Não conseguiram condenar Lula, agora mudam as leis para impedir sua eleição

De que forma a absurda decisão do STF pode afetar a candidatura de Lula

Na seção do Supremo Tribunal Federal desta quarta-feira (04/10) foi decidido, por 6 votos a 5, que a Lei da Ficha Limpa (oito anos de inelegibilidade) deve valer para candidatos condenados antes que a lei passasse a vigorar. O ministro Alexandre de Moraes, contrário a esta decisão afirmou: “Essa retroatividade afeta a segurança jurídica, é um desrespeito à coisa julgada”

O debate no STF se centrou na questão: uma lei posterior pode atingir casos anteriores à sua publicação, restringindo direitos dos candidatos? A favor votaram Luiz Fux, Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Dias Toffoli e Cármen Lúcia. Contra: Gilmar Mendes, Alexandre de Moraes, Marco Aurélio, Celso de Mello e Ricardo Lewandowski.

Retroatividade

Ricardo Lewandowski esclareceu que “… se um governo autocrático assumisse o poder… e para atingir seus desafetos políticos faça editar uma lei tornando inelegível por 20 anos aqueles que já tinham condição de elegibilidade, já tinham se candidatado e ganho uma determinada eleição. Isso, do ponto de vista do ideal mesmo de democracia, é algo impensável.” A Lei da Ficha Limpa reuniu cerca de 1,6 milhão de assinaturas, foi votada e aprovada em 2010 no Congresso Nacional e sancionada pelo presidente Lula no mesmo ano. A lei impede a candidatura de condenados quando tomada por decisão colegiada (por mais de um juiz ou mais de uma instância julgadora).

Ser condenado em primeira instância, como o ex-presidente Lula, não o impede de se candidatar. E mesmo uma condenação em segunda instância não o impediria de concorrer, dependendo de quando essa decisão for tomada. Lula exerceu o mandato de presidente do Brasil de 2003 a 2011. As principais denúncias que pesam sobre ele, no Ministério Público do Paraná, são Triplex no Guarujá, Sítio de Atibaia, Terreno do Instituto Lula, Obstrução de Justiça pela indicação a ministro. Mesmo sem provas cabais de propriedade ou de que houve favorecimento ou pagamento de suborno em troca de favores no governo, o MP segue em busca de sua condenação. Esta decisão do STF fortalece este tipo de justiçamento e cria mais possibilidades de impedir a candidatura de Lula.

O ministro Sebastião Reis (Superior Tribunal de Justiça) criticou os vazamentos seletivos de processos: “MP e PF usam a imprensa com o intuito claro de criar pano de fundo favorável à acusação em processos e para defender projetos de lei absurdamente imorais, aproveitando-se da sanha acusatória que toma conta do País”.

Reis acrescentou que, “com isso, qualquer um que discorde dos órgãos de acusação é taxado como inimigo, cúmplice de bandido e favorável à corrupção.” E concluiu: “hoje em dia é preciso mais coragem para absolver um inocente do que para tirar a liberdade de alguém.”

Defender Lula é defender a classe trabalhadora

O momento é decisivo para todos os militantes de esquerda, do movimento operário, popular e estudantil, dos negros, das mulheres, dos sem terra e sem teto e de todas as minorias atacadas pelo regime burguês de fome e miséria que vem sendo implementado em nosso país como resultado do golpe de estado.

“ condenação de Lula em mais um processo farsa é um ataque inaceitável da direita a todos os que lutam contra o golpe de Estado e suas medidas contra o país e os trabalhadores.

Defender Lula é uma questão de sobrevivência. Se Lula for preso, o regime de exceção se fortalece e se a direita golpista vai buscar intensificar os ataques contra os trabalhadores e suas organizações de luta.

Por isso a luta contra o golpe passa, na etapa atual, pela defesa da liberdade de Lula e outros dirigentes petistas como José Dirceu, pelo fim da lava jato e de todo processo de ditadura e de perseguição do judiciário contra e ex-presidente, PT e toda a esquerda.

