‘Sputnik V’ inicia processo contra a Anvisa ‘por divulgar informações falsas’, diz site

29/04/2021 0 Por Redação Urbs Magna

Os desenvolvedores da vacina russa consideraram que houve ‘motivação política’ na decisão que vetou a importação e apontaram contrariedade a um parecer anterior do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, que reconheceu a droga como segura e permitiu sua produção no Brasil

Sputnik News – O Brasil é atualmente um dos países mais afetados pela pandemia, com mais de 14,5 milhões de casos de infecção.

O fabricante do Sputnik V está iniciando uma ação judicial de difamação contra a ANVISA, agência reguladora de saúde brasileira, por espalhar informações falsas sobre a vacina.

O regulador votou unanimemente na segunda-feira pelo adiamento da autorização de importação da vacina russa, alegando falta de informações.

Os desenvolvedores do Sputnik V consideraram a decisão politicamente motivada e apontaram para o fato de que a decisão é contrária a uma anterior do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação do Brasil, que reconheceu a vacina como segura e permitiu sua produção no país.

No início deste mês, os governadores dos estados do Nordeste do Brasil anunciaram sua intenção de apelar ao Supremo Tribunal Federal se não receberem uma resposta da ANVISA sobre os atrasos na aprovação da importação do Sputnik V.

No mês passado, o Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos admitiu que usou “relações diplomáticas” para obrigar o Brasil a rejeitar a autorização da vacina russa contra o coronavírus Sputnik V.

O Sputnik V, a primeira vacina contra o coronavírus registrada no mundo, foi aprovada para uso emergencial em 60 países ao redor do mundo. A eficácia da vacina é de 97,6%, com base na última análise de dados sobre a porcentagem de infecção pós-vacinação entre 3,8 milhões de russos vacinados. É maior do que a eficácia de 91,6% mostrada em uma análise provisória do ensaio publicado no The Lancet no início de fevereiro.

Comente