Tag: Wilson Witzel

Polícia armada bate à porta do jornalista Luis Nassif (GGN) para intimar sobre vídeo com críticas ao Governador do Rio Wilson Witzel

Por Redação Urbs Magna

Governador quer explicações sobre vídeo produzido por Nassif em que é chamado de “genocida”

Anúncios

Noblat: Que país é esse onde governador celebra morte de bandido e presidente diz que não é para ter pena? – ASSISTA ao VÍDEO aqui

Por Redação Urbs Magna

O jornalista Ricardo Noblat condenou a postura de Witzel e Jair Bolsonaro. Ambos comemoraram a morte do sequestrador que fez 37 reféns na manhã desta terça. “Que país é esse onde governador celebra morte de bandido e presidente diz que não é para ter pena?”, questionou

Deputada que denunciou Witzel à ONU, por promover agenda genocida com permissão de Bolsonaro, tem pedido de cassação protocolado

Por Redação Urbs Magna

Deputados estaduais do PSC, partido do governador do Rio de Janeiro Wilson Witzel, protocolaram na última quinta-feira (9) o pedido de cassação da deputada Renata Souza (PSOL) na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj).

Witzel denunciado à OEA por sua prática perigosa na política de segurança no Rio

Por Redação Urbs Magna

A Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) denunciou nessa segunda-feira (6) o governador fluminense, Wilson Witzel, à Organização dos Estados Americanos (OEA), devido à sua política para a área de segurança pública. De acordo com a Alerj, a denúncia informa que, desde sua campanha eleitoral, no ano passado, Witzel vem dizendo que é preciso usar atiradores de elite para “abater” criminosos.

Meu Deus: Witzel coordenou ataques de snipers em helicóptero à população de Angra, onde cidadãos comuns foram mortos

Por Redação Urbs Magna

Witzel precisa ser detido: vídeo onde, de helicóptero, coordena ataques à população de Angra – Em entrevista a O Globo, admitiu que os snipers estão agindo. E há inúmeros relatos de pessoas sendo mortas por atiradores à distância. E as vítimas não são apenas suspeitos, mas cidadãos comuns