‘Biólogo’ Glenn descobre cooperação entre tucanos e marrecos – a simbiose com ‘paulus pretae’

21/06/2019 2 Por Redação Urbs Magna

O humor de Renato Terra na Folha: “Em São Paulo, tucanos costumavam se reproduzir em rodoaneis e nas obras do metrô. Agiam em simbiose não obrigatória com paulus pretae, larva criada em paraísos fiscais que se adaptou ao clima paulistano“. Leia

Em artigo publicado na revista “Nature”, o biólogo Glenn Greenpeace descreveu interações até então insuspeitas entre tucanos e marrecos. “Os comportamentos cooperativos são amplamente difundidos na literatura científica. O caranguejo bernardo-eremita, por exemplo, transporta anêmonas em sua carcaça. A anêmona, que elimina substâncias urticantes em seus tentáculos, blinda o caranguejo contra os predadores”, explicou Greenpeace. “Descobri que tucanos e marrecos voam juntos, se blindam e se retroalimentam mutuamente. São BFFs”, concluiu o americano.

Arte desenvolvida para a publicação na Folha de São Paulo

Estudos preliminares mostram que a blindagem dos tucanos é a mais sofisticada do reino animal. Biólogos acreditam que a extinção da espécie já poderia ter ocorrido, não fosse a habilidade dessas aves em estabelecer alianças para a preservação da espécie.

Minas Gerais foi palco de um caso que até hoje vem intrigando a ciência. Graças à discrição de arapongas, um aeroporto para tucanos permaneceu escondido das outras aves. Por fechar o bico, as arapongas contaram com a blindagem tucana para depositar seus ovos no BNDES. Em paralelo, um helicóptero com meia tonelada de pasta de alpiste foi interceptado — até hoje, porém, nenhuma espécie foi incriminada.

Resultado de imagem para paulo preto
PAULO PRETO

Em São Paulo, tucanos costumavam se reproduzir em rodoaneis e nas obras do metrô. Agiam em simbiose não obrigatória com paulus pretae, larva criada em paraísos fiscais que se adaptou ao clima paulistano. Além disso, tucanos ainda desenvolveram um sistema de rodízio com robalos para drenar as águas da Cantareira.

A novidade revelada pelo biólogo Glenn Greenpeace mostra que os marrecos estiveram cientes de todas as blindagens tucanas. “Observei o comportamento das duas espécies e documentei a existência de um mutualismo facultativo: marrecos e tucanos se ajudam de forma ampla, geral e irrestrita para assegurar o desenvolvimento de ambos.

Quando um está melindrado, o outro oferece suporte. Mas tudo é feito na surdina para passar um recado de imparcialidade no Reino Animal”, assegurou Greenpeace. “A parceria visa a extinção de seu predador natural: o sapo barbudo”, concluiu.

via Renato Terra para a Folha de São Paulo

Comente com o Face ou utilize a outra seção abaixo. Os comentários são de responsabilidade do autor e não têm vínculo com a publicação. Mantenha um bom nível de discussão, do contrário reservamo-nos o direito de banir seus perfis.