Tag: Ricardo Lewandowski

Lewandowski libera mais dois jornalistas e uma TV para entrevistar Lula

Por Redação Urbs Magna

“Ainda que se encontre em execução antecipada da pena, [Lula] não pode ter seus direitos fundamentais restringidos pelo Estado, dentre eles a liberdade de expressão”, diz ministro

Anúncios

TOFFOLI DIZ QUE LULA NÃO VAI DAR ENTREVISTA COISÍSSIMA NENHUMA. LEWANDOWSKI CONSENTE E SE CALA

Por Redação Urbs Magna

O presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, decidiu, mais uma vez, censurar a imprensa e silenciar o ex-presidente Lula, afrontando decisão do Comitê de Direitos Humanos da ONU; provocado por uma nova decisão do ministro Ricardo Lewandowski, em defesa da liberdade de expressão, Toffoli despachou pedindo para que fosse cumprida liminar do ministro Luiz Fux, que proibiu entrevistas de Lula; embora o comitê da ONU tenha garantido os direitos políticos de Lula e também de conceder entrevistas, ele foi proibido de votar, de ser votado e também de falar ao povo brasileiro que seu candidato é Fernando Haddad

LEWANDOWSKI PEITA TOFFOLI E LIBERA LULA PARA ENTREVISTA

Por Redação Urbs Magna

Mesmo depois do despacho do ministro Dias Toffoli, presidente do Supremo Tribunal Federal, que censurou a entrevista do ex-presidente Lula à Folha de S. Paulo, o ministro Ricardo Lewandowski soltou mais um despacho, autorizando a entrevista de Lula ao jornalista Florestan Fernandes Júnior, ao jornal El Pais e à Rede Minas de Televisão; segundo Lewandowski, a liminar de Luiz Fux – flagrantemente ilegal – não atinge o pedido formulado por Florestan; o ministro também questiona os poderes de Toffoli para cassar sua decisão no tocante à Folha e aponta “motivações subalternas”

LULA DARÁ ENTREVISTAS POR DETERMINAÇÃO DE LEWANDOWSKI, QUE DERRUBOU PROIBIÇÃO DE FUX

Por Redação Urbs Magna

O ministro Ricardo Lewandowski, do STF, determinou no início da tarde desta segunda (1) que a Justiça Federal do Paraná cumpra a ordem de liberar a entrevista do ex-presidente Lula aos jornalistas Florestan Fernandes Júnior e Mônica Bergamo. Escreveu o ministro em seu despacho: “Em face de todo o exposto, reafirmo a autoridade e vigência da decisão que proferi na presente Reclamação (…) sob pena de configuração de crime de desobediência. Cumpra-se”; ele confrontou diretamente o ministro Luiz Fux, que rasgara a Constituição determinando a censura prévia: “Verifico que a decisão proferida pelo ministro Luiz Fux […] não possui forma ou figura jurídica admissível no direito vigente, cumprindo-se salientar que o seu conteúdo é absolutamente inapto a produzir qualquer efeito no ordenamento legal”