Bolsonaro quer vetar fundo eleitoral a partidos rivais, como o PT e o PSL, em manobra para beneficiar o ‘Aliança Pelo Brasil’

18/12/2019 0 Por Redação Urbs Magna
Bolsonaro quer vetar fundo eleitoral a partidos rivais, como o PT e o PSL, em manobra para beneficiar o ‘Aliança Pelo Brasil’

“O PT vai ganhar R$ 200 milhões para fazer campanha no ano que vem. Aquele pessoal do PSL lá, que mudou de lado, também vai pegar R$ 200 milhões. Se quer fazer material de campanha caro, não vou ajudar esse cara, pronto”, disse o presidente Jair Bolsonaro


O veto intencionado pode ser uma manobra para prejudicar outros partidos, especialmente aqueles considerados rivais, como o PT e o PSL, e dar ao Aliança pelo Brasil, legenda a ser lançada em breve, condições de igualdade.

Esta imagem possuí um atributo alt vazio; O nome do arquivo é ET-URBS-MAGNA-LARANJA-um2-1024x1024.png
Telegram
Receba nossas Newslleters
gratuitamente. Acesse e siga
NOSSO CANAL
Não tem o aplicativo? ACESSE AQUI e
Saiba por que o TELEGRAM é 10 vezes
melhor que o WHATSAPP
Acompanhe as publicações do
ET URBS MAGNA no FACEBOOK
(CURTA AQUI)
Utilize o espaço abaixo que reservamos
para você fazer comentários. Role a página
e comente sobre este assunto.
Os comentários não representam a opinião
do ET URBS MAGNA. A responsabilidade
é do autor da mensagem.




O PT e o PSL são considerados legendas adversárias porque têm as maiores bancadas via eleições de 2018 e, portanto, têm direito a mais recursos do fundo partidário, cuja distribuição é baseada nos votos recebidos. 




Bolsonaro precisa conseguir brechas no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) para que sua futura sigla possa disputar as municipais de 2020, bem como as eleições de 2022, garantindo recursos dos fundos partidário e eleitoral para que possa ter direito a tempo de propaganda eleitoral gratuita no rádio e na TV. 

Et Urbs Magna com informações de agências de notícias

Anúncios