Barroso dá 5 dias para Bolsonaro explicar negligência com yanomamis vítimas do garimpo

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, e o ministro do STF, Luis Roberto Barroso. Ao fundo, um frame do vídeo do programa Fantástico, da rede Globo, que foi ao ar no domingo, revelou ao país que crianças yanomamis estão sofrendo com a desnutrição e falta de atendimento médico, por conta de garimpeiros protegidos pelo governo Bolsonaro, que estão destruindo a Floresta Amazônica, contaminando as águas, espantando a caça e a pesca, que são as principais fontes de alimentação dos povos tradicionais


PROGRESSISTAS POR UM BRASIL SOBERANO

Deverão ser enviadas ao STF informações acerca da situação nutricional, acesso à água potável, serviços de saúde e medicamentos disponibilizados ao povo indígena

Governo Bolsonaro tem 5 dias para explicar negligência a Yanomamis. Este é o prazo dado pelo ministro Luís Roberto Barroso, do STF (Supremo Tribunal Federal), para que sejam enviadas ao STF informações acerca da situação nutricional, acesso à água potável, serviços de saúde e medicamentos disponibilizados ao povo indígena.

A grave situação foi apontada em ação impetrada pelo líder da oposição no Senado, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), no último dia 15/11, em que pede ao Supremo para obrigar Bolsonaro a tomar medidas de proteção à comunidade, após denúncias de negligência feitas pela equipe de reportagem do Fantástico, da Rede Globo, conforme mostra a matéria no portal de noticias Metrópoles.

O programa jornalístico chocou o país ao mostrar imagens de indígenas vítimas do abandono e inação do Executivo no combate aos garimpos ilegais que estão ameaçando a sobrevivência e a continuidade das comunidades indígenas da Amazônia.

O Ministério Público Federal também cobrou do Ministério da Saúde um plano de reestruturação de atendimento que reforce a assistência à saúde das populações Yanomamis, diz a matéria no Metrópoles sobre a situação gravíssima dos indígenas.

As unidades do MPF em Roraima e na Amazônia contabilizam mais de 20 ações judiciais sobre ataques de garimpeiros, omissão de socorro e morte de indígenas, em uma situação absurda, o que levou o órgão a recomentar auditoria nas contas do distrito sanitário que cuida da saúde dos indígenas.

Este ano, fotografias de meninas e meninos muito magros, desnutridos, correram o mundo. Um pequeno retrato de um colapso gigantesco.

O Fantástico recebeu uma carta-convite da Associação Hutukara, a maior representante Yanomami, e do Conselho Distrital de Saúde Yanimami (Codisi), que tem entre suas atribuições fiscalizar o atendimento nas aldeias.

Estamos sofrendo nas aldeias. Precisamos de alguém, equipe filmar, e demonstrar nossa realidade”, diz Dario Kopenaua, vice-presidente da Associação Hutukara.

Assista ao vídeo:

FANTÁSTICO

Comente

Comente

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.