Posse de Bolsonaro

Fim da aposentadoria: Guedes diz que reforma vai gerar 10 anos de crescimento e eleitores de Bolsonaro estão acreditando

A posse do ministro da Fazenda, Paulo Guedes, foi pra lá de pitoresca. O novo czar da economia no governo Jair Bolsonaro (PSL) jurou na quarta ( (2), durante a transmissão do cargo, que a reforma da previdência vai possibilitar 10 anos de crescimento contínuos. Só falou o moço prometer 70 virgens para os parlamentares que votarem pelo fim da aposentadoria para o povo.

Posse do ‘Mito’: fotógrafos podem ser abatidos por snipers, se erguerem suas máquinas, e são mantidos em cercados

É uma posse diferenciada e todos têm que entender isso. Com essas palavras, a assessora do Palácio do Planalto que acompanhava jornalistas num ônibus rumo ao Congresso Nacional, na manhã desta terça (1º), procurava acalmar veteranos da profissão (esta colunista entre eles) que não conseguiam, digamos, entender os novos tempos —e o tratamento reservado à imprensa na posse de Jair Bolsonaro na Presidência da República.

Deputados e Senadores do PT boicotarão posse de Bolsonaro sob o argumento de que o país saiu da trilha da democracia e do estado de direito.

As bancadas do PT na Câmara e Senado decidiram não comparecer à posse de Jair Bolsonaro no Congresso Nacional em 1 de janeiro de 2019. É um gesto de alto impacto, pois não há precedentes desde a redemocratização do país, marcada pela eleição de Fernando Collor de Mello. Mesmo com a derrota de Lula nas eleições de 1989, as bancadas do PT estiveram presentes à posse de Collor em 15 de março de 1990. Os parlamentares deverão dirigir-se a Curitiba, para uma posse simbólica do ex-presidente Lula. As bancadas do PC do B e do PSOL estão discutindo se boicotarão a posse ou não.PUBLICIDADE

Janaína Paschoal ameaça prender Maduro, caso ele venha ao Brasil – 2019: o ano em que os loucos assumiram o poder

A deputada estadual eleita por São Paulo Janaina Paschoal (PSL) parabenizou o futuro ministro de Relações Exteriores, Eugênio Araujo, por não convidar o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, para a posse de Jair Bolsonaro. Janaina chamou Maduro de “genocida” e de “ditador sanguinário” e defendeu que ele seja preso caso entre no Brasil.