Weintraub acusa a China por covid-19 com texto ‘babaca’ e coloca brasileiros em risco

04/04/2020 2 Por Dino Barsa

Última atualização: 04/04/2020 – 15:45 GMT

Et Urbs Magna – O Ministro da Educação, Abraham Weintraub, foi ao Twitter na manhã deste sábado (04) e, em seu perfil no microblog, realizou um seríssimo ataque à China acusando-a de criar o coronavírus e conspirar contra a economia internacional por meio do que chamou de “plano infalível para dominar o mundo“.

Abraham Weintraub, Ministro da Educação / reprodução do tuíte do ministro

Weintraub se utilizou de um pequeno texto bem babaca onde se utiliza de personagens da Turma da Mônica para insinuar que a República Popular governada por Xi Jinping é a grande responsável pela crise na saúde mundial.

Geopolíticamente, quem podeLá saiL foLtalecido, em teLmos Lelativos, dessa cLise mundial? PodeLia seL o Cebolinha? Quem são os aliados no BLasil do plano infalível do Cebolinha paLa dominaL o mundo? SeLia o Cascão ou há mais amiguinhos?“, escreveu o ministro destacando a deslalia funcional na fala do Cebolinha comparando-a à desfunção fonética da letra ‘R’ na linguagem do mandarim observada no pinyin chinês.

Assim, Abraham Weintraub devolve o país à insegurança econômica com um de seus maiores parceiros comerciais. O site Conjur (Consultor Jurídico) reagiu à publicação do Ministro da Educação dizendo que sua “ignorância e ingenuidade” promove uma escalada na crise diplomática com a China, maior parceiro do Brasil. A China é líder na produção de respiradores e outros equipamentos e suprimentos essenciais para salvar as vidas de pessoas acometidas pela Covid-19 em seu estágio mais avançado.

Recentemente, Eduardo Bolsonaro causou intensa crise diplomática, ainda em curso, com o maior comprador das exportações brasileiras e originou graves consequências: 1) a demora do governo chinês para aprovar frigoríficos brasileiros como fornecedores do país. 2) carga de 600 respiradores negociada pelo governo da Bahia com a China foi cancelada indo parar nos EUA.

No dia 1º de abril, Eduardo Bolsonaro voltou a chamar o coronavírus de “vírus chinês” pelo Twitter, esgotando a proverbial paciência asiática. Da primeira vez, o embaixador chinês deu uma bronca no 03. Agora, o cônsul chinês no Rio de Janeiro (estado do deputado), Li Yang, publicou um artigo de opinião no jornal O Globo neste sábado (4/4) perguntando se Eduardo é tão “ingênuo e ignorante quanto parece” (leia íntegra ao final do texto).

Depois da publicação do artigo, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, usou o Twitter para descer ainda mais o nível em um ataque racista com laivos de insanidade paranoica. Divulgando a capa de um gibi da Turma da Mônica, o ministro que não sabe falar português ridicularizou os chineses, como se quem não soubesse falar fossem eles, apelando para uma comparação esdrúxula com o Cebolinha, que não consegue pronunciar os erres. “Geopolíticamente [sic], quem podeLá saiL foLtalecido, em teLmos Lelativos, dessa cLise mundial? PodeLia seL o Cebolinha? Quem são os aliados no BLasil do plano infalível do Cebolinha paLa dominaL o mundo? SeLia o Cascão ou há mais amiguinhos?”, perguntou.

Geopolíticamente, quem podeLá saiL foLtalecido, em teLmos Lelativos, dessa cLise mundial? PodeLia seL o Cebolinha? Quem são os aliados no BLasil do plano infalível do Cebolinha paLa dominaL o mundo? SeLia o Cascão ou há mais amiguinhos? pic.twitter.com/qnTnoYT7JP— Abraham Weintraub (@AbrahamWeint) April 4, 2020

O primo pobre
Conforme apontado pelo cientista político Celso Rocha de Barros, em artigo na Folha de S.Paulo, os Estados Unidos têm dinheiro e poder político o suficiente para bancar um certo nível de estupidez institucional durante uma pandemia. O Brasil não.

Até o governo de Donald Trump, a quem os Bolsonaro se alinham mesmo sem qualquer contrapartida, percebeu que será necessário contar com a expertise da China, que já combateu o vírus por meses antes da escalada global.

Se mantiver a atitude de tratar a diplomacia entre dois países como uma briga de quinta série no recreio, o Brasil corre o risco de “tornar-se um vassalo ou uma peça de xadrez de um outro país”, como apontou Li Yang, o cônsul chinês no Rio. O resultado pode ser “uma derrota total num jogo com boas cartas, como diz um provérbio chinês”.

