Adriano lavava dinheiro da milícia em fazendas da Bahia e Sergipe; não estava foragido

11/02/2020 0 Por Redação Urbs Magna
Compartilhe


Publicado por ET URBS MAGNA


Após a morte de Adriano Magalhães da Nóbrega na manhã de domingo (9) numa operação na Bahia, onde ele estava supostamente ‘escondido‘, as investigações continuam, principalmente em seus negócios ilícitos.

A polícia do Rio acredita que as fazendas de gado — ele teria terras na Bahia e em Sergipe em nome de laranjas — eram uma forma usada para lavar o dinheiro do crime.

No domingo, o ex-policial foi ‘localizado‘ no município de Esplanada, na área rural da Bahia, no sítio de um político.

A Secretaria de Segurança da Bahia informou que, na ação, Adriano “resistiu com disparos de arma de fogo e terminou ferido”.

Deflagrada em 22 de janeiro de 2019, com base em investigações do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado, do MP, a operação Os Intocáveis revelou que o ex-capitão comandava um esquema de agiotagem, grilagem de terras e construções ilegais, com o pagamento de propina a agentes públicos, a fim de manter seus negócios ilícitos, “sempre de forma violenta e por meio de ameaças”.

Outros 12 integrantes da milícia de Rio das Pedras estão presos.

com informações do Globo.

Telegram: Acesse e SIGA NOSSO CANAL

Comente com o Face ou utilize a outra seção abaixo. Os comentários são de responsabilidade do autor e não têm vínculo com a publicação. Mantenha um bom nível de discussão, do contrário reservamo-nos o direito de banir seus perfis.
Compartilhe