“Terceira via” já lançou mais de 10 nomes, mas maioria dos eleitores só quer LULA

26/07/2021 0 Por Redação Urbs Magna
“Terceira via” já lançou mais de 10 nomes, mas maioria dos eleitores só quer LULA

Euforia dos partidos com pré-candidatos que possam ser capazes de amenizar a polarização entre o ex-presidente e Bolsonaro é contrastante com uma realidade em que tão somente Ciro Gomes é o mais lembrado, mas por apenas 2%, sendo que os outros nem são citados espontaneamente

Forças políticas já lançaram pelo menos dez pré-candidatos para a chamada terceira via na eleição presidencial de 2022, mas os resultados da mais recente pesquisa do Datafolha mostram que quase nenhum dos nomes passa pela cabeça dos eleitores. O levantamento, que confirmou Luiz Inácio Lula da Silva (PT) vencendo Jair Bolsonaro (sem partido), estando os dois polarizados à frente nas intenções de voto, expôs a dificuldade dos presidenciáveis que tentam romper a polarização entre os dois. O único nome citado espontaneamente que obteve percentual significativo foi Ciro Gomes (PDT), que alcança um patamar de 2% —enquanto Lula chega a 26% e Bolsonaro, a 19%, diz matéria na Folha de S. Paulo.

João Doria (PSDB), Eduardo Leite (PSDB) e Luiz Henrique Mandetta (DEM), que foram testados em cenários estimulados pelo Datafolha, não pontuam na etapa da pesquisa em que os eleitores são questionados diretamente em quem votariam, sem a sugestão de nomes. Uma fatia de 2% deu outras respostas. As menções incluem desde aspirantes que desistiram da corrida, como o apresentador Luciano Huck (sem partido) e o empresário João Amoêdo (Novo), até afirmações genéricas, como “sempre o PT” e “no mesmo que está”.

Dentro do recorte dos 2% também surgiram declarações esparsas de voto no ex-juiz Sergio Moro e no apresentador Danilo Gentili, ambos sem filiação partidária e sem movimentações concretas por candidatura —embora estejam sendo incentivados a isso e não descartem a hipótese.

“Datena” foi outra resposta registrada, em referência ao apresentador José Luiz Datena, que o PSL quer lançar ao Planalto. Quando a pesquisa foi feita, nos dias 7 e 8 de julho, o comunicador tinha acabado de assinar a filiação e ainda não havia anunciado em público a possibilidade de concorrer.

Elementos da pesquisa Datafolha são usados para fundamentar a tese de que é possível virar o jogo. Primeiro: os altos patamares de rejeição. Segundo: 42% dos entrevistados dizem não saber em quem pretende votar. Esse grupo, no entanto, diminuiu em relação ao levantamento anterior, de maio, quando era de 49%.

Para o cientista político e fundador do Centro de Liderança Pública, Luiz Felipe d’Avila, que prega a terceira via e há meses faz entrevistas e debates com potenciais candidatos, o quadro geral vai desanuviar até o primeiro trimestre de 2022 e será possível chegar a um entendimento.

“A candidatura do centro democrático precisa se mostrar politicamente viável. Precisa ter rosto e ideias, para isso reverberar nas pesquisas. E, do ponto de vista de articulação, precisa ser liderada por alguém que tenha bom trânsito nos demais partidos, consiga aglutinar.”

Na visão dele, a performance dos candidatos desse setor no Datafolha é reflexo da alta pulverização. A mais de um ano do pleito, com tantos nomes ventilados, parte do eleitorado tem dificuldade em saber quem efetivamente será candidato e quais são as propostas, avalia d’Avila.

“A tendência é que Bolsonaro derreta e que isso abra canal para um candidato de centro”, segue ele, que é ex-filiado do PSDB e chegou a disputar as prévias da sigla para governador paulista em 2018, ao fim vencidas por Doria.

Também engajado nas costuras, e perto de se cacifar como pré-candidato do DEM ao Planalto, Mandetta minimiza o desempenho pífio dele e dos concorrentes de seu campo. Para o ex-ministro da Saúde, há “uma margem para crescer muito grande”.

“Vamos conviver com a alta quantidade de nomes até o fim do ano. É legítimo os partidos terem seus postulantes. Mais perto da data, acredito que começará a haver as confirmações de caminhos, e as alianças acontecerão”, projeta.

POSSÍVEIS CANDIDATOS DA CHAMADA TERCEIRA VIA PARA 2022

  • Ciro Gomes – É quem tem a pré-candidatura mais avançada e maior apoio do próprio partido, o PDT
  • João Doria, Eduardo Leite, Tasso Jereissati e Arthur Virgílio – Disputam as prévias do PSDB, em novembro
  • Luiz Henrique Mandetta – É pré-candidato do DEM a presidente, mas também visto como um bom vice
  • Rodrigo Pacheco – Hoje no DEM, é desejado pelo presidente do PSD, Gilberto Kassab, para se candidatar
  • Simone Tebet – Senadora tem o apoio de alas do MDB e ganhou força com atuação na CPI da Covid
  • Sergio Moro – Distante do debate e sem filiação, ainda é assediado por partidos como o Podemos
  • José Luiz Datena – Foi lançado pelo PSL, mas já disse preferir tentar o Senado por SP
  • Danilo Gentili – Sem filiação, humorista é estimulado pelo MBL (Movimento Brasil Livre)

Comente