Fonte: diariodacausaoperaria

Anúncios

LULAAA, ha ha ha…

O domingo de sol, ao menos aqui no Rio, pode ser a desculpa.

Mas a grande maioria dos comentaristas políticos da grande mídia está em silêncio, depois de uma quinzena em que decretou que “agora, Lula acabou”.

E vem o Datafolha e mostra o “defunto” não apenas vivo como esbanjando saúde, com taxas de crescimento eleitoral mais do que vigorosas.

Os demais candidatos, candidatos a candidato e factóides  pararam ou até retrocederam um pouquinho.

Não apenas isso: a tão brandida como intransponível rejeição a Lula cai seguidamente e, nas simulações de 2° turno, dependendo do adversário (Doria e Bolsonaro, por exemplo, chega a repetir seu melhor resultado eleitoral, o de 2006: 48% dos votos totais e 60% dos válidos.

Os poucos que falam algo – aquele site que, por uma questão sanitária evito citar o nome – chama de “esquizofrênica” a pesquisa da Folha, enquanto os datafolhistas oficiais culpam os pobres pelo favoritismo do “monstro”.

Os partidos convencionais – ou o que resta deles – está baratinado.

Como estão baratinados os dois partidos mais importantes do Brasil: a mídia e o PC, Partido de Curitiba.

A semana é de arranjar novas revelações “sensacionais” que tentam a, ao menos na aparência, evitar que o “duro de matar” do Lula seja o assunto de botequim.

Vão, como se vê, insistir na tática que levou a estre quadro, para eles, apavorante.

E Lula vai, ao contrário, retomar sua programação  de viagens, apostando no contato direto com a população, que é o canal que não lhe podem – ainda – fechar. E passa a uma fase mais propositiva, dentro em pouco, com a apresentação de projetos e metas para arrancar o Brasil da crise.

Ao contrário da pancadaria, que seguirá sendo a pauta burra da direita, que visivelmente já enjoou a população e  perdeu grande parte da credibilidade.

Enquanto isso, o país segue sua trilha de lama, com a revelação continuada das podridões de Moro e os esquemas sujíssimos do Ministério Público  na montagem das delações seletivas.

E, distantes dos nossos olhos, prepara-se no Tribunal Regional Federal a “eleição” de quem não pode ser presidente do Brasil.

Como no retorno de Getúlio, só pensam na máxima de Carlos Lacerda de que Lula não pode ser candidato, porque se for, vencerá e se vencer governará.

Fonte: Tijolaço

LULA INVENCÍVEL: Saiu a íntegra da pesquisa das ELEIÇÕES 2018

A imagem resume toda a pesquisa do Instituto DataFolha, mas vamos considerar o seguinte: Dos 36 pontos de Lula no primeiro turno:

  • 16 – menor renda no Sudeste e Sul
  • 14 – pobres do Nordeste
  • 03 – Norte e Centro-Oeste

Melhor dizendo, estes são 36% (trinta e seis por cento) da nação Brasil. E para quem ainda não quer acreditar cegando-se desta verdade, orientamos que isto representa mais de 1/3 (um terço) do eleitorado brasileiro. Especificamente: A MAIORIA !

Portanto, Luiz Inácio Lula da Silva é a confiança do povo para a mudança deste país corrupto e mentiroso, que agora está mexendo os pauzinhos para colocar os militares no poder e encobrir de vez a safadeza dos ladrões de nossas riquezas (não se iludam).

foto“A destruição judicial de Lula não funcionou”, afirmou hoje um blog de renome. Também não se duvidam mais se houve um golpe em 2016 porque os fatos estão no noticiário e as malas de dinheiro estão sendo descobertas dia após dia e a cara de pau continua.

dodgeO inquisidor Moro está cada vez mais desmoralizado por conta de sua parcialidade evidente. E a mídia, que por interesse conhecido de todos e que insistentemente ajuda nesta farsa, agora é obrigada a noticiar a vitória de LULA.

