“Weintraub, por assumida incompetência eu pegaria meu boné e iria ostentar minha petulância e despreparo em outro canto”, diz colunista

07/05/2019 1 Por Redação Urbs Magna

Ação de Bolsonaro na educação exige uma reação à altura

Gestores aloprados e cruzada contra universidades mostram a real balbúrdia

por Ranier Bragon

Dado o conjunto de equívocos e trapalhadas, mal não faria se Paulo Guedes acrescentasse a privatização do Ministério da Educação à sua lista do Estado minimalista.

O que tem sido feito até aqui lembra um elefante em loja de cristais. A ideia é que não sobre caco sobre caco. O primeiro ministro, Ricardo Vélez, ao menos tinha a qualidade, nesse caso, da inação —mas sua reinação foi breve. O substituto, Abraham Weintraub, comunga dos mesmos ideais. A diferença é que representa maior ameaça de realizá-los.

Não fosse a massa silenciosa de técnicos, o colapso já teria se instalado.

O que Bolsonaro e seus ideólogos produziram até agora? Cartas patéticas a escolas, reedição de tacanhices da ditadura, esvaziamento de mecanismos de avaliação, menosprezo pelas ciências humanas, revisionismos históricos sem pé nem cabeça, estímulo às obscurantistas Escola sem Partido e educação domiciliar.

Uma postura anti-intelectual que afeta toda a gestão, vide o desmonte do imprescindível Censo 2020. 

Agora, tenta-se asfixiar financeiramente as universidades federais —disparadas, as melhores do ensino superior, em todos os rankings.

Em um vídeo, Weintraub tentou explicar por que usou o termo balbúrdia para se referir não ao próprio gabinete, mas a universidades. Para ele, ou investimos no ensino básico ou no superior. Se a moda pega, em breve o ministro da Saúde irá às redes: “Maternidades ou leitos de UTI? Combate à dengue ou ao sarampo?”

No vídeo, Weintraub pergunta: “O que você faria no meu lugar?”. Por assumida incompetência, eu pegaria meu boné e iria ostentar minha petulância e despreparo em outro canto.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, do “esquerdopata” DEM, criticou bandeiras bolsonaristas para a educação, em artigo no jornal Valor Econômico —o que dá a esperança de que talvez seja possível evitar a reedição das Invasões Bárbaras. 

É preciso que a lucidez, da direita à esquerda, reaja a tempo. A longo prazo, isso será muito mais importante do que qualquer reforma.

via Folha de São Paulo

Comente