Tensão internacional
Embora o Brasil ainda não tenha estragado totalmente suas relações com a China, a escalada do tom em um vizinho nosso bem conhecido, a Venezuela, dá pistas de para onde estamos caminhando, se o governo se deixar conduzir pelos desvarios da família do presidente.

No final de março, o responsável pela Venezuela no governo dos Estados Unidos, Elliott Abrams, afirmou em artigo no Wall Street Journal que “o Departamento de Estado propõe que Maduro e Guaidó se afastem ambos”, no que seria um “novo caminho” a ser buscado na política do país, em que os militares teriam “papel essencial”.

Mas os Estados Unidos não são mais a única potência internacional com influência sobre o destino geopolítico dos países sul-americanos. Por meio das redes sociais, o porta-voz do ministério chinês do exterior, Hua Chunying, respondeu que “a China se opõe a qualquer força externa que, sob qualquer pretexto, infrinja a soberania da Venezuela”.

O recado está dado para o mundo inteiro. O artigo de Li Yang termina com um tom de advertência:

“A China nunca quis e nem quer criar inimizades com nenhum país. No entanto, se algum país insistir em ser inimigo da China, nós seremos o seu inimigo mais qualificado! Felizmente, mesmo com todos os seus insultos à China, você não conseguirá tornar a China inimiga do Brasil, porque você realmente não pode representar o grande país que é o Brasil. Porém, como é um deputado federal, as suas palavras inevitavelmente causarão impactos negativos nas relações bilaterais. Isso seria uma grande pena!”

Clique aqui para ler o artigo de Li Yang

Esta imagem possuí um atributo alt vazio; O nome do arquivo é ET-URBS-MAGNA-LARANJA-um2-1024x1024.png
Telegram Receba nossas Newslleters gratuitamente. Acesse e siga NOSSO CANAL
Não tem o aplicativo? ACESSE AQUI e Saiba por que o TELEGRAM é 10 vezes melhor que o WHATSAPP
Acompanhe as publicações do ET URBS MAGNA no FACEBOOK (CURTA AQUI)




𝘊𝘰𝘮𝘦𝘯𝘵𝘦 𝘤𝘰𝘮 𝘴𝘦𝘶 𝘍𝘢𝘤𝘦𝘣𝘰𝘰𝘬 𝘰𝘶 𝘶𝘵𝘪𝘭𝘪𝘻𝘦 𝘢 𝘰𝘶𝘵𝘳𝘢 𝘴𝘦çã𝘰 𝘮𝘢𝘯𝘵𝘪𝘥𝘢 𝘢𝘣𝘢𝘪𝘹𝘰. 𝘖𝘴 𝘤𝘰𝘮𝘦𝘯𝘵á𝘳𝘪𝘰𝘴 𝘴ã𝘰 𝘥𝘦 𝘳𝘦𝘴𝘱𝘰𝘯𝘴𝘢𝘣𝘪𝘭𝘪𝘥𝘢𝘥𝘦 𝘥𝘦 𝘲𝘶𝘦𝘮 𝘰𝘴 𝘱𝘶𝘣𝘭𝘪𝘤𝘢 𝘦 𝘱𝘰𝘥𝘦𝘮 𝘯ã𝘰 𝘳𝘦𝘧𝘭𝘦𝘵𝘪𝘳 𝘢 𝘰𝘱𝘪𝘯𝘪ã𝘰 𝘥𝘰 𝘴𝘪𝘵𝘦. 𝘛𝘦𝘹𝘵𝘰𝘴 𝘷𝘶𝘭𝘨𝘢𝘳𝘦𝘴 𝘦 𝘥𝘪𝘴𝘤𝘶𝘳𝘴𝘰𝘴 𝘥𝘦 ó𝘥𝘪𝘰 𝘴ã𝘰 𝘥𝘦𝘴𝘯𝘦𝘤𝘦𝘴𝘴á𝘳𝘪𝘰𝘴 𝘱𝘢𝘳𝘢 𝘢 𝘤𝘰𝘯𝘴𝘵𝘳𝘶çã𝘰 𝘥𝘦 𝘶𝘮𝘢 𝘴𝘰𝘤𝘪𝘦𝘥𝘢𝘥𝘦 𝘤𝘪𝘷𝘪𝘭𝘪𝘻𝘢𝘥𝘢. 𝘕𝘦𝘴𝘵𝘦𝘴 𝘤𝘢𝘴𝘰𝘴, 𝘳𝘦𝘴𝘦𝘳𝘷𝘢𝘮𝘰-𝘯𝘰𝘴 𝘰 𝘥𝘪𝘳𝘦𝘪𝘵𝘰 𝘥𝘦 𝘣𝘢𝘯𝘪𝘳 𝘴𝘦𝘶𝘴 𝘱𝘦𝘳𝘧𝘪𝘴.
Anúncios