E , como os próprios petistas dizem, “eleições sem LULA é fraude”. Sem ele, estará evidenciada a ilegitimidade da disputa. Ficará claro para todo o planeta que houve manipulação confirmando o movimento iniciado pelo derrotado e impune Aécio Neves.

O POVO NÃO É BOBO!

Ascensão de Lula desespera antipetistas

Desde que, durante as prévias das eleições de 2014, Aécio Neves preanunciou, em cadeia nacional no debate com Dilma Rousseff, que o plano era acabar com o PT, o Brasil foi dividido ao meio. Não geograficamente, mas antes apenas fosse.

Há muitos casos, hoje, de uma mesma família com visões políticas opostamente alicerçadas por conta de uma verdadeira campanha, de ambos os lados, para a difamação do ser humano quando na condição de adversário.

A liberdade de expressão, garantida pela democracia, foi largamente usufruída na intenção clara de macular e, em um país que tem um povo com defeito de fábrica no quesito cognição, funcionou.

É como se a memória política do país inteiro tivesse sido apagada e os grandes feitos honrosos reconhecidos e premiados mundialmente fosse uma mera ficção.

Quando essa crise política acabar, os brasileiros ainda se envergonharão por tudo isso.

Longe da grande mídia, caravana Lula comove milhares de pessoas

O sonho de um nordestino e ex-metalúrgico que tirou 36 milhões de pessoas da miséria e hoje faz questão de olhar nos seus olhos e nutrir-se de sua luta para fazer ainda mais.

Percorrer o Nordeste brasileiro hoje é testemunhar a grandeza do projeto que Lula sonhou para o Brasil e que se tornou realidade.

Longe das lentes da grande mídia, a caravana Lula pelo Brasil mobiliza e comove milhares de pessoas por onde passa. Não só lotando praças e ruas onde acontecem atos diários, mas formando um mar vermelho, de todas as raças, classes, etnias e idades que recepciona Lula onde quer que vá.

Uma viagem que começou com uma estação de metrô vibrando de cantos de apoio e incentivo em Salvador, atravessou o rio São Francisco ao encontro de um mar de sorrisos que aguardava em Penedo e hoje é marcada pelas imagens das multidões que cercam os ônibus como a abraçá-los a cada município e desejar-lhes boa viagem até o próximo dia 5, quando a caravana se encerra.

Para a Dona Nanci, moradora de Brasília Teimosa, a emoção de ver quem mudou a realidade do barro pernambucano é indescritível. “A emoção de ter Lula um grande companheiro, pernambucano, sertanejo, pé no chão, veio do Nordeste, faz parte do nosso coração, é uma emoção muito grande.”

Diante do crescente número de pessoas que acenam para ele pelo caminho, o ex-presidente Lula faz questão de parar sua agenda para cumprimentá-los, ouvi-los, pois é desses encontros que tira a energia para continuar firme em sua jornada.

Esse carinho recíproco entre um líder e seu povo marcará a quarta-feira (30) na história dessa mais recente caravana. Um trajeto de menos de 400 quilômetros, de Quixadá a Juazeiro do Norte, levou mais de nove horas para ser completado pelo ex-presidente por conta das muitas paradas que fez questão de fazer.

Fugindo ao cronograma, Lula parou em nada menos do que dez cidades cearenses de forma espontânea e comovente, para retribuir o afeto com que acenavam as populações de Juatana, Banabuiú, Solenopole, Vila São João de Solenopole, Quixelô, Iguatu, Cascudo e Cedro.

“Lula é o nosso líder, um grande líder, que se alimenta da inspiração do povo. Por isso, ele está rodando o Brasil, para conversar com a sua gente”, comemora o coordenador da caravana e vice-presidente nacional do PT, Marcio Macedo, a cada novo estado.

“Para entender Lula pelo Brasil é só olhar para a história do Lula e para a história do PT. O PT e Lula sempre andaram pelo Brasil, nunca ficaram encastelados”, lembrou a senadora e presidenta do PT Nacional, Gleisi Hoffmann.

