Vídeo: Lula e Fernández (AR) falam sobre o perigoso avanço da covid-19 na AL sob o jugo do neoliberalismo

28/06/2020 0 Por Redação Urbs Magna
COMPARTILHE JÁ

Tínhamos o sonho de construir uma América Latina forte e soberana” 

𝐔𝐌 𝐈𝐧𝐭𝐞𝐫𝐧𝐚𝐜𝐢𝐨𝐧𝐚𝐥 – O presidente Alberto Fernández compartilhou com Lula uma reunião virtual intitulada “Pensando a América Latina após a pandemia da covid-19“, organizada pela Faculdade de Ciências Sociais da UBA (Universidade de Buenos Aires). Na conferência, também participaram o argentino ganhador do Prêmio Nobel da Paz, Adolfo Pérez Esquivel, o ministro da Educação da Argentina, Nicolás Trotta, o deputado nacional argentino, Eduardo Valdés, o secretário geral do Suterh (Sindicato Unico de Trabalhadores de Edifícios e Horizontal), Victor Santa María, a advogada brasileira Carol Proner, a advogada trabalhista argentina Natalia Salvo, a secretária executiva de Clacso (Conselho Latinoamericano de Ciências Sociais), Karina Batthyany, e a diretora da faculdade de Ciências Sociais, da UBA, Carolina Mera. 

Lula e Alberto Fernández, presidente da Argentina, conversaram sobre a América Latina e a pandemia de coronavírus em seu perigoso avanço no continente. As imagens foram disponibilizadas pelo site argentino Página12.

Leia alguns trechos da reunião:

ALBERTO FERNÁNDEZ: “Lula é um homem imenso para a América Latina. Você não sabe o quanto estou ansioso para vê-lo e abraçá-lo“.

A pandemia deixou claro que o capitalismo, como o conhecemos, deixa milhões de compatriotas à margem da sociedade. E como acreditamos que a política é uma ação ética, ninguém pode fingir estar distraído. Pensamos no valor da vida. outros produzem números e estatísticas“.

LULA: “Nunca foi tão necessário sonhar e continuar lutando para construir um mundo melhor do que aquele em que vivemos. O que vai salvar a América Latina é uma palavra chamada democracia. Essa pandemia nos mostra que o mercado não resolve nada, aquele que cuida da o povo é o Estado“.

Sinceramente, não sei como será o mundo depois da pandemia, ninguém sabe. Mas tenho certeza de que os países onde o governo pensou pela primeira vez na população, como o caso da Argentina, sairão da crise melhor do que aqueles que não. É muito triste o que acontece no Brasil e por isso quero parabenizar Alberto Fernández pela alta responsabilidade com a qual está enfrentando a pandemia, pela coragem que caracteriza um verdadeiro líder“.

Nem as guerras em que o Brasil participou geraram tanta devastação“.

ALBERTO FERNÁNDEZ: “Ninguém que abraçou a causa popular pode duvidar que o mais importante seja a vida e a saúde das pessoas. No entanto, existem outras almas que pensam que o mais importante são os negócios“.

“Camus disse que as pragas têm um viés muito claro: tiram a vida das pessoas, mas expõem a miséria das almas. E essa pandemia mostrou coisas, doenças e como a miséria humana aparece“.

A pandemia mudou o mundo, colocou tudo em crise. O problema é que, há cem dias, todos estão contando a lista de mortos, mas se também começássemos a contar a queda da bolsa, veríamos também que a economia mundial estava em colapso. Porque a economia precisa de homens e mulheres que consomem e trabalham, e quando adoecem não há capitalismo operário“. 

No colapso econômico, observamos como esse capitalismo financeiro construiu um castelo de cartas que um pequeno vírus poderia facilmente desmoronar. Precisamos criar um novo capitalismo que seja integrado à sociedade, que não concentre a riqueza, mas a distribua“.

Tanto o presidente argentino quanto o ex-presidente brasileiro recordaram tempos de maior integração regional, quando governos progressistas estavam na maioria da América Latina. 

LULA: “Deus me deu a chance de viver um dos melhores períodos da política na América Latina. Tive a sorte de viver com Néstor e Cristina, com Tabaré e Pepe, com Lagos e Bachelet, com Correa, com Evo, com Lugo, com Chávez. Construímos o momento mais importante do desenvolvimento“.

Tínhamos o sonho de construir uma América Latina forte e soberana“. 

ALBERTO FERNÁNDEZ: “Não tenho Nestor, não tenho Pepe Mujica, não tenho Evo, Michele, Lagos, Tabaré. Dois de nós querem mudar o mundo, um está no México e o nome dele é Manuel López Obrador, e o outro sou eu. E nos custa muito“.

O encontro virtual organizado pela Faculdade de Social da UBA foi organizado poucas semanas após a suspensão da exibição do juiz Sergio Moro na Faculdade de Direito da UBA, devido à rejeição que o convite despertou. 

Como Carolina Mera indicou, a palestra “Pensando a América Latina após a pandemia dos 19-covid” foi guiada “pela democracia e pela convicção de que a sociedade do futuro pode ser melhor“.

 “A pandemia pode ser uma oportunidade“, disse Víctor Santa María. 

Nicolás Trotta, por outro lado, alertou: “Ninguém pode ignorar a profunda desigualdade da América Latina. Pensar no futuro pós-pandemia implicará repensar o papel do Estado.

Carol Proner disse que é preciso restabelecer a confiabilidade democrática, além de argumentar sobre o combate à corrupção como pretexto para a flexibilização das garantias legais. Ela também se posicionou dentro do grupo dos defensores da democracia e das garantias sociais que é favorável ao combate à corrupção enfatizando que isso só é possível com a garantia de independência dos organismos de investigação.

Assista à Participação de Lula que se iniciou no tempo de 01:36:54. A participação de Carol Proner se iniciou em 01:19:00:

Junte-se a 37.023 outros assinantes

Esta imagem possuí um atributo alt vazio; O nome do arquivo é ET-URBS-MAGNA-LARANJA-um2-1024x1024.png
TELEGRAM:
Acesse e siga NOSSO CANAL
Receba nossas Newslleters gratuitamente
Não tem o aplicativo? ACESSE AQUI e Saiba por que o TELEGRAM é 10 vezes melhor que o WHATSAPP

COMPARTILHE JÁ