APÓS INCERTA DA ONU, TENTARÃO DAR O GOLPE ELEITORAL EM LULA, COMO O CASO DOS INFLUENCIADORES DIGITAIS?

27/08/2018 0 Por Redação Urbs Magna

Mídia do Golpe divulga que o MP Eleitoral, em dois estados, analisa campanhas pagas pró-PT em rede social

whatsapp

Receba nossas atualizações direto no WhatsApp


As procuradorias eleitorais de Minas Gerais e do Piauí abriram procedimentos para analisar se houve irregularidades envolvendo o pagamento de influenciadores em redes sociais para fazer campanha para candidatos petistas nas eleições 2018. O procedimento é o primeiro passo para a abertura de uma investigação formal.

O caso ganhou repercussão no fim de semana após uma série de posts exaltando a gestão do governador do Piauí, Wellington Dias, candidato a reeleição. Internautas passaram a acusá-lo de pagar uma agência de “influenciadores digitais” para divulgar mensagens positivas a seu respeito. A prática seria ilegal e configuraria propaganda irregular ou até caixa 2. O governador negou as acusações e a presidente nacional do partido, senadora Gleisi Hoffmann, afirmou que o PT está averiguando as informações.

A ação foi denunciada pela influenciadora digital Paula Holanda. Em seu Twitter, ela disse que foi procurada por uma representante de uma agência de marketing digital, a Lajoy. Paula publicou suposto briefing em que uma pessoa chamada Isabella Bomtempo, da agência, convidou-a para participar de ação “de militância política para a esquerda” e não de cunho partidário. No trecho divulgado por Paula não havia menção a pagamentos. Ela aceitou participar.

Nesta segunda-feira, 27, o governador do Piauí negou que sua campanha ou o partido tenham contratado influenciadores digitais para disseminar mensagens positivas sobre ele e outros integrantes da legenda. Ele ainda afirmou que sua equipe está aberta a qualquer apuração sobre o caso.

“Estamos seguros de que estamos trabalhando cumprindo a lei eleitoral à risca”, afirmou. O governador disse ainda não temer impactos das acusações nas intenções de voto em sua chapa e que o partido “tem militantes que de vez em quando falam bem do Estado”.

O governador rechaçou qualquer acusação de pagamento pelas mensagens positivas sobre o Piauí e disse ser “grato a qualquer brasileiro” que tenha tomado conhecimento sobre dados positivos do Estado e tenha resolvido “multiplicar” essa informação. “Com certeza é zero a possibilidade de qualquer participação da parte da minha campanha ou do meu partido”, afirmou o governador, que emendou na sequência uma brincadeira. “Mas continuem falando bem”, pediu.

“Mesmo eles [influenciadores] não apresentam qualquer prova de qualquer coisa”, rebateu Dias.

Segundo resolução do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), “é vedada a veiculação de qualquer tipo de propaganda eleitoral paga na internet, excetuado o impulsionamento de conteúdos, desde que identificado de forma inequívoca como tal e contratado exclusivamente por partidos políticos, coligações e candidatos e seus representantes”.

A partir da denúncia, postagens de outros influenciadores digitais foram expostas nas redes – vários deles com comentários elogiosos a Dias.

Uma das empresas apontadas como recrutadora destes influenciadores é a BeConnected, sediada em Belo Horizonte, e que tem um assessor de um deputado federal Miguel Corrêa (PT-MG), candidato ao Senado, como sócio.


LOGO FOOTER ET URBS MAGNA

NAS REDES SOCIAIS


whatsapp

Receba nossas atualizações no WhatsAppYouTube-icon-our_icon

Subscreva Et Urbs Magna no Youtubefacebook pages

Curta Et Urbs Magna no Facebookfacebook groups

Grupo no Facebook PROGRESSISTAS POR UM BRASIL SOBERANOtwitter icon

Et Urbs Magna no Twitter


Comente com o Face ou utilize a outra seção abaixo. Os comentários são de responsabilidade do autor e não têm vínculo com a publicação. Mantenha um bom nível de discussão, do contrário reservamo-nos o direito de banir seus perfis.