O que tem levado milhares de pessoas a viajar de todos os cantos do Nordeste para chegar perto de um dos mais queridos líderes do país não foi apenas admiração. Foi acima de tudo uma imensa gratidão por aquele que manteve durante toda a vida pública o compromisso de governar de olho nos trabalhadores e nas trabalhadoras, nos mais pobres, nos que historicamente foram esquecidos.

É essa gratidão que faz valer a pena viajar quilômetros pelas estradas e aguardar horas a fio pelo tão esperado encontro com o homem que tanto fez por essas terras. “Nós sabemos o que é pobreza. Ele tem uma humildade de falar com todo mundo, de não tratar com diferença”, afirmou na Paraíba o Edinaldo, cacique do povo indígena Tabajara.

“O Lula estar aqui hoje é um motivo de grande comemoração. Muitas pessoas, como eu, desde pequena, são beneficiadas por programas que Lula criou, que me ajudaram a me tornar o que sou hoje. A gente deve sempre lembrar nossas origens e estar sempre em busca da nossa democracia”, disse a jovem Tamires Borges.

É justamente por ter muito claras suas origens e por defender tão ferozmente a democracia e o ideal de um Brasil para todos que Lula conseguiu ajudar a população nordestina a reescrever seus destinos.

Lula mostrou de forma inquestionável que é possível reverter anos de atraso e esquecimento por parte do poder público e dar a toda uma geração de brasileiros e brasileiras a oportunidades de pensar nos problemas mais comumente relacionados à região como algo do passado, abrindo portas para o futuro que não mais os define, é escolhido por eles.

“A gente tem que prestigiar quem prestigia a gente!”, resume o jovem sergipano Adilson Junior, 23, em palavras que servem para explicar o que leva tantos nordestinos às ruas. “Lula é uma pessoa esplêndida. Não vejo outros líderes que chegam junto de seu povo como ele chegou”, completa sua colega Érica, com lágrimas nos olhos.

É emoção similar à de centenas de pais e mães que, com lágrimas nos olhos, se orgulham de dizer que deram um lar com refeições diárias, educação e água limpa a seus filhos. Que deram a eles a esperança de um futuro melhor.

E a das mulheres que, fortalecidas, puderam tomar as rédeas de seus próprios destinos. “A Lei Maria da Penha, o Minha Casa Minha Vida e o Bolsa Família no nome das mulheres contribui imensamente para a autonomia das mulheres, que sentem a sua importância como cidadãs e protagonistas”, lembra bem a vereadora Isolda Dantas, de Mossoró.

“Nós mulheres nordestinas percebemos uma enorme diferença entre o que é um governo que tinha políticas para as mulheres estruturadas e agora.”

“Eu vivia com oito filhos dentro de um cativeiro, limpando o terreno dos fazendeiros com um saco de lona nas costas, em 30 ou 40 pessoas. Pegava as 7h da manhã e largava às 4h da tarde”, lembra o quilombola Gerson Paulino dos Santos, 72, em Alagoas.

“Foi no tempo que Lula se candidatou e ganhou, aí eu disse que não seria mais assim, seria Bolsa Família. Graças a Deus, desse dia para cá a mesa do pobre encheu de fartura e o pobre não passou mais fome. Tenho fé em Deus de que quando ele ganhar de novo a mesa vai dobrar”.

O impacto de programas como Bolsa Família, Minha Casa Minha Vida, Mais Médicos, de fomento à agricultura familiar, cisternas, moradia popular, a transposição do São Francisco, de desenvolvimento e interiorização de universidades e institutos federais, entre tantos outros, são incontáveis, e configuram uma verdadeira revolução social na história do Brasil.

Mais do que tudo, o que brilha nos olhos de todos que se deslocam de suas casa, trabalhos e compromissos para aguardar a passagem de Lula é a confiança de saber que ali está um líder do povo, fruto da mesma história de luta e perseverança, e que, por já ter mostrado que sabe como fazer e ter feito na prática, pode ajudar o país a sair da trilha de desmontes que hoje enfrenta.

