

Comente

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.