Também a indignação de ver os ataques políticos e midiáticos diários que Lula hoje sofre, numa clara demonstração que a certos poderosos de Brasília, não interessa um mundo em que o povo, empoderado, possa deixar sua situação de miséria, tomar suas decisões e construir de fato um Brasil para todos.

“O tempo que eu tiver eu vou estar ao lado do povo, tentando derrubar esses golpistas que tomaram o poder sem nenhum voto”, reitera Lula a cada oportunidade. E o povo também estará a seu lado. Como dona  Isanildes Bittencourt, professora aposentada e baiana aguerrida de 72 anos que desde a ditadura luta e milita pela esperança de um Brasil menos desigual.

“Estou aqui recebendo esta caravana na esperança de que novamente mudemos essa história, porque não é possível que, dentro de um ano, um presidente ilegítimo, espúrio, tenha destruído nossos sonhos, nossas esperanças de um Brasil melhor”, afirmou, em Salvador ao lado dos filhos que a acompanhavam com expectativa semelhante em recepcionar Lula.

“Querem que a gente volte ao passado, quando nós não tínhamos energia, não tínhamos água, não tínhamos nada. Por isso estamos aqui para defender Lula”, completa Maria Helena da Conceição, representando mulheres trabalhadoras rurais em Feira de Santana.

Enquanto os golpistas dão as costas aos brasileiros e brasileiras e lhes tiram os direitos um a um, Lula tem a coragem de olhar para eles de frente. “Eu quero conversar com o povo para saber porque esse país tava tão bom e porque piorou tanto”, disse Lula. “Por que criamos 22 milhões de empregos com carteira assinada e agora tem 14 milhões de desempregados?”, questiona, estupefato.

Foi conversando com pessoas de todo o país que Lula pode construir programas tão importantes e que influenciaram tão profundamente a vida de brasileiros e brasileiras. E é justamente isso que ele está fazendo nesta nova etapa, numa caminhada de esperança e luta por um Brasil pós-golpe.

Por Clarice Cardoso e Mariana Zoccoli, enviadas especiais ao Nordeste com a caravana Lula pelo Brasil, para a Agência PT de Notícias

LULA 2018 é o único plano, afirma vice-presidente do PT

“Lula é o plano do PT para 2018.”

Vice-presidente nacional do PT, Marcio Macedo garante que partido não trabalha com outra hipótese para 2018 que não seja a candidatura de Lula

 

O vice-presidente nacional do PT, Marcio Macedo, afirmou, nesta sexta-feira (28), em entrevista ao portal JL Política, que o partido não trabalha com outra hipótese para 2018 que não seja a candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva, mesmo diante da condenação imposta pelo juiz Sérgio Moro ao ex-presidente.

“ Lula é inocente e não tem nenhuma razão para ele não ser candidato. Um pré-candidato que, no início do processo, já apresenta 40% de intenções de voto não pode deixar de disputar eleição”, disse Marcio.

O dirigente petista ressalta que o PT “não tem plano B” para as próximas eleições presidenciais.

“Lula é o nosso plano A, plano B, plano C. Ele é o nome do PT para 2018”, reforça.

Da Redação da Agência PT de Notícias

 

Em site do PSDB 89% opinaram: “condenção de LULA foi política”

PSDB retira enquete sobre condenação de Lula

O site do PSDB retirou do ar uma pesquisa que questionava os internautas sobre o que achavam da condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O resultado da enquete surpreendeu: dizia, na quinta-feira, dia em que foi apagada, que 89% dos votantes consideravam a condenação uma decisão política.
A assessoria de imprensa do partido, principal adversário do PT, disse que a enquete saiu do ar por uma “questão de segurança”, já que havia um temor de que houvesse hackers respondendo à pesquisa (kkkkkk, desculpe).